terça-feira, 31 de agosto de 2010

CADEIA PRODUTIVA DA CARNAUBA SERA DISCUTIDA NO RIO GRANDE DO NORTE

A cidade do Assú será anfitrião, hoje, 31 de agosto, de um acontecimento que envolverá representações de várias entidades e instituições.
Trata-se da reunião de divulgação de políticas públicas direcionadas para a cadeia produtiva da carnaúba no território do Jaguaribe/Açu.
Segundo a informação do secretário, o encontro está sendo articulado pelo grupo gestor da cadeia produtiva da carnaúba, âmbito do citado território.
A reunião técnica em Assú será hoje, dia 31, das 8h às 11h, nas dependências do auditório do Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) local. Ainda na terça-feira, entre 14h30 e 17h30, idêntica programação acontecerá na cidade do Apodi.
A agenda prosseguirá amanhã, 1º de setembro, com a realização de dois outros encontros semelhantes: 9h às 12h tendo lugar à sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Russas (CE); e, das 14h30 às 17h30, na sede do Sistema Nacional de Emprego (Sine), na cidade de Aracati (CE).
O secretário Clebson Corsino antecipou que o conteúdo das reuniões é o mesmo em cada município. "A participação do prefeito Ivan Lopes mostra a atenção do seu governo com a questão das cadeias produtivas", declarou.
O Grupo Gestor da Cadeia Produtiva da Carnaúba foi criado em consonância com o Plano Nacional para Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade (PNPSB), como uma estratégia para conciliar o desenvolvimento econômico da cadeia produtiva da carnaúba com a conservação do meio ambiente e a inclusão social e produtiva dos povos e comunidades tradicionais e agricultores familiares.
O objetivo geral é desenvolver ações integradas para a promoção e fortalecimento da cadeia de produtos da carnaúba, com agregação de valor e consolidação de mercados sustentáveis.
CRONOGRAMA
O itinerário da reunião começará com uma explanação sobre o Plano Nacional de Promoção dos Produtos da Sociobiodiversidade; exposição sobre a Política de Garantia de Preço Mínimo, a cargo da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab); exposição sobre Pronaf e Declaração de Aptidão ao Pronaf, a cargo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf); exposição sobre o Programa de Microcrédito do BNB, a cargo do Banco do Nordeste do Brasil (BNB); e discussões sobre os temas apresentados.

O Mossoroense

Operação Piranhas-Açu: Ibama fecha lixões e embarga tecelagens no Seridó


O Ibama realiza desde as primeiras horas desta terça-feira (31) uma mega-operação para fiscalizar o cumprimento de Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) firmados com 15 prefeituras municipais da região cortada pelo rio Piranhas-Açu. Foram fechados lixões, matadouros e abatedouros e embargadas tecelagens, estamparias e tinturarias. Um balanço da operação, batizada de Piranhas-Açu, deverá ser divulgado à tarde.

Segundo a assessoria de imprensa do Ibama, os TACs foram assinados no ano passado. No documento, as prefeituras se comprometaram a se adequar às normas ambientais vigentes no país. "Quem não se adequou, será fechado ou embargado e ainda será multado", disse a assessoria.

A ação está concentrada na região do Seridó, principalmente nos municípios de Jardim de Piranhas e Caicó, e visa combater a poluição do rio Piranhas-Açu. O Ibama já vinha orientando as empresas sobre a necessidade de licenciamento ambiental e controle dos efluentes lançados nos córregos e rios.

Tribuna do Norte

sábado, 28 de agosto de 2010

Ei! Sorria...

Mas não se esconda atrás desse sorriso...
Mostre aquilo que você é, sem medo.
Existem pessoas que sonham com o seu sorriso,
assim como eu.
Viva! Tente!
A vida não passa de uma tentativa.
Ame acima de tudo, ame a tudo e a todos.
Não feche os olhos para a sujeira do mundo,
não ignore a fome!
Esqueça a bomba,
mas antes,faça algo para combatê-la,
mesmo que se sinta incapaz.
Procure o que há de bom em tudo e em todos.
Não faça dos defeitos uma distancia,
e sim, uma aproximação.
Aceite! A vida, as pessoas,
faça delas a sua razão de viver.
Entenda!
Entenda as pessoas que pensam
diferente de você,
não as reprove...
Olhe a sua volta, quantos amigos...
Você já tornou alguém feliz hoje?
Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo?
Ei! Não corra.
Para que tanta pressa?
Corra apenas para dentro de você.
Sonhe!
Mas não prejudique ninguém e
não transforme seu sonho em fuga.
Acredite! Espere!
Sempre haverá uma saída,
sempre brilhará uma estrela.
Chore! Lute!
Faça aquilo que gosta,
sinta o que há dentro de você.
Ouça...
Escute o que as outras pessoas têm a dizer
é importante.
Suba...
faça dos obstáculos degraus
para aquilo que você acha supremo,
Mas não esqueça daqueles que
não conseguem subir a escada da vida.
Descubra aquilo que há de bom dentro de você.

 Charles Chaplin

ASSU TERÁ INTERNET BANDA LARGA

Assú será um dos sete contemplados do Rio Grande do Norte com o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) do Governo Federal. O anúncio foi feito ontem pelo presidente da Telebrás, Rogério Santanna, que anunciou a lista das 100 primeiras cidades que serão conectadas à internet rápida no Brasil.

A estimativa do Governo é oferecer o serviço de banda larga por, no máximo, R$ 35,00 ao mês. A Telebrás deve lançar até setembro os primeiros editais para aquisição de equipamentos e serviços referentes à operação da rede do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Escrito por juscelinofranca

"Ei! Sorria..."

O ÚLTIMO DOS MOICANOS


Iniciado em 17 de agosto, o horário eleitoral gratuito, trouxe pra telinha, as figuras bem conhecida do cenário politico regional e outros anonimamente revelados pela virtual imagem estado afora.

Existe de tudo um pouco, desde os detentores de mandatos acostumados com os efeitos da luzes cameral, aos estreantes, alguns revelando potencial nato, exibindo suas caracteristicas folclóricas, emblemáticas e irreverentes.

Os varzeanos já viram e ouviram mensagens dos conterrâneos: Tião da Lanchonete, George Soares, professora Neide, Juscelino França e Dênio Silveira.

Resta aparecer um assuense bem antenado com a cultura e tradição dos costumes da ribeira povincial do rio Açú/Piranhas. Aguarda-se que a próxima grade do horário politico, traga inserido a presença de Fernando Caldas - PPS, o popular Fanfa.

Escrito por aluiziolacerda

LINDA FLOR ESTÁ DE LUTO

A comunidade de Linda Flor municipio de Assu está de luto com o falecimento aos 70 anos de idade do ex-vereador Osmar Batista da Silva, tendo exercido cinco mandatos parlamentares na terra dos poetas. O corpo após ter sido velado na Cãmara Municipal de Assu, teve o esquife transladado para sua comunidade de nascimento, onde está sendo visitado para em seguida ter seu sepultamento na manhã deste sábado.

O blog envia aos seus familiares, cumprimentos de pesar pelo óbito do ex-vereador, figura distinta e bem conceituada, com grande ciclo de amizade feita em Assu e municipios adjacentes.

Escrito por aluiziolacerda às 07h39

NOTA DO BLOG:

Osmar Batista da Silva. Eu fui vereador com ele durante seis anos. A ele, Osmar, eu devia uma grande gratidão e tinha simpatia. Ele na qualidade de vereador do PMDB, votou em meu nome para presidente da Câmara Municipal do Açu (biênio 1985-86). A notícia da sua partida (que tomo conhecimento através do BlogdeAluízioLacerda) me deixa entristecido. Aos seus familiares e amigos o meu abraço solidário.

Fernando Caldas - Fanfa

DORIAN GRAY EXPÕE NA INAUGURAÇÃO DA GALERIA PROJETTARE

O artista plástico Dorian Gray Caldas abre uma série de exposições que serão realizadas na Galeria Projettare, que será inaugurada nesta quinta-feira, 02 de setembro, às 20h. A galeria está localizada na avenida Engenheiro Roberto Freire, 3080, Capim Macio.

O consagrado artista, que aos 80 anos continua com uma produção febril, irá expor pinturas de suas várias fases, inclusive algumas da década de 1950 que ele acaba de restaurar. Dorian Gray é reconhecido internacionalmente pela sua obra, que inclui tapeçaria, cerâmica, escultura e desenho. Ele também é escritor com vários livros publicados e membro da Academia Norteriograndense de Letras.

Sobre Dorian, o escritor João da Mata Costa escreveu: “Dorian é um artista do seu tempo e tudo foi registrado nas suas telas e aquarelas, São casarões antigos, engenhos de açúcar, camponeses e vilas populares imortalizados na arte desse artista genial”.

A Galeria

A Galeria Projettare foi concebida por um grupo de arquitetas para receber os apreciadores das artes plásticas de forma confortável, com iluminação planejada e vários ambientes que recebem obras que partem de um ponto central da exposição. Sem dúvida, uma inovação para tornar as exposições que ocorrerão ao longo do tempo agradáveis de serem apreciadas.

Serviço

Exposição de Dorian Gray Caldas
Inauguração da Galeria Projettare
Dia: 02 de setembro de 2010
Hora: Coquetel às 20h.
Endereço: Engenheiro Roberto Freire, 3080, Capim Macio, Natal RN.
Telefone para entrevistas com Dorian Gray: 3212-1001

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

DIO COME TI AMO


Este filme rodou dezenas de vezes na telinha do Cine Teatro Pedro Amorim, de Açu entre 1967, 68, 69. Lembra a minha adolescência prazenteira e feliz naquela inteleigente, importante cidade, celeiro de moças bonitas.

