sexta-feira, 31 de julho de 2009

CARNAVAL DO PASSADO

O carnaval de clube do Assu era até o começo da década de setenta, o melhor do interior do Rio Grande do Norte. A fotografia acima, salvo engano, fora tirada em fevereiro de 1964, no salão do clube ARCA - Associação Recreativa e Cultural do Assu (onde funcionaou a ACC e hoje é a casa de shoow O Molekão"). Esquerda para direita, vejamos Naide Belo, "Juca" de Sá Leitão, Maria Auxiliadora (esposa de doutor Edgard Montenegro), Rizza Montenegro, Francisca Ximenes, Geraldo Dantas (ele foi um dos primeiros funcionários do Banco do Brasil, agência de Assu) e Mara de Sá Leitão (filha do ex-prefeito do Assu Walter Leitão) que atualmente reside no Estado de Michigan - EUA.

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

quinta-feira, 30 de julho de 2009

PERMANÊNCIA DE EZEQUIEL

Os espiritualistas de todas as correntes religiosas ocidentais falam-nos de uma segunda vida, cujo portal de saída da vida terrena - a morte - seria a de entrada para aquela outra.

Seja como for, aqui ou lá, Ezequiel Epaminondas da Fonseca Filho, que há mais de um ano (15.01.87) transpôs esses umbrais, deixou em sua cidade e em sua gente, uma tradição de fecunda humanidade e filantropia que hão de contemplá-lo, onde estiver, de felicidade permanente.

Pela palavra de um pregador católico, na homila de um morto, ouvi que só os que não têm fé se atemorizam com a morte física. Não sei, por sentimento de quem perdeu pai, mãe, esposa, irmãos e amigos queridos (Melé, a Vara, César, Oldanir) que uma morte e indesejável e temida pelas pessoas de inteligência mais ou menos desenvolvida - a morte que vem pelo esquecimento.

Sem memória o morto não sobrevive para a família, nem para os amigos, muito menos para a humanidade, tão entre si ligada por problemas comuns à salvação e tão extranhamente separada quando os povos se avaliam e se confrontam como nações.

Ezequiel Fonseca Filho eu conheci desde menino (parece que nasci por suas mãos de parteiro) e depois, na política, militei em suas campanhas como orador de comícios que faziamos pelo Vale do Assu. Para mim ele só deixou a marca de ter sido servidor do seu povo, como médico, examinando, tratando, fazendo curativos, atendendo chamados, tudo num mundo subdesenvolvido do interior do Rio Grande do Norte, como era exigido de um profissional de sua sabedoria e conceito.

Aprendi a querer bem a esse homem que cumpriu quase um século de existência continuamente jovem e bem humorado. Uns dois meses antes que sua alma transparente atravesse o patamar de uma nova dimensão, me procurou em casa, aqui em Natal, para conversarmos literatura e sobre seu projeto de editar um novo livro, desta vez sobre glosadores assuenses. Antes me confiara o acompanhamento da edição do seu "Poetas e Boêmios do Assu", que é um registro crítico importantíssimo para a história cultural do Estado.

Aos 92 anos alguém fazer projeto de publicar livro, como se estivesse começando uma carreira de escritor, é um fenômeno para mim fantástico. E ele, lúcido, conversando com a humildade que nem todo aprendiz de escritor tem, mostrava-se um exemplo de vida plena e vigor mental de quem sonha e ama realizar os seus sonhos.

Não vou esquecê-lo nunca, porque sei que é difícil, hoje, encontrar uma alma tão boa como a dele, e porque sei que ele me amava como a um filho.

A sua morte não pode ser como a daqueles que morrem anonimamente. Sua existência não pode ser igualada à daqueles que fizeram um papel de transitoriedade em nosso Planeta.

Ele não veio para preencher um tempo, mas para ascese que se completa na eternidade.

Celso da Silveira
(Tribuna do Vale do Assu, 4.6.1988)

blogdofernandocaldas.blogspot.com

fernando.caldas@bol.com.br



quarta-feira, 29 de julho de 2009

"COLETIVO POTIGUAR"

Clique na imagem.

