terça-feira, 12 de agosto de 2008

"O POPULAR E A ARTE DE FAZER VERSOS"

"Os eruditos que me perdoem. Sou mais aqueles folhetinhos impressos, compostos para ser cantados ou lidos em voz alta, fiés à fala do povo, sem preocupação com a retórica gramatical. É essa poesia popular declamada e cantada que rima com música. E a música não é irmã da poesia? Que, por sinal, tem sua origem no mundo grego, vem de musa, a inspiradora dos poetas. Os cancioneiros Colocci Braneuí, da ajuda, Vaticana, de Garcia Resende são coleções importantíssimas da poesia lírica trovadoresca.

O que é o canto senão, a exteriorização de um sentimento nascido do estado da alma! Essa, por exemplo, vem de longe. Quem canta seus males espanta. Pois é, sabe-se que homem primitivo soltava seus grunhidos para comemorar os feitos. No período Neolítico já solfejava cantando, acompanhados por instrumentos musicais.

Os egípiçios do Médio Império incluíam canções e poemas dedicados a assuntos da natureza, da vida e da morte para celebrar os mistérios de Osíris e a passagem dos mortos desta vida para o além.

Na Roma do século de Augusto, sob o patrocínio imperial, a literatura latina viveu um dos seus grandes momentos de esplendor. Era a fase das declamações públicas e dos desafios. Da mesma maneira que os antigos gregos faziam no Canto Amebeu.

Séculos e séculos de inspirações e cantos, levando-se em consideração as diversificadas formas instrumentais, como a cítara, o violão, depois a viola. E o cantador nordestino. É a reminiscência do aedo grego Orfeu, cantando ao som de sua lira; do minnesanger (cantor do amor) alemão, Walter de Vogelweide, na idade Média; da poética árabe, que atingiu prestígio com Tarefa e suas picantes sátiras; e vai por aí percorrendo mundo a fora.

Mas, foi no Nordeste do Brasil que o cordel europeu e a cantoria de viola encontraram ambiente propício ao seu desenvolvimento. Uma região de criatório de gado e cantares regionais. A esse respeito falou Miguel Torga: "É mais um povo que pelos séculos dos séculos terá de arrastar um destino próprio, a fazer milagres da pobreza do chão, das vogais da língua, do lirismo da alma".

O século XIX foi pródigo para com a poética popular nordestina, quando milhares de folhetos foram editados e vendidos, inclusive para o sul do Páis.

Os mais antigos eram escritos em quadra e chamava-se verso de quatro pés. Alguns estudiosos do cordel atribuem ao poeta paraibano Silvino de Parauá de Lima (1848-1913) a introdução da sextilha no folheto para melhorar expandir a idéia. O pioneirismo do romance em verso, uma beleza do Romano do Teixeira e Inácio da Catingueira, atribui-se a José Galdino da Silva (Zé Duda), numa versão de uma novela extraída das jornadas do Decameron chamada de "D. Genevra". O mais importante folhetista dessa época foi paraibano Leandro Gomes de Barros (1865-1918). Alcançou prestígio e fama com uma produção de folhetos editados e reeditados, conseguindo grande número de leitores e admiradores, na chamada fase de ouro dos folhetos populares nas feiras nordestinas. Suas obras são verdadeiros clássicos da poética popular brasileira, entre as quais podemos citar: A Donzela Teodora, O Reino da Pedra Fina, Canção de Fogo, O Marco Brasileiro, Os Mártires de Veneza. Existe outro poeta popular tão importante quanto Leandro Gomes. Trata-se de Agostinho Nunes da Costa (1797-1858), respeitado glosador, e tido como precursor da poesia popular nordestina da famosa Escola do Teixeira (PB).

Enfim, precisamos compreender a grande contribuição da tradição popular nordestina a renomados compositores, com a valiosa produção, inserida no cancioneiro nacional, do nível de Chiquinha Gonzaga, Donga, Ismael Silva, Ari Barroso, Noel Rosa, Lamartine Babo, Mário Lago, Adoniram Barbosa, Pixinguinha, Vinícius de Morais, Dorival Caymmi, e outros mais, leitores do cancioneiro popular, da velha guarda consagrada, lembrados ainda hoje, fazendo muito sucesso no mundo da Música Popular Brasileira."

Severino Vicente
Pesquisador e Sócio do IHGRN
(Transcrito do Jornal de Hoje, de Natal, 3.7.2008)

sábado, 2 de agosto de 2008

NATAL É ESCOLHIDA COMO MELHOR DESTINO TURÍSTICO DO BRASIL

A associação da Agências de Viagens Independentes do Estado de São Paulo (Aviesp), através de votação direta de 300 agentes de viagens associados, escolheu Natal como o melhor destino turístico do Brasil, no Prêmio Top Aviesp de Qualidade em Turismo 2007.

A informação foi dada pelo presidente da Aviesp, Willian José Périco, ao secretário de Turismo de Natal, Fernando Bezerril. Ainda será marcada a data para entrega da premição a Natal, que alcançoiu a pontuação nove entre os associados da Aviesp.

Segundo Fernando Bezerril, a premiação faz jus ao trabalho desenvolvido na divulgação de Natal, através da Secretária de Turismo, em todos os eventos promocionais realizados no País e até no exterior. Além disso, aponta a realização do "Natal em Natal".

A Aviesp é a mais poderosa entidade de turismo do interior de São Paulo que é o maior órgão emisor de turistas para Natal e porque reúne os agentes de viagens daquele Estado e promove anualmente durante o mes de abril a Aviestur que reúne os agentes de viagens de todo o País.

Sete Maravilhas

Recentemente, o forte dos Reis Magos ganhou o concurso da revista CAaas - Sete Maravilhas do Brasil. O comunicado oficial também foi feito ao secretário de turismo, Fernando Bezerril, que recebeu o prêmio de Caras, em nome da Prefeitura de Natal, no Salão de Turismo realizado em junho no Parque Anhembi, em São Paulo.

(Transcrito do jornal Tribuna do Norte, de Natal, edição de 1 de agosto de 2008)

Sei dos teus novos amores  Tudo timtim por timtim;  Dizes, que tal... e que não;  Eu sei, que tal... e que sim.  Sei que déste aos teus...