VELHOS CARNAVAIS DO AÇU


Esquerda para direita: Edgarzinho e Nice Montenegro, Edmilson da Silva, Roberto de Carvalho e Dilma.
Aida de Sá Leitão e João Samuel Fonseca.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Poeta Paulo Varela no Programa do JÔ (PARTE 02)

IPANGUAÇU RECEBE PROJETO ÚTERO É VIDA

A cidade de Ipanguaçu recebe nesta sexta-feira (27) a visita do Projeto Útero é Vida, promovido pelo Sistema Faern/Senar e que visa levar para as mulheres do campo exames preventivos contra o câncer no colo do útero. Um projeto de sucesso nacional que desenvolve, também, a auto-estima da mulher, pois, ao fim dos encontros ocorre a distribuição de kits de beleza para as produtoras rurais.

O projeto é uma iniciativa da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e que conta com a parceria das federações de agricultura do país. Aqui no estado, o Sistema Faern/Senar desenvolve toda a logística dos trabalhos.

“No Rio Grande do Norte, a Faern/Senar tem a meta de promover oito programas em 2010. Os exames contribuirão para uma melhor prevenção por parte das mulheres do campo. Fora isso, elas ainda vão passar por um dia de beleza, com manicure e cortes de cabelo”, ressaltou o presidente do Sistema Faern/Senar, José Álvares Vieira.

Cidades

Ainda em 2010 outras edições do Útero é Vida serão promovidas no Rio Grande do Norte. As cidades de Jucurutu, Apodi, Serra Negra do Norte, Lajes, Santo Antonio, Mossoró e Patu serão as próximas contempladas com o projeto.

180 exames

Em Ipanguaçu, o projeto Útero é vida realizará cerca de 180 exames de prevenção contra o câncer do colo uterino das mulheres do campo.

“Será uma boa oportunidade para essas mulheres. Uma bateria de exames que muitas delas nunca fizeram, ou por falta de condições financeiras ou por morarem longe das grandes cidades”, finalizou Vieira.

--

Eco Imprensa
Leonardo Sodré
9986-2453
João Maria Medeiros
9144-6632
http://www.ecoimprensanatal.blogspot.com/
ecoimprensamarketing@gmail.com

NOTÍCIAS

Assú planeja realizar maior competição de futsal do RN

Equipe Dez

O ano esportivo vai ser encerrado com um grande evento de futsal na cidade. O município de Assú se prepara para sediar a competição que promete se firmar como maior atração do futsal do Rio Grande do Norte: o Assú Open de Futsal. O evento acontecerá entre os dias 06 e 16 de dezembro.

Vários são os atrativos que fazem crer no sucesso da competição. A Tatutom Sport, promotora do evento, já firmou parcerias com a Rádio Princesa do Vale (única emissora que transmite os jogos do Campeonato Estadual de Futsal), para transmissão de todos os jogos, e com a TV União para cobrir a final. Além disso, terá o suporte da empresa Jogando Sports, para planejar o marketing e a comunicação da competição.

O evento será de caráter interestadual e oferecerá cinco mil reais em prêmios. Equipes como Cruzeiro de Assú, que disputa o Campeonato Estadual de Futsal, o Baraúnas, que engrandece o evento com a sua tradição e ainda deve levar diversos mossoroenses para Assú, e a Seleção de Limoeiro do Norte, uma das cidades mais fortes em futsal no Nordeste, já estão confirmadas no Assú Open.

O gestor do evento, Lucílio Filho, acredita demasiadamente no sucesso da competição, já que a cidade de Assú já abraçou o evento. “Assú tem tudo para se tornar a capital potiguar do futsal. Todo jogo do Campeonato Estadual de Futsal faz o ginásio ficar lotado. Além disso, durante muitos anos, nós realizamos o Máster Princesa de Futsal e paramos para evitar riscos de acidente, já que as pessoas tentavam de todas as formas entrar no Ginásio da AABB quando já não haviam mais vagas. Hoje temos o Ginásio Arnóbio Abreu que pode receber milhares de pessoas”, comentou Lucílio.

Lucílio afirma ainda que espera confirmar mais equipes de destaque nos próximos dias. “O Máster Princesa chegou a receber até Fininho e outros jogadores da Seleção Brasileira. Estamos trabalhando forte em termos de mídia para trazer mais uma vez atletas de alto nível”, salientou.

Fonte: Assessoria de Imprensa

terça-feira, 24 de agosto de 2010

DJALMA MARANHÃO

DJALMA MARANHÃO: MORTE E PAIXÃO

Celso da Silveira

Para atender a um convênio com a Prefeitura Municipal de Natal, o Instituto de Pesquisas Sociais Juvenal Lamartine, da Fundação José Augusto, me solicitou um depoimento sobre o homem público Djalma Maranhão, que foi prefeito de Natal de fevereiro de 1956 a dezembro de 1958 (nomeado pelo governador) e de novembro de 1960 a 2 de março de 1964 (prefeito eleito). Deposto pela Revolução de 31-03-64, foi preso e deportado para Fernando de Noronha.

Eis a seguir o que posso afirmar com certeza, por conhecimento próprio, porque fui seu auxiliar na administração, servindo nos cargos de chefe de Gabinete, diretor da Fiscalização, diretor do Ensino (ele instalou o Ginásio Municipal João XXIII e a Escola Municipal de Comércio), diretor da Secretaria de Negócios Internos e Jurídicos, oficial de Gabinete, diarista de obras e assessor de divulgação, além de permanente e assíduo companheiro em suas vilegiaturas diárias a todos os pontos da cidade.

Djalma Maranhão foi um apaixonado pela sua Cidade do Natal. Foi esse grande amor maior que lhe deu inspiração para superar a si mesmo como administrador.

Com recursos limitados patenteou o pioneirismo administrativo em vários setores: introduziu o ensino não convencional com programa “De Pé no Chão Também se Aprende a Ler” (cujo nome surgiu por acaso, dentro do seu Gabinete, quando se discutia a estrutura e o modus faciendi das escolinhas, por palpite do jornalista Expedito Silva, que trabalhava no jornal de Djalma (Folha da Tarde). Restaurou as manifestações da cultura popular, prestigiando os folguedos tradicionais e foi o doador do terreno da sede da Sociedade Araruna de Danças Antigas nas Rocas, cuja solenidade de lançamento da pedra fundamental eu o representei. Construiu a Concha Acústica, a Galeria de Arte e a Biblioteca Pública, que funcionaram na Praça André de Albuquerque; estimulou o teatro popular fazendo encenar na mesma praça o Auto da Cidade do Natal (cantorias de Frei Marcelino de Santana, do Convento Sto. Antônio). No elenco estavam Edson Lyra, Wilson Maux e eu. Deu ênfase à cultura, realizando feiras de livros, congressos de escritores, instalando a Diretoria de Documentação e Cultura, por onde se aposentou como Diretor.

Quando Natal ia só até a Av. Alexandrino de Alencar, ele já estendia a ação da Prefeitura à periferia, ajudando a instalação da Clínica Pedagógica Heitor Carrilho e, depois instituindo a Semana do Excepcional, através de decreto.

Criou a Sociedade Amigos dos Bairros (seria o precursor dos atuais Conselhos Comunitários). O primeiro asfalto lançado numa rua da cidade foi em sua administração. Restaurou praças, dotando-as de fontes luminosas (muito antes de Jayme Lerner dotar Curitiba deste equipamento). Foram seus os primeiros passos para a construção do Machadão e a ele se deve o primeiro ginásio coberto - o Palácio dos Esportes Djalma Maranhão, e o primeiro Terminal Rodoviário da cidade no bairro da Ribeira.

Fez as galerias pluviais da Av. Afonso Pena, construiu os primeiros metros de muro de arrimo da Av. do Contorno. Começou o revestimento à pedra do Canal do Baldo e deu início à Via Costeira, criando um acesso à Praia de Miami (final de Areia Preta). Deu todo o apoio à formação do Horto Florestal e criou as primeiras hortas municipais. Como ‘ecologista’ (não havia essa nomenclatura) encetou a campanha ‘Um coqueiro em cada casa’, incentivando o plantio de árvores pela população.

Foi Djalma Maranhão que, com sua criatividade, botou na rua um trator com caçambas atreladas, para coletar o lixo, antes dos carros kukas e dos basculantes.

Criou o Coral da Cidade do Natal - 1º do gênero aqui surgido (regência do maestro Garibaldi Romano). Criou o serviço de documentação, que foi o embrião de um museu da cidade, onde locou um acervo numeroso de peças de Chico Santeiro (o artesão era visitado freqüentemente por Djalma Maranhão em sua casa de Areia Preta e foi Djalma que construiu e doou uma casa ao saudoso Chico). Prestigiou Zé Menininho (sanfoneiro, autor da música ‘Caixão de Gás’) e Caldas Moreira, que dominava os arraiás folclóricos da cidade com pastoris, bambelôs (os mais famosos eram o de Guedes e o de Calixto) e cuidou do Ciclo Natalino, instituindo concursos de vitrine, melhor árvore de Natal, além de exibição em palanques de Bumba-Meu-Boi, Congos de saiotes e de calçolas e a famosa Festa de Iemanjá, com a participação dos terreiros de umbanda. No São João ia a todas as quadrilhas.

Comparecia à da Vila Teixeira (a mais famosa da época) e as das ruas Antônio China, Aristides Lobo e Clóvis Bevilaqua, em Lagoa Seca, onde ia dançar no meio do povo. Prestigiava o Carnaval, realizando bailes populares (no Teatro Carlos Gomes, depois no Palácio dos Esportes), acompanhando o Rei Morno (Paulo Maux, Severino Galvão, Luizinho e Zé Areia), organizando comissões julgadoras e a Federação Carnavalesca (Joaquim Victor de Holanda foi um dos mais atuantes presidentes com a sua experiência de ex-presidente do Brasil Clube) e comparecendo ao Baile dos Cronistas Carnavalescos (ex-presidente: eu, Berilo Wanderley, Benivaldo Azevedo, indo ao palanque para ver o desfile de índios, escolas de samba, sociedades Jardim de Infância, Os Cafajestes, Sputnik).