"A exposição "Coletivo Potiguar - Imagens da Esquina do Brasil" será aberta em Brasília na próxima quinta feira, 30 de julho. A mostra será nas Galerias Ticcola I e II da Caixa Cultural da capital do país e conta com a participação de nove fotógrafos, incluindo o meu trabalho. Patrocinada pela Caixa, a exposição já passou por São Paulo, onde permaneceu por 45 dias. Nas imagens, destaque de minha foto no plantel UOL. Ricardo Junqueira, curador da mostra sendo entrevistado pela TV Cultura, e um detalhe da Galeria da Caixa da Sé, na capital paulista. Em Brasília a mostra vai até o dia 31 de agosto, devendo em seguida ser levada para o Rio de Janeiro."

Jean Lopes

GRANJA (FUTEBOL DE SALÃO)

Granja era um clube de futebol (de salão e de campo), fundado no começo dos anos setenta. Na fotografia (arquivo da Rádio Princesa do Vale), vejamos Naninho, Arimatéia (hoje conceituado médico em Assu), Galêgo de Selé ou Chiaba como é também alcunhado, Losa (atualmente reside em Natal, trabalhando na operadora de telefonia Oi, desde os tempos da Telern) e Cão.

fernando.caldas@bol.com.br

CANÇÃO DA TERRA DOS CARNAUBAIS

Minha terra tem poetas
de inspirações magistrais,
nascidos ao farfalhar
dos verdes carnaubais.
Minha terra floresceu
às margens do rio Assú,
e deu filhos que lutaram
nos campos de Curuzu.

A minha terra provém
de indígenas e portugueses,
e traz, no sangue, também,
o sangue dos holandeses.
Se os seus filhos, quando nascem,
talento não denunciam,
Morrem na infância primeira,
porque asnos lá não se criam.

Muitos deles, quando querem
dar asas à inspiração,
emigram para outras plagas,
como aves de arribação.
E, mesmo sentindo dalí,
vem cantar seus amores
às margens do Potengi.

E olhar de perto a praieira
da canção de Otoniel,
de olhos ternos, cismadores,
lábios doces como mel,
que ama escutar trovadores,
que tenham vindo de lá,
para dizer-lhe ao ouvido
estrofes de Itajubá.

Minha terra tem história,
poesia e tradição!
E em tempos idos, já foi
a Atenas do meu sertão.
Antigamente, a escola
lá era risonha e franca,
e o negro, banqueteado,
nos salões do amplo sobrado
do Barão de Serra Branca.

Teve seu berço no Assu,
Luiz Carlos Lins Wanderley,
que, médicin, malgré tout,
era poeta de lei.
E os Soares e Amorins,
Macêdos, Caldas e Lins,
e outras mais, que ainda há,
- os quais, logo que nasceram,
inspiração receberam
nas águas de poassá.

Na poesia popular,
houve Moisés Sesiom,
que, semelhante a Bocage,
glosava no melhor tom.
E não se deve esquecer
João Celso e Palmério Filho,
que, na tribuna e na imprensa,
pontificaram com brilho.

Deus te salve, terra amada,
berço dos meus ancestrais!
Eu morreria de mágoa
se não te revisse mais.
Se não pudesse beijar-te,
escutando o farfalhar
dos verdes carnaubais.
(Rômulo Wanderley - 1910 - 1972 - poeta potiguar do Assu).

segunda-feira, 27 de julho de 2009

FREI DAMIÃO NO ASSU

Frei Damião quando da sua primeira visita a cidade de Assu, em 1974, trazido por Walter Leitão quando prefeito da terra assuense. Na fotografia, direita para esquerda vejamos (?), Zélia Tavares (?), Frei Damião, Evangelina Tavares de Sá Leitão (na época primeira dama daquele município) Vera Bezerra (Verinha), (?), Amaro Sena, (?). Aquele capuchinho foi hóspede da Casa Paroquial, bem como a sua permanência e a programação religiosa que ocorreu num palanque armado em frente a igreja de São João Batista, durou aproximadamente dez dias.

blogdefernandoaldas.blogspot.com

ASSU ANTIGO

No fundo da fotografia a esquerda vejamos a Casa de Caridade totalmente reformada, onde hoje funciona o IPI - Instituto Padre Ibiana. Ibiapina foi o fundador daquela da dita Casa de Caridade. A outra casa no fundo da foto a sua direita foi demolida para dar lugar a agência do Banco do Brasil, de Assu. Clique na fotografia para melhor visualisar.

