segunda-feira, 21 de julho de 2008

VALE DO AÇU

Feira de negócios terá início

A Secretaria Estadual do Desenvolvimento Econômico (Sedec) e a Câmara de Dirigentes Logistas (CDL) de Assu fecharam um convênio com a Petrobrás para ser a patrocinadora oficial da V Feira de Negócios do Vale do Açu, que vai acontecer de 31 de julho a 2 de agosto, na praça Getúlio Vargas, em Assu.

Presente desde a primeira edição, a Petrobrás já havia anunciado, desde o ano passado, sua intenção em contribuir mais ainda com a realização da Feira, reforçando sua presença na economia da região e interagindo cada vez mais com os empresários locais.

A partir deste ano, a Feira de Negócios ganhou em sua programação uma nova proposta de qualificação e treinamento profissional que vem acontecendo desde o último dia 3 de julho.

O projeto intitulado "Super quinta feira de empreendedorismo e de negócios do Vale do Açu" é aberto ao público e acontece uma vez por semana até o início da Feira, no escritório regional do Sebrae.

São atendimentos personaliados e que ocorrem sempre no período da manhã, além de palestras à noite.

Na quinta-feira (17), a Petrobras e o Sebrae orientaram empresários de todas as áreas produtivas a realizarem os seus cadastros para tornarem-se, de acordo com as exigências legais, novos fornecedores da empresa.

"O objetivo principal está em canalizar o maior volume de recursos de suas compras para as empresas com sede no Rio Grande do Norte, criando maior vínculo com as diferente cadeiras produtivas no Estado", informa Otomar Lopes Cardoso Júnior, coordenador de feira.

A comercialização dos últimos estandes da Feira, que deverá repetir os mais de 100 estandes das edições anteriores, está sendo finalizada pela CDL de Assu.

Estão confirmadas empresas dois segmentos de moda, comcessionárias, supermercados, saúde, alimentação, material e implementos agrícolas, educação, eletrônica, entre outros, além do tradicional artesanato do Vale do Açu.

A programação cultural e artística, também renovada em sua proposta para o ano de 2008, será divulgada ofialmente na próxima semana, com a expectativa de novas atrações e novidades para o público, estimado em 40 mil pessoas durante os três dias do evento. Um evento que deverá incrementar a economia assuense e gerar empregos diretos e indiretos durante o período da feira empresarial.

(Artigo transcrito do jornal Potiguar Notícias, de Parnamirim, edição de 21.6.2008)

sábado, 19 de julho de 2008

JORGE FERNANDES, UM POETA MODERNISTA

O vate natalense Jorge Fernandes (1887-1953) é um dos precursores da poesia moderna no Brasil. Ele era proprietário do Café Magestic, um bar aristocrático e popular que funcionava no bairro Ribeira, da cidade do Natal. Naquele recinto também funcionava a célebre Diocésia, espécie de academia literária. Os poetas como Jayme Wanderley, Renato Caldas, o folclorista Luiz da Câmara Cascudo, era uns dos seus integrantes. Fernandes colaborou nos jornais como A República, entre outros da capital potiguar, bem como nas revistas intituladas O Tempo, Pax, O Potiguar (hoje nome de um jornal cultural da cidade natalense). O poeta escrevia versos clássicos e depois virou poeta dos versos brancos, além de ter escrito obras teatrais. O seu livro de estréia intitulado Livro de Poemas, foi publicado em 1927, onde vamos encontrar poemas como o intitulado "Rede", que veremos adiante, para o nosso deleite:

Emboladora do sono...
Balanços dos alpendres e dos ranchos...
Vai e vem nas modinhas longorosas...
Vai e vem de embalos e canções...
Professora de violões..
Tipóia dos amores nordestinos...
Grande... longa e forte. pra casais
Berço de grande raça

SUSPENÇA...

Guardadoras de sonhos
Pra madorna ao meio-dia
Grande... côncova...
Lá no fundo dorme um bichinho...
- ô... ô... ô... ôô... ôôôôôôôôô...

- Balança o punho pro menino durmir...

Bem como este outro poema sob o título Remanescente, transcrito abaixo:

Sou como antigos poetas natalenses
Ao ver o luar sobre as dunas...
Onde estão as falanges desses mortos?
E as cordas de violões que eles vibraram?
- Passaram...
E a lua deles ainda resplandece
Por sobre a terra que os tragou
E a terra ficou
E eles passaram!
E as namoradas deles?