Todos os anos ia à Taba dos Guaranis beber ‘cauim’ com o Cacique Bum-Bum. No seu Gabinete da Prefeitura se fundou a Associação dos Cronistas Carnavalescos, comigo, Berilo, Woden, Adalberto, Chagas, Paulinho Oliveira, Serquiz Farkatt, Benivaldo Azevedo, Expedito Silva, a quem cabia escolher a Rainha do Carnaval (Socorro Gurgel, ex-miss RN foi uma delas) e realizar o Baile dos Cronistas, no aeroclube, todos os anos, sendo esta festa a abertura oficial da temporada carnavalesca da cidade.

Sua presença se fazia sempre ativa nas Cheganças, Fandangos (apresentados nas Festas dos Santos Reis, na Limpa), Bambelôs, Pastoris, Danças Antigas (Araruna, Jararaca, Caranguejo). Resgatou o Forte dos Reis Magos, relegado ao abandono, realizando um festival com a presença do beneditino D. Nigris, especialista de histórias das fortificações portuguesas no Brasil, e Câmara Cascudo.

Nesses eventos havia sempre a presença de alguém com renome nacional, como Jorge Amado, Eneida Morais, José Condé, Ênio Silveira, Dinah Silveira de Queiroz, Waldemar Cavalcanti, Milton Pedroza, Ascenço Ferreira, Mauro Motta, Marli Motta, Waldemar de Oliveira, teatrólogo Isaac Gondim Filho e vários outros.

Seu pioneirismo se manifestou em todas as frentes: realizou o Festival da Lagoa Manoel Felipe, iniciou o teatrinho do Alecrim, instalou o primeiro telefone público, no bairro das Rocas, largo da feira; abriu uma Feira de Livros na Praça Kennedy, então Praça da Imprensa, e reuniu cantores de viola num Festival de Violeiros, no Teatro Alberto Maranhão, no qual o violeiro José de Souza, adolescente, estreou com 17 anos de idade. Em sua administração surgiram os bairros Alto da Aparecida, atual Mãe Luíza, e Brasília Teimosa, que tomou o lugar de um loteamento que o prefeito tinha marcado e foi proibido pela Lei de Servidão do Forte. Também é do seu tempo, as demarches para construção do Cemitério Bom Pastor, do Canal e Centro Comercial das Rocas, acesso à igrejinha do bairro.

Foi ele quem restaurou o policiamento ostensivo denominado Guarda Montada Joca do Pará, cujas armas - espadas e lanças acham-se no almoxarifado da PMN, algumas ornamentando o Gabinete do prefeito. Prestigiou pintores, poetas, seresteiros, folcloristas, cantores da velha guarda e associações de estudantes - Centro Estudantil (presidido pelo jornalista Serquiz Farkatt) e a Associação Norte-rio-grandense de Estudantes (presidida por Érico de Souza Hackradt).

Djalma Maranhão foi um homem múltiplo e sempre presente.

Como político foi deputado estadual e como tal, autor do projeto de autonomia política da capital (no seu Gabinete havia uma placa com os dizeres: "Aqui vencemos a batalha da autonomia"). Depois de deputado e prefeito eleito, foi deputado federal, com reconhecida atuação nacionalista, tendo abordado, em seus discursos parlamentares, questões do algodão, pesca, sal, minérios e da invasão das multinacionais na economia brasileira.

Fez campanha, ao lado de Edna Lott, pela eleição do general, Henrique Dufles Teixeira Lott, ex-ministro da Guerra do conterrâneo e correligionário Café Filho, que sucedeu Getúlio Vargas na presidência da República.

Teve posições patrióticas na votação do caso do Vidro Plano, que foi um dos grandes escândalos deste país na época. Ele votou contra o monopólio do Vidro Plano que se queria entregar ao então deputado-empresário e multimilionário Sebastião Paes de Almeida, representante de Minas Gerais (o projeto visava colocar nas mãos do deputado mineiro o monopólio do fornecimento de vidros para construção de Brasília, o que levantou suspeitas de uma negociata memorável). Neste caso, Djalma rejeitou uma proposta de suborno por alta quantia que lhe foi oferecida por intermédio de um parlamentar potiguar, no apartamento do Rex Hotel, onde se hospedava no Rio de Janeiro, episódio que testemunhei e sei a quantia oferecida, o mandante e o ofertante (que por sinal ainda é vivo e atuante na política do Estado).

Como jornalista, DM era virulento, corajoso. Foi diretor do Jornal de Natal, fundado por João Café Filho, e da Folha da Tarde e um dos fundadores do Diário de Natal. No jornalismo e no corpo-a-corpo era combativo e forte, pois fora lutador de boxe e professor de educação física do velho Atheneu Norte-rio-grandense. Como boxeur foi o segundo no ranking estadual, só perdendo para Manu Celestino, do Açu, que lhe quebrou o pau da venta numa luta no Cine Teatro Pedro Amorim, naquela cidade. Ficaram célebres suas brigas corporais com Romildo Gurgel e Erivan França e sua rusga com D. Eugênio Sales, arcebispo metropolitano.

Não posso deixar de registrar que foi no Rex Hotel que DM me apresentou ao seu amigo Aparício Torelli - o Barão de Itararé - antigo diretor do jornal humorístico A Manhã, que já não existia ao tempo do meu conhecimento com ele.

Djalma Maranhão sempre fez as coisas com paixão pelas coisas. Foi sempre mais um amador, do que um profissional. Fazia, pelo gosto de fazer. Não pensava em glória, nem em ficar na história, para a qual entraria no futuro, sem favor nenhum. Era um voluntarioso, quando se convencia da sua verdade. Nunca se submeteu ao poder autoritário de ninguém.

Sem canivete no bolso, sem sequer uma espátula dessas de abrir folhas de livros, teve coragem de desafiar o comando geral da Revolução de 64, instalando o seu QG da Resistência na Prefeitura, e disso deu ciência ao coronel Mendonça Lima, que substituía o general Ornar Emir, comandante da ID7 e Guarnição de Natal, no momento gozando férias.

Pode ter sido um CLOW chapliniano, mas nunca um funâmbulo. Resistir, resistiu. Resistiu como pôde: não se acovardando, não aderindo, não abrindo as pernas.

Morreu no exílio, sustentando o estandarte de suas bandeiras.

Morreu de muito sofrer, de saudades, não de outros padecimentos.

Nisso ele converteu a sua cidade - em sua paixão e morte.



________

Artigo publicado na Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Volume LXXXVII, Anos1994-95-96, Natal-RN, 2001, págs. 19-23.

Postado por José Ozildo dos Santos

sábado, 21 de agosto de 2010

POESIA POTIGUAR

Walflan de Queiroz [ in O livro de Tânia, 1963 ]

Eu venho de uma montanha, Tânia.
De uma montanha de fogo e de sombras,
De fogo como o sol e de sombras como a noite.

Venho de um vale, Tânia.
Um vale com mil flores brilhantes.
E todas estas flores eram tuas.

Venho de uma floresta, Tânia.
Uma floresta com apenas um pássaro.
Um pássaro azul como as águas do rio.

Venho de um lago também azul, Tânia.
Um lago tranquilo e sem rumores,
Com cisnes brancos, cisnes selvagens,

Selvagens como meu amor.
Eu venho do mar, Tânia.
Um mar sem praias e sem gaivotas,

Com uma ilha de carne,
E com o sangue de uma estrela.
Venho do deserto quente, Tânia.

Um deserto com ventos de areia,
E com monumentos que são sepulcros,
Onde enterro a minha solidão.

EXPORTAÇÃO DE FRUTAS COMEÇA NO RN


CMA CGN é uma das responsáveis pela exportação de produtos através de navios pelo porto

Ricardo Araújo - repórter de Economia

O Rio Grande do Norte dará início ao ciclo de exportações 2010 neste final de semana. O navio francês Marfret Guyane atracará no porto de Natal hoje para dar início ao carregamento de frutas rumo à Europa. A Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern) estima um incremento de 20% em relação ao volume de contêineres embarcados no ano passado. As melhorias realizadas no Porto contribuirão para o aumento no índice da pauta de produtos exportados pelo estado.

Adriano Abreu

CMA CGM é uma das responsáveis pela exportação de produtos através de navios pelo portoO auge da safra de frutas ocorre entre os meses de outubro e fevereiro. Até o final da safra, 27 embarques estão programados, sendo um por semana. A produção de frutas a serem exportadas vêm de cidades localizadas no Vale do Açu e região Oeste. Os itens embarcados incluem: banana, melão, melancia, uva, mamão e caju.

Em 2009, houve uma movimentação de 10 mil contêineres no porto de Natal. Para este ano, a expectativa é que o volume aumente em 500 contêineres após os serviços de ampliação da pista do porto. O crescimento vertical possibilitou a ampliação da retro-área (área destinada às operações de carga e descarga das carretas), local onde se empilham as caixas metálicas que chegam das fazendas produtoras de frutas.

Após a reforma, a área de carga e descarga funcional do porto chegou a mil metros quadrados. Ou seja, o triplo do espaço que os trabalhadores tinham até antes da ampliação da pista. Além disso, novos produtos foram adquiridos para dar agilidade ao processo de carregamento dos navios. Mais uma balança foi comprada, o que facilita a liberação das carretas.

Os portões sul, norte e central do porto estão disponíveis para a entrada e saída dos carregamentos. Com isso, estima-se que o tempo compreendido entre o preenchimento da documentação até a liberação da carga pós-descarregamento seja reduzido. Objetiva-se a otimização da logística, acima de tudo.