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com .br

sábado, 25 de julho de 2009

POESIA

Agrupadas, ou aqui e ali dispersas,
Ostentando riquezas vegetais,
Nas áreas varzeanas tem diversas
Pisagens lindas de carnaubais.

Erguidas para o alto, fortes, tersas,
Positivas, autênticas, reias.
Têm as carnaubeiras sempre imersas
Raízes puras e medicinais.

No fabrico do pó sustenta o pobre,
Depois de ressecada a palha cobre
As construções da rústica choupana.

E no árduo lidar Deus a acompamha,
Na sua convivência o homem ganha
Lições de apego à atividade humana.

Francisco Amorim

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernandocaldas@bol.com.br

quinta-feira, 23 de julho de 2009

TIRADAS DE WALTER LEITÃO

1 - Certo amigo de Walter, já com seus cinco anos de casado, confessou a ele que sua mulher não tinha geito para engravidar. Meses depois aquele amigo apareceu com a surpresa, feliz da vida, dizendo assim: "Compadre Walter, num é que minha mulher engravidou, rapaz!" E Walter que tinha sempre a resposta na ponta da língua, soltou essa: "E você desconfia de quem?"
2 - Na hora do café da manhã, pediu a sua empregadar alguns ovos para comer. Aquela doméstica indagou ao patrão: "Seu" Walter, como é que o senhor quer os ovos?" Walter não deixou para depois, dizendo assim: "pendurados!"
3 - Certa senhora em dias de parir, dirigu-se ao gabinete de Walter na prefeitura (naquela época ele era o prefeito do Assu) para pedir a ele uma ajuda para o seu parto que seria sesariano. E o irreverente Walter saiu-se com essa: "Comadre, você para secar a barriga vem me pedir ajuda, agora, para encher você não me procurou!"
4 - Walter além de agropecuarista era contabilista de profissão. No seu escritório, escrevendo uma carta, um certo amigo (afamado curioso da cidade de Assu) observava o que ele escrevia na máquina de datilografia. Irritado com aquele comportamento do amigo, Walter começou a escrever, dizendo assim: "Esse que está atrás de mim é um corno, 'fresco' e filho da p...!"

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas#bol.com.br

terça-feira, 21 de julho de 2009

domingo, 19 de julho de 2009

ASSU DE IRMÂ LINDALVA

fernando.caldas@bol.com.br
blogdofernandocaldas.blogspot.com

CASA DE CARIDADE

Onde hoje está assentado o IPI - Instituto Padre Ibiapiana, era uma antiga casa denominada Casa de Caridade. Instituição que segundo alguns historiadores potiguares, fazia inveja a Natal que não tinha uma igual. O seu fundador foi o padre Ibiapina que, segundo a professora e poeta assuense Sinhazinha Wanderley, diz que "no local do Instituto existiu uma casa já muito antiga e que foi mandada edificar pelo padre Ibiapina. Contava-se destre padre que estivera a morrer num naufrágio e ao passar por Macau fizera voto de fundar uma Casa de de Caridade no primeiro lugar a que chegasse. E foi o Assu justamente esse lugar. Dita casa de Caridade tinha como superiora Irmã Tereza e as Irmãs Leonarda, Dionízia, Felipa, etc. A Casa recebia mocinhas pobres, órfãs, que ali ficavam até a idade do casamento. Ao atingirem essa idade, o Procurador da Casa escolhia um rapaz honesto, bom cristão e trabalhador. Eram os dois levados à sala nas presenças do Procurador e da Superiora e, se os dois se agradavam, o casamento era feito às expensas da Casa... A Casa recebia doentes, cadáveres, que amortalhavam, deixando-os à noite na Capela, velados por duas recolhidas que o faziam com muito medo. A Casa dava ensinamentos de flores, labirintos e bordados... "
blogdofernandocaldas.blogspot.com