E as namoradas?
São espectros de sonhos...
Foram braços roliços que passaram!
Foram olhos fatais que se fecharam!

Ah! Eu sou a remenescença dos poetas
Que morreram cantando...
Que morreram lutando...
Talvez na guerra contra o Paraguay!










segunda-feira, 7 de julho de 2008

ARTIGO

"O centenário de um senhor parlamentar

Djalma Aranha Marinho nasceu vocacionado para servir ao parlamento na plenitude democrática ou ameaçado pelas intérpéries ocasionais do autoritarismo. Com prudência e saber jurídico deu sua colaboração ao país quase à beira de colapso constitucional em 1961, quando os militares se opuseram à posse do seu vice-presidente João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros. Foi o relator da emenda constitucional que instituiu o parlamentarismo e evitou o impasse que teria gerado um conflito imprevisível assegurando a posse de Goulart no dia 7 de setembro daquele ano.

Contrário a licença para processar o então deputado Márcio Moreira Alves solicitada pelo governo militar ao STF, naquela crise que resultaria na edição do AI-5 em 1968, defendeu com veemência a inviolabilidade da instituição, embora não tivesse concordado com o discurso inoportuno do deputado oposicionista. Valeu-se da frase do escritor espanhol Calderon de La Barca para concluir suas palavras na sessão histórica da Cãmara Federal no dia 12/12/1968: "Ao Rei tudo, menos a honra". Após o discurso, renunciou a presidência da Comissão de Justiça, em sinal de protesto ao gesto abusivo do abítrio.

Sentia-se bem no parlamento e útil a instituição na condição de guardião de suas prerrogativas constitucionais e na condenação aos excessos praticados por governos populistas com viés autoritário. Integrar aquela turma privilegiada pelo saber jurídico e intelectual, representava uma láurea consagradora.

O deputado Djalma Marinho integrou o grupo e foi bem recebido por todos. Destacavam-se, dentre outros, Carlos Lacerda, Afonso Arinos, Bilac Pinto, Pedro Aleixo, Miltom Campos, Aliomar Baleeiro, Prado Kelly, Adauto Lúcio Cardoso e Oscar Correia, para citar apenas alguns que se tornariam mais tarde juristas consagrados e ministros do Supremo Tribunal Federal. Na Câmara, as galerias superlotadas aplaudiam aqueles oradores que incendiavam o plenário da Casa pelo brilho da oratória demolidora e impecável. A "banda da UDN" tocava afinada com partitura até de olhos fechados.

Apesar da timidez que o caracterizava, avesso a qualquer tipo de publicidade, o parlamentar norte-rio-grandense conseguiu obter notoriedade entre seus pares, tendo sido indicado para as relatórias de projetos polêmicos como a fusão do estado da Guanabara com o Rio de Janeiro e da CPI do acordo Globo/Time-Life, este lesivo aos intereses nacionais, segundo afirmou o deputado em seu parecer. Desincumbiu-se airosamente das tarefas difíceis, contrariando poderosos, graças à responsabilidade de renomado jurista.

Iniciou sua vida pública como deputado estadual constituinte de 1946 pela UDN, ao lado de figuras como Dix-Huit Rosado, Mário Negócio, Gomes Lemos, José Gonçalves, Pereira de Macedo, José Xavier, Moacyr Duarte e outros. Obteria mais tarde sete mandatos de deputado federal. Perdeu duas eleições majoritárias que lhe marcaram profundamente: o governo do Estado paras Aluízio Alves em 1960 e o senado da República para Agenor Maria em 1974.

Mas, a derrota que mais o machucou foi a perda da presidência da Câmara Federal para o colega Nelson Marchesan em 1980, num momento em que o poder Legislativo massacrado pelo regime vigente começava a reagir à condição de vassalo do Executivo, que tantas vezes tinha estuprado sua autonomia em nome do arbítrio. A derrota mexeu com sua estrutura emocional. Morrera pouco tempo depois.

A sala da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara tem o seu nome. Hoje, foi homenageado lá, pela pasagem do centenário ocorrido no último dia 30. Uma lembrança justa a quem teve uma atuação marcante no parlamento nacional. Infelismente, no Rio Grande do Norte, a data foi completamente esquecida.

Lamentavelmente, temos desapreço à memória dos homens públicos que se portaram com correção na vida pública".

Autor: João Batista Machado
(Transcrito do "Jornal de Hoje", 7/6/2008)