O número de máquinas para movimentação de cargas subiu de duas para três. Elas funcionam como empilhadeiras que descarregam os contêneires das carretas e empilham numa área próxima ao navio, para que dali o guindaste leve a caixa até o navio.

No Rio Grande do Norte, a união das empresas CMA CGM Group e Marfret, originou a Join Venture que se encarrega de viabilizar a saída semanal dos navios rumo à Europa. A viagem do porto de Natal ao porto de Rotterdam na Holanda, dura em média 12 dias. A empresa CMA CGM Group é dona do terceiro maior navio cargueiro do mundo.

A previsão de saída do navio para a Europa é o domingo pela manhã. O carregamento será feito durante todo o dia de hoje e na madrugada do domingo. Após a conclusão dos serviços de carregamento e conferência dos documentos do navio e da carga, o cargueiro estará liberado para partir.

Vendas do melão sofrerão queda de 10%

Com o fim da produção de melão no Ceará pela empresa Del Monte, o presidente do Comitê Executivo de Fitossanidade (Coex), Wilson Galdino, prevê uma queda de 10% na exportação da fruta que também sai pelo Rio Grande do Norte. “A Del Monte produz hoje apenas banana e abacaxi. A exportação do melão será afetada pelo fim da produção pela empresa”.

Segundo Galdino, a Del Monte decidiu parar a produção de melão devido às sucessivas quedas do dólar no ano passado, estendendo-se até 2010. Além disso, uma diminuição do consumo nos países importadores influenciou na decisão. No Rio Grande do Norte, a produção de banana nanica pela empresa ocupa uma área de mil hectares no Vale do Açu.

Reforma

Visando um aumento das exportações a partir de 2010, o governo financiou, junto com parceiros, uma reforma no porto de Natal. Galdino analisa as melhorias positivamente. “As mudanças foram e são importantes. Precisamos continuar evoluindo e o governo precisa investir mais no porto”. Apesar da ampliação para mil metros quadrados de área para carga e descarga, as empresas de navegação preferem o porto de Pecém, no Ceará. A eficiência dos serviços prestados naquele porto são um dos fatores que despertam o interesse das empresas de navegação.

“A liberação de cargas, a logística do porto num todo se sobressai em relação ao RN”, enfatiza Galdino. Ele complementa que o ano de 2010 será difícil para a cultura do melão, um reflexo da queda do dólar. Os produtores apostarão, a partir de agora, no mercado de consumo nacional.

(Tribun do Norte, 21.8.010)

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

II SEMANA CULTURAL DE PARNAMIRIM



Não deu par ir a Parnamirim prestigiar os artistas plásticos açuenses Edmilson Antonio da Silva (Didio), Cecília e Iuri Barbalho. Deixei para ir hoje, última dia de exposição que começou no dia 18 passado. Porém, ocorreu um imprevist. Parabéns aos artistas açuenses de Parnamirim.

JUSCELEINO FRANÇA, RENATO CÉSAR E FERNANDO CALDAS - FANFA, GERAM EXPECTATIVA NO HORÁRIO ELEITORAL GRATUITO AO ELEITOR VARZEANO



Tião da Lanchonete (Federal), George Soares (estadual -PR), hoje o rádio e a televisão estão veiculando imagem de Toinho do Frutilândia PSDB e Francisca Neide do PCdoB para estadual, resta ao eleitor varzeano esperar a vez de Juscelino França trazendo o gemido e o clamor do eleitor varzeano e potiguar. Mais duas postulações regional estão na linha de expectativa: Renato César do PCdoB e Fernando Caldas o popular Fanfa - PPS, pleiteando vagas na assembléia Legislativa.

O trio beradeiro vive uma ansiedade fora do comum, aguardando sua vez de ficar cara a cara com o eleitor.

Estas tres opções genuinamente varzeana, ainda não apareceram nas ondas do rádio nem na telinha da TV. Certamente nas próximas edições.

Escrito por aluiziolacerda às 09h10

RENATO CALDAS

O velho poeta Renato Caldas (sentado) com admiradores, já no final de sua vida esbagaçada e feliz. Ele é o autor da famosa quadrinha que certa vendedora de leguma lhe pedira pra que ele fizezesse para ajudá-la a vender sua batata doce que sencontrava encalhada na feira livre do Açu. Ele então escreveu:

Batata rainha prata
É dessa que o povo gosta
Um quilo dessa batata
Dá bem vinte quilos de bosta.

EDITAL DA ZPE DO SERTÃO SERÁ LANÇADA NA PRÓXIMA SEMANA

O edital para a concorrência e escolha da empresa que vai gerir a Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Vale do Açu estará disponível a partir do dia 28 para os interessados em participar do processo. Porém, o documento ainda depende da análise do Tribunal de Contas da União (TCU) para definir qual o modelo de gestão da área: concessão ou licitação. No módulo concessão, o direito de exploração é repassado a entes privados mediante condições pré-definidas e o pagamento de taxas e impostos específicos. Através da licitação a empresa que oferecer maiores vantagens ao governo, será escolhida para explorar os serviços.

Marcelo Barroso

Prefeito Ivan Júnior, de Assu, espera que até o final da semana análise do TCU esteja prontaCaso seja escolhida a primeira modalidade, o prazo final acabará dia 9 de setembro. Se o TCU optar por licitar a administração da ZPE, o prazo expirará no dia 5 de outubro.

“Espero que até o final da próxima semana a análise esteja pronta”, comenta o prefeito de Assu, Ivan Júnior. O projeto da ZPE trará desenvolvimento para as regiões do Vale do Açu e Oeste potiguar. Ivan complementa que algumas empresas nacionais e multinacionais já despertaram interesse em adquirir lotes na região em que o projeto será implementado.
As atividades da zona de exportação variam desde a produção de frutas até a manufatura de eletroeletrônicos. Um incremento na economia potiguar é aguardado pelos gestores com a inserção de indústrias mineradoras na região do Assu. Serão explorados minérios de ferro, calcário e scheelita. Esta última havia perdido mercado para a concorrência internacional desde os anos 80, o que levou a Mina Brejuí ao colapso econômico. Porém, a mineradora retomou a produção em 2005 e objetiva a retomada do crescimento produtivo.

O valor inicial necessário para a viabilização da ZPE está orçado em R$ 17 milhões.

Na terça-feira passada, uma comissão de órgãos públicos visitou a área onde será implantada a ZPE do Sertão. “Constatamos que existe um açude por perto. Quanto à energia, falou-se da instalação de uma subestação para a ZPE. O representante do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) solicitou uma projeção do aumento do tráfego”, explicou o assessor de projetos especiais da ZPE da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Sílvio Yanagawa.

Um dos objetivos a longo prazo da zona produtiva é o emprego de até 50 mil pessoas em 10 anos. Com isso, o êxodo rural irá diminuir consideravelmente. “Natal ganhará com a criação da ZPE. Com empregos aqui na região, os sertanejos não precisarão ir mais para a capital em busca de melhores salários”, frisa Ivan Júnior. Os estudos sobre os índices de empregabilidade e incremento econômico das regiões do entorno da zona exportadora, estão sendo feitos pela Prefeitura de Assu em Parceira com o curso de Economia da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (Uern).

Nordeste

Considerado o maior projeto de desenvolvimento econômico em implementação no estado, a ZPE do Sertão será, junto com a de Jaboatão dos Guararapes em Pernambuco, as únicas do Nordeste. Os trâmites burocráticos da pernambucana estão bem adiantados e o módulo de administração da ZPE escolhido para aquela região foi o de concessão.

Até o momento, o governo estadual não entrou com nenhuma contrapartida. O terreno destinado à construção da zona ainda configura como um descampado, sinalizado com uma placa indicativa de que ali será erguida a ZPE do Sertão.

Transcrito da Tribunado Norte, 20.8.010

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

CARLOS GOMES - UM PEQUENO GRANDE HOMEM

CARLOS GOMES - UM PEQUENO GRANDE HOMEM




Óleo sobre tela de Alice Brandão

“Quem acende uma luz é o primeiro a se beneficiar da claridade”. (G.K. Chesterton)

Ele me diz, com voz muito grave e pousada nas palavras (como o pássaro no fio do telégrafo), que está cansado e desanimado e que agora quer descansar. Escrever suas memórias, talvez, realizar, quem sabe, um velho projeto de gravar um disco com as músicas prediletas, coisas da juventude, recolhidas nos programas da Rádio Poti...

Mas a voz sugestivamente musical que se vale da pauta no imaginário fio, é sem propósito, cavilosa, um lamento, um instante de distração do viés alinhavado da idade. Porque, percebe-se o brilho nos olhos, a firmeza da voz, a severidade com que trata a si mesmo. Até quando pede arrego, esgrima com uma retórica que nada mais é que o repositório das muitas decepções e indignações recolhidas no seu longo caminho de aprendizagem existencial.

Ele está com os braços apoiados no birô do seu escritório e olha, distraidamente, como um cacoete ou uma fuga para divagação, o retrato do seu velho pai. Percebo que desvia o olhar, certamente, permito-me a ilação, para não encarar a expressão de censura, somente captada por sua imaginação, desse notável jurista e homem público que nunca transigiu em questões de princípio, nem fugiu da liça dos bons combates.

Como se dissesse: “Que é isso, meu filho?” Ou não dissesse absolutamente nada e o olhar de censura pesasse mais que as palavras. Sei do que estou dizendo, porque era a maneira como o meu próprio pai me punia – com um olhar de doce censura, tristonho, frustrado, magoado.

No retrato, o desembargador José Gomes confronta a máquina fotográfica com serenidade, com um destemor natural, sem afetações. Talvez quisesse registrar a própria personalidade de homem simples que se conduzia segundo a sua própria essência, não quisesse aparentar algo diferente, distante daquele moço de Taipu, criado para ser um “homem de bem” segundo a cartilha dos antigamentes , especialmente do velho João Gomes.