quinta-feira, 16 de julho de 2009

ASSU ANTIGO

Fotografia do arquivo de Renato Cabral.
Praça Getúlio Vargas nos anos sessenta. No fundo da fotografia (lado esquerdo), podemos ver o prédio onde funcionou o Armazém de compra e venda de algodão e cera de carnaúba, de Fernando Tavares - Vem-Vem, bem como nos idos de sessenta e começo de setenata o famoso bar e sorveteria denominado "Ponto Chique", de proprieda de Purueca e Tarcísio Tavares. Era um recinto popular e aristocrático, onde a juventude da cidade se reuniam para um amistoso bate-papo, puxado a sorvete e uma "geladinha". O prédio da esquina (lado direito), funcionou até o começo da década de setenta, a agência do Banco do Brasil. Atualmente é propriedade do Governo do Estado. Antes, naquele local, era assentado uma bonita casa de Mário Amorim, pai do jornalista Osvaldo Amorim.
fernandocaldas.blogspot.com

quarta-feira, 15 de julho de 2009

ASSU - CAMALEÃO DO VALE

Três figuras interessadas pelo futebol assuense: Dailson, Alberto Luiz (vice-prefeito do Assu) e Delziele.

IGREJA MATRIZ DE SÃO JOÃO BATISTA, DE ASSU

Tela da assuense Enilza Cóbe Gouveia.

RELEMBRANDO

Importante fotografia resgatada por Junior Soares. Aquele blogueiro assuense afirma que aquela fotografia, anterior ao ano de 1964, fora tirada na cidade de Assu. Da esquerda para direita, vejamos o presidente João Goulart (Jango), prefeita Maria Olímpia Neves de Oliveira (Maroquinhas - primeira e única mulher até hoje a administrar o município do Assu), o combativo deputado estadual assuense Olavo Montenegro e o deputado federal Jessé Pinto Freire.
blogdofernandocaldas.blogspot.com

sábado, 11 de julho de 2009

ARTE EM TELA

Ao acessar o blog www.celiagouveia. blogspot.com, deparo-me com uma joia de trabalho em tela como esse. É a Lagoa da Ponta Grande (Fazenda Picada/Itu, município de Ipanguaçu/RN, antes de propriedade da família Montenegro - Major Montenegro), pintada por irmã Leônia Gurgel, que em Assu foi superiora do Colégio Nossa Senhora das Vitórias, salvo engano, nos anos sessenta e começo de setenta.

PERFIL DO ASSÚ EM ORKUT

"Aniversário: 16 de outubro.
Idiomas que falo: Português (Brasil).
Quem sou eu: Sou Assu (RN). Terra dos Poetas e dos Verdes Carnaubais.
Etnia: Multiétnico.
Humor: Extrovertido, extravagante, inteligente, sagaz e simpático.
Estilo: Alternativo.
Fumo: Excessivamente.
Bebo: Excessivamente.
Animais que adoro: Adoro meus anoma(is) de estimação.
Moro: Com companheiro(a), com anima(is) de etimação, com filhos, amigos visitantes com frequência.
Cidade natal: Assú.
Página da Web: htt. http://www.assu.rn.gov.br/
Paixões: Não tenho paixões. Amo meu povo assuense e os que adotei.
Esporte: Sempre foi meu forte.
Músicas: Essas que saem nas emissoras da minha cidade. Meu povo tem o mesmo gosto que eu.
Cosinhas: Uma latinha de cachaça (antes), peixe d´água doce com arroz e pirão e, um litro de cachaça (depois) que é para dar aquele sono arretado e tirar minha madorna deitado numa rede.
E-mail: Assu2009@hotmail.com
Linha de endereço 1: A zona urbana, suburbana e rural.
Cidade: Assu.
Estado: RN.
Código postal:/Cep: 59054650000.
País: Brasil."

fernando.caldas@bol.com.br
blogdofernandocaldas.blogspot.com

sexta-feira, 10 de julho de 2009

MEDICINA POPULAR NOS VERSOS DE NESTOR MARINHO

Nestor Marinho era poeta popular de Santo Antônio do Salto da Onça, região agreste do Rio Grande do Norte. Zé Luiz depõe que ele era doutor em ervas e versos. Um dia, cansado (ele era asmático), pegou a viola e descreveu os remédios que vinha tomando, dizendo assim:

Já tomei celestom e decadron,
Tomei meticorten e deronil,
Iodeto de potássio e revenil,
Curasmático, estilasa e ocilon,
Elixir de cereja e alergon,
Em calmante: alupent e pílula asmac,
Filismina, tronol e eufin, marc,
De nenhum obtive resultado,
Mesmo assim venho sendo medicado
Por inúmeros médicos do CRUTAC.
Chá de burro tomei mais de 60,
Tomei banha de cobra e de teju,
Me ensinaram a banha de timbú,
Não tomei por ser muito fedorenta.
Lambedor tomei mais de 40,
E aprendi a preparar um lambedor
De juá, cumarú, ou mercador.
Do angico: a raiz, flor, a casca.
Em remédio do mato ninguém tasca
Pois em ervas e árvore sou doutor.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

FUTEBOL DO PASSADO

Nome do time: Amigos de Zé de Ana. Em pé: Dedé de Zé de Ana, Zé e Deus, Batista, Zé de Ricarte e João Carlos. Agachados: João de Ricarte, Galêgo de Itajá, dr. Nelson e Zé de Ana (dono do time). O fato é que apenas dois ou três daquele grupo, sabia jogar futebol! É que Zé de Ana gostava de movimentar a cidade, e organizou aquele clube ( pessoas jovens e maduras). É que em Assu acontece de tudo!

fernando.caldas@bol.com.br

terça-feira, 7 de julho de 2009

POESIA

SÓ NO CÉU

Por Renato Caldas

Não encontro na terra!
Não existe no mar,
nas estrelas, nas frias madrugadas
lordadas
do luar...
No lamento do vento,
no perfume das flores,
nos sorrisos, nas dores...
Na alegria dos lares,
na branca e secular
piedade dos altares...
No riso da criança
na humildade
e bondade
dos olhos que mendigam o pão...
nos que eram cheios de confiança...
na infalível e Divina Proteção.
Eu, procuro em tudo que vive
e vejeta
no Universo,
e na emotividade sublime da canção.
É debalde!
É em vão...
Se na terra não tem,
nem existe no mar...
... Eu sei também!
Só no céu poderei encontrar
a caridade divina e abençoada,
da minha mãe...
da minha mão amada.

fernando.caldas@bol.com.br

domingo, 5 de julho de 2009

MAIS FOTOS DO SÃO JOÃO EM ASSU

Esquerda para direita: Dentista Osman Alves, acropecuaristas Edgarzinho Montenegro e seu pai Edgard Montengro, durante o tradicional Almoço de São João.
Direita para esquerda: Dr. Osman Alves, prefeito do Assu Ivan Júnior, empresário Júnior Gregório Júnior. Sentados (?) Sr. João de Lula e sua senhora (avós paterno do prefeito assuense).

Esquerda para direita: Empresário Helder Alves, dr. Osman Alves e o prefeito Ivan Júnior.


Da esquerda para direita: dr. Osman Alves, dr Edgard Montenegro e sua filha Dália, e Fernando Caldas (Fanfa) autor deste blog.