Seu filho, Carlos Roberto de Miranda Gomes, Carlos Gomes, (Carlinhos para meia dúzia de amigos mais chegados) segue-lhe as pisadas na areia movediça da contemporaneidade, em que os valores se subvertem e a filosofia moderna se alicerça no propósito de “ter” ao invés do “ser”. Mesmo assim, ou talvez por isso, acompanha os passos do pai, evitando justapor às dele, as marcas do seu caminhar, porque embora seguindo as pisadas, marcadas indelévelmente no solo imemorial da mesma cidade onde viveram, com o mesmo norte magnético esmo balizado por Themis, a deusa da justiça, o filho forjou o própria molde, usando a mesma têmpera do pai.

Carlos Gomes é um pequeno grande homem – vou brindá-lo com o mesmo epíteto com que designei o meu pai, porque ele não comporta outra qualificação. De altura modesta, é um transcendente no seu íntimo, fato que compensa a baixa estatura, ou talvez a estatura seja um artifício, um engodo, ou um ato de humildade para não fazê-lo vaidoso por ser quem é.

Não temos uma biografia conjunta de longas jornadas. De fato, demos um com o outro na velha faculdade da Ribeira, quando cursávamos direito. Quando ele ingressou, eu estava no segundo ano. Alguém o apontou e me disse tratar-se do filho do desembargador José Gomes, um dos nossos professores de Direito Civil. E que o novo colega era um rapaz muito estudioso e esforçado. O “esforçado” ficava por conta do encargo adicional de uma ocupação formal no mercado de trabalho e de uma vida planejada para compromissos mais duradouros e efetivos.

Sinceramente, deu-me a impressão de um tipo que chamávamos de “Caxias”, equivalente, hoje, guardadas as proporções de tempo, espaço e recursos tecnológicos, a CDF ou NERD. Talvez tenha sido uma avaliação apressada e algo antipática da minha parte, que, áquela época me ocupava com coisas tão diferentes entre si e tão fascinantes quanto a filosofia existencialista, a literatura, a prática de esportes e as atividades sociais. Como me levei muito a sério na infância e na adolescência, descobrindo quem era e o que pretendia ser, realizava então a minha temporada adolescente, na contramão do meu amigo, um engajado nos batalhões da responsabilidade precoce. Alguém enredado nas malhas do exercício da maturidade enquanto os iguais viviam sonhos infanto-juvenis

Cruzávamos um pelo outro e nos cumprimentávamos formalmente. Éramos diferentes, saídos de mundos diferentes emoldurados, entretanto, pelos mesmos valores morais e intelectuais. Derivávamos. Ele, de criação rígida, disciplinada, cartesiana e positivista. Eu, oscilando entre o autoritarismo compensatório de minha mãe e o liberalismo arroubado do meu pai. Sobretudo no tocante à liberdade de pensamento, no descompromisso com doutrinas e dogmas, não apenas permitido, mas sugerido pelo meu pai, que se admitia materialista e ateu.

Mas, confesso, fascinava-me a postura de uma rigidez sem sossego do meu futuro grande amigo Carlinhos. A sua austeridade, o modo como pontificava entre os seus colegas de turma, sempre senhor de uma opinião ponderada, honesta e clarividente. Ele era estimado e respeitado, embora não cultivasse qualquer estratégia para conquistar uma ou outra posição. Nele essas qualificações eram tão espontâneas como o ato de respirar.

Destacava-se, na sua aparência, uns olhos vivos que pareciam captar tudo numa perspectiva de grande angular; o aprumo formal das suas roupas e uns bigodes negros e bem aparados. Pisava firme e decidido. Notei que tinha o hábito de falar, perscrutando ao seu redor, embora concentrado no interlocutor, como quisesse estar certo das suas possibilidades de defesa contra o imponderável, ou buscasse no vácuo uma linha de raciocínio adequada à argumentação.

Soube que trabalhava no Tribunal Regional Eleitoral, era exímio datilógrafo e dono de uma memória prodigiosa, capaz, por exemplo, de referir qualquer lei, decreto, regulamento ou ato normativo, sem consulta a qualquer texto ou repositório. E também que era casado e pai de uma filha. Já assentado no mundo, embora começasse a planejar a sua carreira.

Depois, os anos de chumbo nos afastaram. Perdi-me na voragem do desencanto e do medo, tolhendo-me, por vontade própria, a ânsia de explorar horizontes e de voar livre por espaços inexplorados. Vi-me, em 1965, no Rio de Janeiro, na Fundação Getúlio Vargas , e, retornando, fui contratado pela Prefeitura Municipal de Natal, no governo de Agnelo Alves, como Técnico em Organização e Orçamento, mercê do curso que fizera na FGV.

Em 1967 graduei-me, abandonando a velha faculdade e a convivência à distância com o meu notável colega.

(Nesse meio tempo, entre o pós-golpe militar e a ida ao Rio de Janeiro, apaixonei-me por uma colega de turma de Carlinhos com quem quase me casei, e ela reforçava a versão corrente que dava conta da inteligência, da aplicação aos estudos jurídicos e da integridade do meu amigo.)

Faço uma pausa providencial e necessária, para confessar que o cansaço existencial que atribuo como cavilação necessária ao meu dinâmico e tenaz amigo, é de fato, meu, genuinamente meu. Talvez tenha havido uma transposição motivada por uma sub-reptícia inveja do denodo e da persistência de Carlos Gomes. Cansei-me, porque me dei conta que o ser humano claudica pelo hábito de perseguir as mesmas imperfeições, e de cometer os mesmos erros. Fataliza-se à danação por conta própria.

Eis que, às vezes falta-me alento para animar os meus filhos, como muitas vezes careci de argumentos convincentes para estimular os meus alunos. Nunca Rui de Haia foi tão citado e o desalento tão incorporado ao leguleio dos desesperançados. O crime e os igualmente importantes e temerários pecados veniais das transgressões são composições triviais, empobrecendo as leituras do jornais e as audiências dos rádios e televisões. As tragédias são banalizadas. Os humanos parecem alimentar-se, como os urubus e os vampiros, da carniça e do sangue. E parecem não se importar com a corrupção e o declínio da moral.

Por isso tive a urgência de publicar uma série de perfis de criaturas que reputo comumente extraordinárias, porque conseguem permanecer pessoas comuns, alçando-se sobre os seus pares por praticarem conduta regularmente exigida pela ética, mas desprezada pela maioria.

É necessário essa amostra de modelagem para asseptizar os monturos de lixo, tonificar as mentes em crescimento e formação com exemplos dos que valem a pena, daqueles que, mesmo em minoria, valem por uma multidão.

Carlos Roberto de Miranda Gomes é um desses, dos mais destacados. Íntegro, no sentido de ser um feixe de fibras morais de incrível resistência, capaz de repelir as agressões fisiológicas dos corruptos e corruptores. Correto, na justa medida em que é capaz de aplicar a dosagem certa para cada uma das patologias sociais enfermiças e o justo incentivo à sanidade cívica.

É leal. Os que o conhecem, sabem da sua natureza solidária, fraterna, e, sobremodo combativa, quando se ombreia a alguém na veemente defesa das injustas ofensas e agressões. Eis porque a sua mediação é sempre solicitada nos conflitos corporativos e porque as suas opiniões são respeitadas como editos de sapiente jurisconsulto.

Casado há quase cinqüenta anos com a sua vizinha de ascendência italiana, Therezinha Rosso, mantém com a sua consorte uma relação de amor e de amizade, de um companheirismo bem sucedido. Pai de Rosa Lígia (de quem tive a honra de ser professor na UFRN), Teresa Raquel, Carlinhos (que é colega e amigo do meu filho mais velho, Marcos Frederico) e Rocco – todos graduados em Direito - deles recebeu outros filhos, tornando-se pai duas vezes, feito de açúcar candy, com cobertura de caramelo: Raphael, Gabriela, Lucas e Carlos Víctor, Carlos Neto e Maria Clara, que são as suas alegrias.

Família numerosa e unida, coesa, como aquele feixe de varas que o patriarca mandou os filhos quebrarem, sem sucesso, para amostrar o valor da união. Assim também o fizeram o pai, José Gomes e a mãe, Dona Lígia. Seis irmãos solidários: Moacyr, Fernando (falecido), Leda e Elza (que foram colegas de minha mãe no TRE), Socorro e José Gomes Filho (Zézinho).

Que ampliaram o patrimônio familiar com dezoito sobrinhos: José Neto, Flávio, Eduardo, Maria da Graça, Lúcia Maria, Renato, Maria Lígia, Fernando Filho, Clemente José, Gracia Maria, Tereza Cristina, José Júnior, José Henrique, Patrícia, Isaac Bruno, Flávia Luciana, Greenfell Filho, Rodrigo e Daniel.

Quem poderia aspirar uma riqueza maior?

Mantém-se como uma espécie de patriarca da família, menos por tradição e mais pelo espírito de clã, solidário, disponível, bom ouvinte e conselheiro, é também aquele cujo socorro é solicitado antes do recurso médico-hospitalar. É o enfermeiro experiente, o curandeiro milagroso que às vezes com a simples presença é capaz de afastar as idiossincrasias da saúde e do infortúnio.

É um ser Intelectual que, aproveitando a carona, como eu, segue a orientação de Chesterton quando esse nos adverte que a idéia sem a expressão, é idéia ociosa e a expressão, sem a ação é uma expressão inócua. Somos, permitam-me aproveitar novamente essa circunstância, homens de ação, executivos, embora criadores, contemplativos, líricos – numa definição, operários intelectuais.

Foi assim quando fizemos parceria para a criação do IBTJ, realizando o primeiro curso de direito para os cidadãos leigos; quando promovemos a edição de livros didáticos com metodologia inovadora, para circulação nas nossas turmas de direito da UnP; e foi assim na campanha pelas eleições diretas na OAB, já referida nos perfis de Adilson Gurgel e Paulo Lopo Saraiva.