fernando.caldas@bol.com.br

sábado, 4 de julho de 2009

UM POUCO MAIS DE JOÃO CELSO NETO

A fotografia é antiga.
.
João Celso (já comentei sobre ele aqui neste blog) é poeta potiguar do Assu da velha guarda. Mas ele tem somente 64 anos de idade. Nasceu em terras assuenses, morou em Natal, Recife, Rio de Janeiro, Fortalez e atualmente reside em Brasilia, capital federal, mas nunca esuqeceu a sua terra natal. Ele é um dos ultimos remanescente daquela geração de poetas que dignificam aquela terra assuense e engrandecem as letras norte-riograndenses. Ele começo a produzir poesias, ainda na sua adolescência. Em data de 6 de junho de 1963, numa feliz inspiração, escreveu o poema sem epígrafe, nunca antes publicado (que ele escondeu num baú inviolável, que eu fui buscar e transcrevo abaixo para o nosso deleite. Vamos conferir:
.
"Um beijo teu apenas bastaria
para me fzer feliz,
a fúria de meu amor aplacaria,
acalmando também meu coração.
.
Tudo me falta e nada te comove,
mesmo que vejas o sofrimento meu.
A solidão do mundo me acompanha
e tua alma não me dá carinho.
.
Teus braços não me abraçam,
teus lábios não me beijam,
de ti só a distância eu recebo,
e nem isso eu desprezo.
.
Meu penar, sem culpa alguma,
revolta a todos, exceto a ti,
que, soberana a oprimir,
espezinhas o meu amor."
.
Pouco tempo depois, João Celso refez aqueles versos transformando em soneto (aproveitando a primeira estrofe do pema acima transcrito) que escreveu num caderninho que eu também fui buscar entre seus guardados, que diz assim:
.
"Um beijo teu apenas bastaria
para me fazer feliz,
a fúria de meu amor aplacaria,
acalmando também meu coração.
.
Queres a distância, eu me afasto,
tudo me falta e nada te comoves
a solidão do mundo me acompanha,
e tua alma não me dá carinho.
.
Vivo sem tí, e te amando sempre,
vives sem mim, me espezenhando muito.
mais eu insisto: negociemos:
.
Dá-me um abraço, toma este beijo,
e nestas trocas intermináveis
vivamos sempre enamordos.
.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Aluízio Alves (influente político brasileiro), foi deputado federal, governador do Rio Grande do Norte, Ministro do governo Sarney. Criou como símbolo de campanha para o seu grupo político, o dedo polegar (conforme fotografia acima) , ainda hoje conservado pelo seu filho deputado federal Henrique Eduardo e seus admiradores. Pois bem, na campanha de 1965, Aluízio apoiava Monsenhor Walfredo Gurgel para governador. Alguém presente numa certa cantoria que se realizava num certo botequim da cidade de Mossoró, perguntou ao poeta mossoroense Luiz Campos, porque ele não votava em Walfredo Gurgel (O Padre) para governador da terra potiguar. E aquele poeta, improvisou na horinha:
Vou dizer por que não voto,
Neste Monsenhor Walfredo;
É que o partido de Aluísio
Tem uma mão mostrando o dedo.
E pobre só leva dedada;
Quando vê isto tem medo.

fernando.caldas@bol.com.br

PERFEITO TRABALHO


George Montenegro Soares, é assuense.

NOTA - MAROQUINHAS

Há poucos dias atrás postei um comentário da ex-prefeita do Assu Maria Olimpia Neves de Oliveira - Maroquinhas, sobre a sociedade assuense. Para minha alegria, ao abrir a minha caixa de e-mail, deparo-me com um comentário do poeta potiguar do Assu, *João Celso Neto, sobrinho de Maroquinhas, que diz assim: "Fernando - Lendo seu blog na semana passada (leio quase todos os dias, pois encontro sempre novidades), deparei-me com a menção Titia (Maria Olímpia
Olímpia/Maroquinhas, imprimi e levei para ela. Ela leu e gostou bastante, tendo pedido para lhe agradecer. Não sei exatamente por que, mas noto que alguma manifestação minhas no blog não aparecem ("comentários"), razão pelo qual estou lhe mandando por e-mel, para, se quiser, incluir lá. Forte abraço, e continue resgatando a memória do Açu."

*João Celso é advogado em Brasília.

POESIA

MENSAGEM UNIVERSAL

Maldita a mão que empunhol primeiro
As armas e a Bandeira da Discórdia;
E, no momento estremo, derradeiro
Vibrou o golpe de Misericórdia.

Maldito, o que partiu como guerreiro,
Semeando a semente da Mixórdia
E aquele que serviu de sinaleiro
Para afastar dos homens a Concórdia.

Benditos sejam os olhos que perdoam,
Os lábios que unem... que se beijam,
As mãos humildes que nos abençoam.

Bendita a Paz sublime e Redentora!
Benditos os pensamentos que vicejam
Em prol da humanidade sofredora.

Renato Caldas

Sei dos teus novos amores  Tudo timtim por timtim;  Dizes, que tal... e que não;  Eu sei, que tal... e que sim.  Sei que déste aos teus...