Filiei-me a ele, a Adilson, o seu maior parceiro, e a Jales Costa. Enriqueci-me com essa adesão. Fortaleci-me porque pude dar vazão às convicções que mantinha reservadas na minha própria individualidade e encontrei identidade e ressonância nos propósitos que perseguia.

Posso, com essa série de perfis, e com o revigorante exemplo de Carlinhos, vivificar o legado de esperanças no futuro da minha terra, esmaecido e débil pelo campear das nulidades e das indignidades impunes. Porque esses modelos são contemporâneos, graças a Deus não integram ainda o “Era uma vez...” para que um cético não se refira aos exemplos como coisa passadista, sem viabilidade para sobreviver no “front” do contemporâneo.

É tão assustadora a conjuntura político-sócio-fiosófica que alguém já me disse que de nada adiantaria o retorno de Cristo, pois ele seria desprezado como visionário e inútil porque não traria teres e haveres, mas apenas palavras...

O tempo embarcou numa espaçonave no então Cabo Canaveral e, vencendo a gravidade e as distâncias, nos pôs frente a frente no Campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no final dos anos setenta, já amanhecendo os oitenta. Éramos, ambos, professores do curso de direito. Ele, vinculado ao Departamento de Direito Público e eu, ao de Direito Privado.

Até chegar ao magistério universitário, ele palmilhou muito chão de barro. O pai, juiz, fez a circunavegância no interior do estado - Angicos, Canguaretama e Macaíba - carregando na carroceria dos caminhões a mobília familiar, pois os magistrados de carreira, vocacionados para a função como o Dr. José Gomes da Costa, residiam nas suas comarcas para melhor atenderem aos jurisdicionados.

Por esta circunstância, atrasou-se nos estudos, embora os pais hajam feito fibras do coração, distribuindo-os entre casas de familiares para que pudessem estudar, já que a itinerância interiorana do pai tolhia tal iniciativa, já que cursavam o segundo grau e não existiam colégios desse nível nas cidades da judicatura paterna.

Fez o primário no Instituto Batista de Natal; o segundo grau no Ginásio Natal e o colegial no Atheneu. Graduou-se em Direito em 1968.

Teve um longo e proveitoso aprendizado no trabalho, realizado desde cedo, por decisão pessoal, consciente das dificuldades financeiras familiares, sem que tal empenho fosse solicitado pelo pai. Determinou-se a coadjuvá-lo na provisão de recursos, pela limitação financeira do ganho paterno – juiz daquela época ganhava pouco, e, se não aceitasse o subsídio dos governos municipais para manter-se independente, o salário acabava mal fosse recebido.

Tornou-se radialista, comerciário e comerciante e depois servidor do Tribunal Regional Eleitoral. De posse do título de graduação, foi Auditor do Tribunal de Contas e integrou o quadro de Procuradores do Ministério Público Especial junto ao mesmo órgão.

Foi o primeiro diretor da Escola de Contas Professor Severino Lopes de Oliveira e primeiro Controlador Geral do Estado do Rio Grande do Norte. Juiz do Tribunal Regional Eleitoral.

Por onde passou, deixou a marca do dinamismo, da correção e da eficiência. Por isso, foi tão requisitado para o provimento de outros cargos, não necessariamente remunerados, mas de suma importância para algum segmento do mister profissional a que se dedicava, a exemplo da Presidência do Núcleo de Estudos Jurídicos da UFRN (NEJUR) e do Instituto Brasileiro de Tecnologia Jurídica (IBTJ), além de integrante de diversas comissões e grupos de trabalho.

Foi Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil e membro do Instituto dos Advogados do Rio Grande do Norte. Integra o Instituto Histórico e Geográfico do RN, União Brasileira de Escritores do RN e a Academia de Letras Jurídicas do RN. Foi agraciado com inúmeras honrarias, dentre as quais destacam-se o título de Professor Emérito e Doutor Honoris Causa concedido pela UnP e a Medalha do Mérito Universitário, concedida pela UFRN.

No entanto, confidenciou-me que, a despeito da gratidão e da honra por haver sido agraciado por homenagens tão significativas e importantes, teria sido a exposição de motivos elaborada pelo então Procurador Geral do Ministério Público Especial, professor Múcio Ribeiro Dantas, encaminhada ao governador Geraldo Melo, para concessão da sua aposentadoria, a distinção que mais o sensibilizou.

Foi Professor do Curso de Direito de quase todas as instituições de ensino superior do nosso estado (UFRN, UnP, FARN, FAL, FACEX, ESA, FESMP e ESMARN). É pós-graduado em Direito Civil e Comercial e em Direito Constitucional.

É convidado como consultor e palestrante para assuntos relacionados com a Gestão Pública e se mantém como colaborador de jornais e revistas, além de coordenar um dos endereços eletrônicos mais acessados do nosso Estado, o “Blog do Miranda Gomes”.

É autor dos seguintes livros: Da remuneração dos vereadores, Oração de despedida, A proteção das minorias nas sociedades anônimas, Cadernos de Direito Tributário* (2 vols.), Lei Orgânica dos municípios do Estado do Rio Grande do Norte*, Licitação – teoria, prática e legislação, Curso de Direito tributário*, Cartilha ABC do consumidor, Da imunidade tributária dos aposentados e pensionistas, Manual de direito financeiro e finanças, Licitação – noções elementares, Testemunhos, Cartilha de gestão fiscal e Traços e Perfis da OAB/Rn.

Primeira inconfidência – Pouca gente sabe, mas Carlinhos é dono de uma voz belíssima, que o tempo não descurou. Desde criança era requisitado para se apresentar em festas e nas rádios natalenses. A primeira vez que cantou em público foi no próprio Instituto Batista de Natal e depois no “Domingo Alegre” de Genar Wanderley.

Em 1950 ganhou o concurso da mais bela voz infantil, conquistando o título de “Campeão Vic-Maltema” e com esse galardão, foi contratado pela Rádio Poti, nela permanecendo até 1954. Integrou o elenco de cantores da Sociedade Artística Estudantil e, gravou duas faixas num disco coletivo com os artistas da Rádio Poti e um disco solo na PRE-9, Rádio Clube do Ceará, onde em certa ocasião foi acompanhado por ninguém menos que Evaldo Gouveia.

Gravou também com o Trio Irakitan. Teve um programa semanal na mesma Rádio Poti, denominado “Almanaquinho Seta”, onde também se apresentavam Agnaldo e Selma Rayol. Prosseguiu com entusiasmo a sua trajetória artística até que o Desembargador José Gomes decidisse realinhá-lo para projetos mais concretos e duradouros, exatamente quando a jovem revelação musical se preparava para vôos mais ambiciosos: havia sido convidado para integrar, como profissional, o “cast” da Rádio Tamandaré de Recife, com a promessa de gravar um disco na indústria Rozemblit, dona do famoso selo “Mocambo”

Mas esta é outra estória, e tão fascinante, que não quero roubá-la do meu amigo, que fica nos devendo um livro cujo título sugiro tomar de empréstimo do cancioneiro Luiz Vieira: “O Menino Passarinho”.

Segunda inconfidência – É de índole pacífica. Conciliador e homem contido pela educação, é daqueles que conta até mil para não perder a paciência, porque antes de tudo respeita a dignidade e a compostura alheia. Mas, depois que excede a milésima contagem, que me perdoem o despropósito da referência, mas não resisto ao meu ímpeto nordestino: é igual a um siri numa lata.

Querem ver um homem valente e destemperado, que se pise no calo de estimação: a sua honra, a sua dignidade pessoal.

Terceira Inconfidência – Há uma passagem de muita singeleza da vida do meu amigo que ele recorda com muito orgulho. Foi quando serviu ao Exército (1959) no 16º R.I, na Companhia de Comando e Serviços - CCS. O comandante do Regimento era Dióscoro Gonçalves Vale, conterrâneo do Seridó, que depois chegou ao generalato; o comandante da Companhia era Milton Freire de Andrade que muitos anos depois comandou a Polícia Militar do nosso estado.

Disse-me Carlos Gomes que no serviço militar aprendeu muito civismo e a idéia de igualdade. R quer, com muita honra foi distinguido com a Medalha Marechal Hermes, de aplicação e estudo, exatamente no dia da inauguração de Brasília."



Sinto-me lisonjeado e honrado por ser seu amigo. A ligação pessoal me engrandece, é referência curricular e certamente afiançará os seus herdeiros que se valerão dos laços co-sanguíneos para atestar a pureza e a excelência da linhagem.



(*) Vic-Maltema era a marca de um achocolatado dos anos cinquenta que concorria com o Toddy e o Nescau.





PEDRO SIMÕES – Professor de Direito (Aposentado) Escritor e Advogado.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

II SEMANA DA CULTURA DE PARNAMIRIM

Durante a II Semana Cultural de Parnamirim que acontecerá entre os dias 18, 19 e 20, a partir das 15:30 até às 21:00 horas na Praça da Matriz em Parnamirim, os artistas pláticos açuenses radicados naquela cidade Edmilson Antîno da Silva, Cecília Barbalho e Iure Barbalho (esposa e filho) de Edmilson (Didio), estarão fazendo exposições de suas produções artísticas (artes plásticas). Edmilson é meu contemporâneo, fomos companheiro de quarto nos tempos de estudante em Natal, no início da década de setenta. Sucesso ao trio artístico. Irei abraçá-los durante aquele evento cultural.

Fernando Caldas Fanfa

VOTE "GENTE BOA".

PODEROSA DO VALE

O bicheiro Francisco Minervino, proprietário da banca de jogo do bicho Poderosa do Vale, foi assassinado hoje, na cidade de Açu. Ele era pai do 1. suplente de vereador do Açu pelo PHS Romildo Queiroz, atual secretário de turismo do município açuense. Ao amigo Romildo o meu abraço solidário pela perda do seu genitor.

Fernando Caldas Fanfa

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

ASSU ANTIGO, INÍCIO DA DÉCADA DE SESSENTA

NOTAS HISTÓRICAS

(Nota sobre a postagen intitulada "NOTAS BIOGRÁFICAS DE EZEQUIEL FONSECA FILHO").

A Assembléia Estadual, como mandava a Constituição.

EZEQUIEL FONSECA FILHO, como primeiro Vice-presidente do Legislativo Estadual, foi convocado a assunir a Presidência que na época, correspondia ao cargo de Vice-governador e, consequentemente, substituto legal e imediato do Governador, conforme entendimento dado pelo Tribunal de Justiça do Estado. Tanto isto, ocorreu, que foi declarada VAGA do seu mandato de deputado, em consequencia, foi convocado de imediato, para assumir a mesma, o primeiro suplente FERNANDO ABBOT GALVÃO, do PSP (Partido Social Progressista), que mais tarde, fez parte do quadro do Itamaratí como Diplomata.

Aos que negam reconhecer em EZEQUIEL FONSECA FILHO, que o mesmo tenha ocupado o cargo de VICE-GOVERNADOR do Estado, faço o seguinte esclarecimento:

Quando o então Governador DIX-SEPT ROSADO, faleceu em trágico acidente de avião, assumiu a Governadoria do Estado, o seu substituto legal SILVIO PEDROZA, eleito Vice-governador, que, pela Constituição Estadual da época, presidia a Assemléia do Estado.

Um abraço fraterno, do amigo NILO FONSECA

Do blog: Amigo e conterrâneo Nilo: Está feito o registro de muita importância para a História Política do Rio Grande do Norte.

Fernando Caldas Fanfa

POR ONDE ANDA ROQUE?


Nunca mais soube notícias dele.Será que ele morreu? Se não, deve está bem velhinho! A cegueira lhe acometeu ainda adolescente quando ele foi caçar no mato. Uma cobra cobra de cipó lhe teria  atacado,se enrolando no seu corpo e lhe dado um arrôcho, assim contavam os mais antigos do Açu, a meninada da cidade. Tipo franzino, alto, afobado quando se sentia ofendido em certas brincadeiras que alguém tirasse com ele. Se vestia de calça e camisa branca de mangas compridas. Sandálias tipo Franciscana. Que horas são, Roque? Ele respondia com precisão! Andava sem guia pelas ruas do velho Açu. Saia de seu bairro Vertentes de manhã cedinho, onde morava numa casinha de taipa, em direção ao Centro da cidade, voltando as onze horas, todo santo dia. Não tenho certeza, mais parece que o seu nome de registro é Roque Teodoro da Silva.

domingo, 15 de agosto de 2010

QUAL A POLÍTICA CULTURAL?

Os três candidatos à frente nas pesquisas respondem qual seria o prjeto de sei governo para o setor cultural

Sérgio Vilar. sergiovilar@.rn@dabr.com.br

O período de estiagem do setor cultural potiguar clama por chuvas torrenciais. Após período de relativa pujança com a criação de autos natalinos, da Revista Preá, da publicação de livros, premiações literárias, construção do Teatro de Cultura Popular e dezenas de Casas de Cultura, o Rio Grande do Norte mergulhou em um deserto cultural nos últimos anos. A Fundação José Augusto se tornou a última instância do orçamento governamental. Foram palavras do titular da instituição, Crispiniano Neto, ao Diário de Natal: "Quando o orçamento aperta, o primeiro lugar de onde se retira recurso para compensar perdas é a cultura".

O orçamento anual da FJA, previsto no Orçamento Geral do Estado, soma aproximadamente R$ 22 milhões. Mais de R$ 18 milhões são gastos com pagamento de pessoal. São 500 funcionários lotados na instituição. A título de comparação, na Fundação municipal - cujo orçamento é de R$ 11 milhões, fixado no Plano Plurianual - são menos de 5. E a máquina obesa da cultura estadual padece a espera da dieta necessária à saúde do setor, à celeridade buscada nos processos travados pelo monstro burocrático ou pela falta de recurso.

Diferente da saúde e educação, a cultura desconhece percentuais fixos de investimento previstos em Lei Federal. Permanece o 'pires na mão' à mercê da boa vontade dos governantes. Para informar o cidadão e a classe artística, o DN enviou aos três candidatos ao Governo do Estado mais bem posicionados nas pesquisas de opinião a pergunta: "Qual a política cultural adotada pelo seu governo caso vença a eleição?". Ficou estabelecido tamanho máximo de dez linhas. Nenhum comentou a respeito da política de editais, adotada na atual gestão e tendência no país. As respostas seguem por ordem de envio.

Carlos Eduardo Alves, PDT

"É lastimável a forma como a Cultura vem sendo tratada pelos gestores de nosso estado. Eu, quando prefeito de Natal, dei prioridade a essa área. A minha administração foi a que mais editou livros. Promovi shows gratuitos com artistas de renome nacional, valorizei os artistas locais, criei a Escola de Teatro, incentivei a produção audiovisual, construí o Museu Djalma Maranhão, realizei o maior evento de literatura dos últimos tempos. Como governador, eu vou planejar a cultura através da criação do Plano Estadual de Cultura elaborado com participação popular. Vou resgatar a Fundação José Augusto, retirando-a da atual paralisia, ampliar o orçamento para a Cultura, garantir a plena atividade das Casas de Cultura, promover eventos gratuitos, construir bibliotecas, museus e criar uma rede estadual de cinema, entre muitos outros pontos"

Rosalba Ciarlini, DEM

"Estabelecer um Fundo de Apoio à Cultura para financiamento das atividades culturais. Vamos ampliar, consolidar e reconhecer como profissionalizante cursos de música, teatro e artes visuais. Promover a interiorização de escolas de arte em cidades pólo abrindo campo de trabalho para profissionais já formados na capital e criando uma "cultura" de produção e consumo de arte. Serão apoiadas realizações de eventos, festivais, autos, estabelecendo um calendário anual de eventos. A cultura terá papel fundamental na construção do plano turístico do RN. Vamos implementar o programa Natal - Capital Internacional do Folclore e transformar a capital num pólo de cultura popular. O governo terá programa permanente de valorização de espaços culturais como museus, bibliotecas, casas de cultura e espaços a serem criados, tornando-os ambiente de convivência cultural"

Iberê Ferreira de Souza, PSB

"Vamos estruturar um sistema estadual de Cultura que promova a valorização dos bens culturais, históricos e arquitetônicos com a implantação de espaços sócio-culturais para a população, promovendo a valorização da cultura potiguar, com a participação progressiva dos municípios, estimulando práticas participativas na sua gestão e fomentando a programação permanente nas Casas de Cultura com cursos, exposições e apresentações artísticas. Vamos otimizar os recursos que temos para promover ações articuladas entre Educação e Cultura, utilizando toda a rede de que dispomos hoje (escolas, bibliotecas, auditórios, teatros, espaços de convivência) como canal para levar arte, entretenimento e conhecimento para todos os recantos do Rio Grande do Norte"

(Diário de Natal, edição de 15 de julho de 010)

Se eleito deputado estadual a cultura potiguar (sem quem for o governador) terá o meu irrestrito apóio.
Notícias


TSE libera primeira candidatura de ficha suja para candidato de MG

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) liberou o primeiro registro de uma candidatura que havia sido indeferida com base na Lei da Ficha Limpa. O ministro Arnaldo Versiani autorizou o candidato Wellington Gonçalves de Magalhães a concorrer a deputado estadual em Minas Gerais.



A decisão contraria decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). O tribunal mineiro havia impedido a candidatura de Magalhães com base na Lei da Ficha Limpa. Isso porque ele foi cassado por órgão colegiado da Justiça Eleitoral pela prática de abuso de poder econômico.



“No caso, porém, a condenação do candidato por abuso de poder econômico, em segunda instância, ocorreu em sede de ação de impugnação de mandato eletivo[...], e não de representação”, afirmou o Versiani, para quem somente o segundo caso levaria ao impedimento da candidatura. Com a liberação, o ministro reforçou a tese de que o tribunal deve analisar cada caso de forma específica. Ainda cabe recurso contra a decisão, e o caso também pode ser levado para análise da corte.



Em sessão plenária na noite de quinta-feira (12), o ministro Marcelo Ribeiro já havia se mostrado favorável à liberação de outro ficha suja, o candidato cearense Francisco da Chagas Rodrigues Alves, que também concorre a uma vaga de deputado estadual. Ribeiro preferiu levar o caso direto para o plenário, em vez de decidir sozinho.



Diferentemente de Versiani, o argumento usado por Ribeiro nada tinha a ver com o caso específico do candidato. O ministro atacou a lei de forma geral usando o artigo 16 da Constituição, que afirma que qualquer mudança no processo eleitoral deve demorar um ano para entrar em vigor. A Lei da Ficha Limpa foi sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em junho deste ano, e, segundo entendimento do próprio TSE, começou a valer já nestas eleições.



Ribeiro estava pronto para votar a favor do deferimento do registro de Alves quando o ministro Ricardo Lewandowski, presidente da corte, pediu vista dos autos e suspendeu o julgamento.

sábado, 14 de agosto de 2010

O POEMA QUE CONSAGROU RENATO CALDAS

FULÔ DO MATO

Sá dona, vossa mecê,
A fulô mais cheirosa,
A fulô mais prefumosa
Qui o meu sertão já botô!
Podem fazê um cardume,
De tudo qui fô prefume
De tudo qui fô fulô,
Qui nem uma, nem uma só,
Tem o cheiro do suó
Qui seu corpinho suô.
- Tem cheiro de madrugada,
Fartum de arei muiáda,
Qui o uruváio inxombriô.
É um cheiro bom, déferente,
Qui a gente sintindo, sente,
Das outa coisa o fedô.

POR UM VALE DO AÇU MAIS DESENVOLVIDO E FELIZ!

´POR UM VALE DO AÇU MAIS DESENVOLVIDO E FELIZ!

ROSALBA, IVAN JUNIOR, GARIBALDI E AGRIPINO, FAZ CARREATA EM TODO VALE DO AÇU

O prefeito de Assu, Ivan Júnior, recebeu na manhã deste sábado, 14, os candidatos ao Governo do Estado e ao Senado Federal, a senadora Rosalba Ciarlini (DEM), e os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM), além de vários candidatos à Assembleia Legislativa e candidato a Câmara Federal, deputado Fábio Faria (PMN) e lideranças de todo o Vale do Assu, que formaram uma grande carreata que está percorrendo todos os municípios daquela região.

Uma verdadeira multidão está dando uma resposta à liderança do prefeito do Assu e a carreata vai “engrossando” a cada cidade por onde passa. O jovem prefeito vem se notabilizando pelo dinamismo que vem impondo a sua gestão à frente da Prefeitura do Assu.

A movimentação política será encerrada na cidade de Macau, com um grande comício que reunirá todas as lideranças políticas do Vale do Assu e Região Central do Estado. “Eu quero ressaltar que a senadora Rosalba Ciarlini foi a autora do projeto de Lei que possibilitou a criação da ZPE do Sertão, que está em fase de instalação a partir do edital para escolha da empresa que irá gerir este importante empreendimento que trará riquezas, emprego e renda para toda região do Vale do Assu”, disse o prefeito Ivan Júnior, lembrando que os senadores Garibaldi Filho e José Agripino são grandes defensores do Assu.

Foto: blog Rodrigo Loureiro
--
Eco Imprensa
Leonardo Sodré
9986-2453
João Maria Medeiros
9144-6632
http://www.ecoimprensanatal.blogspot.com/

ecoimprensamarketing@gmail.com

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

NOTAS BIOGRÁFICAS DE EZEQUIEL FONSECA FILHO

(O texto adiante está publicado no livro sob o título "Arca de Noé", do antologista e poeta açuense Rômulo Wandereley. A data daquela publicação deve ser do início da década de cinquenta. Vamos conferir).

I

Nasceu na cidade do Açu, a 02 de julho de 1895. Ezequiel Epaminondas da Fonseca Filho. Não pretendia ingressar em política. Depois da revolução de 30, porém, tomou gosto pela coisa principalmente em virtude da possibilidade de fazer frente ao seu parente e colega Pedro Amorim, que era então o tucháu daquele famoso município de famosos carnaubais.

II

Estudou no antigo colégio Santo Antônio e no Aires Gama, do Recife. Fez preparatórios no Ateneu, ao lado de Kerginaldo cavalcante, José Ferreira de Souza, Anfilóquio e Adauto Câmara. Cursou o 1. ano da Escola de Farmácia do Recife e a seguir transferiu-se para o Rio formando em Medicina em 1925. Quando terminou o curso médico, estava habilitado também para o matrimônio. Especializou-se em vias urinárias, porém, indo clinicar em sua terra natal, teve teve que fazer clínica geral para hobter a devida média orçamentária. Em 1983, sendo ainda prefeito (fora nomeado em 1930), recepcionou o presidente Vargas e ao saudá-lo desejou a S. Excelência. um governo longo e proveitoso. Acertou: ao menos na primeira parte.

III

Entregou a S. Excelência. Um memorial solicitando a construção de uma ponte sobre o rio Açu, centenária aspiração daquela ilustre gente. A obra foi mandada construir e inaugurada antes de terminar o 2. Reinado.

IV

Muito benquisto na sua terra, depois foi eleito deputado estadual. Antes disso, figurou na chapa de deputado federal, tendo ficado como 1. suplente. Mas, não, exigiu nunca um gesto de "renúncia rara" de Café |Filho. Preferiu "continuar no posto em que a revolução o colocou".

V

Na última campanha estava pendidndo para a corrente do governador José Varela e terminou definindo-se pela Aliança Democrática, atitude de que hoje se arrepende amargamente.

VI

Como parlamentar ninca fez grandes discursos. Mas, tem apresentado muitos requerimentos e um deles se referiu à construção de um canal para à lagoa Piató. Contudo escrevendo diz o que pensa e com muita precisão. Por último fez uma aliança com Manelzinho Montenegro, ex-prefeito do Açu, aliança que foi uma tremenda frente única contraa`Pedro Amorim.

VII

Os seus correligionários reconhecem nele o Vice-Governador do Estado, qualidade que hoje é negada pelos adversários e até mesmo pelos aliados de ontem.

VIII

É um homem muito experiente, reconhece a necesidade de estar convivendo com os seus eleitores, simplesmente porque, em política, é comno o amor, quem não é visto não é lembrado...

(Do blog: Ezequiel faleceu na dpecada de oitenta, pouco tempo depois de ter publicado aos 90 anos de idade, o livro intitulado "Poetas e Boêmios do Açu, 1984).

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Classificados Diginet AnunciarVer anúncios marcadosPolítica de UsoFale ConoscoMeus AnúnciosMeus DadosSairCategorias Animais


Aulas e Cursos

CDs

Diversos

Eletro-eletrônico

Empregos

Esporte

Festas

Imóveis

Informática

Livros

Saúde e Beleza

Serviços

Som e Imagem

Telefonia

Trocas

Turismo

Veículos

Ver anúncios marcados

Envie sugestões

Powered by



Logado como fernando

Anúncio sem foto.



Adicionar fotos XEROX - COPIADORA

Tipo:Acessórios

Marca:-

Modelo:-

Kilometragem:- km

Ano:-

Combustível:-

Adicionais:

■Não há característica.

XEROX 5614 - VENDO OU TROCO EM QUALQUER COISA.ACOMPANHA O ESTABILIZADOR DE 2 MIL WATS. FALTANDO COLOCAR O REVELADOR PARA FUNCIONAR. vENDO BARTATO - 300 REAIS. TIRA 4 MIL CÓPIS COM O TONER QUE CUSTA 40 REAIS. - 32139859 - 99913671 - 87224759 - FERNANDO.







Enviar para um amigo

Editar ouRemover Enviar para um amigo Nome do(a) amigo(a):

E-mail do(a) amigo(a):

Mensagem: Máximo de 200 caracteres.



Enviar ou Cancelar



Informações sobre este anúncio:

Cadastro: 28/07/2010 18:08

Categoria: Veículos / Acessórios



Reportar este anúncio como ofensivo ou spam

Informações sobre este anunciante:

Nome: fernando

Telefone: (84) 32238216 Residencial (84) 96065409 Celular



--------------------------------------------------------------------------------

Envie sua pergunta para este anunciante:



Enviar como pergunta pública.Enviar pergunta ou limpar texto Outros anúncios deste anunciante: - Ver todos os anúncios

HD

Hd sata de 80gb, sansung. R$ - 50...

PROCESSADOR

Processador pentium 4 de 1.50 e 1.7 -...

MONITOR CRT

Monitor crt de 15 polegadas. Tenho duas...

IMPORTANTE: Este serviço é de livre acesso a todos os internautas. A Diginet não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios de seus assinantes e/ou visitantes e desde já reserva-se ao direito de apagar mensagens que julgar inadequadas.

Classificados Diginet © 2009

Anunciar
Ver anúncios marcados
Cadastro
Política de Uso
Fale Conosco

.

MISSA PRESTA HOMENAGEMA A MEMÓRIA DE ALUÍZIO ALVES

Familiares e amigos do ex-ministro Aluízio Alves participaram ontem, na igreja de Nossa Senhora da Esperança, na Cidade da Esperança, da missa em celebração aos 89 anos de nascimento do líder político. “A saudade é um sentimento teimoso e que me abastece a alma e o coração”, afirmou Agnelo Alves, que participou da celebração com os outros irmãos do ex-ministro, Garibaldi Alves, Diúda Alves e Madre Alves. Três dos filhos de Aluízio – o deputado Henrique Alves, Ana Catarina e Aluízio Filho – participaram do ofertório da missa.

Igreja Nossa Senhora da Esperança fica lotada na celebração em homenagem a Aluízio Alves“É inexplicável porque parece que o tempo não passa. É sempre uma saudade renovada”, disse Ana Catarina. Aluízio Filho assinalou que a data remete aos velhos tempos. “Com muita força, amizade e saudade, passamos mais esta data sem os nossos pais”, destacou ele.

O pároco Agustin Calatayud y Salom lembrou que, por cerca de 20 anos, o ex-governador comemorou o seu aniversário na mesma capela, com as mesmas pessoas, o que mobiliza até hoje uma grande número de pessoas a participarem da celebração. Entre os presentes, populares com camisetas, lenços e adereços verdes, que relembram a trajetória de vida do ex-ministro peemedebista. É o caso do aposentado Luiz Arcanjo, que afirmou acompanhar a trajetória política dos familiares do ex-governador desde os 15 anos de idade. Ele hoje tem 63. “Não perco nenhuma oportunidade de homenagear Aluízio. Muitas vezes, quando lembro das campanhas do passado até choro. Tenho saudade de ver aquele mundão de gente com os galhos de coqueiros nos comícios. Hoje é outra história”, lamentou.

O senador Garibaldi Filho e o ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, sobrinhos de Aluízio Alves, enfatizaram a importância de manter acesa a memória do tio. “Aluízio estará sempre presente em nossa memória e no nosso coração. Nesta campanha estou encontrando por onde ando os sinais comovedores de sua presença. Estou sempre sendo recebido pelas pessoas com as suas fotografias, algumas amareladas pelo tempo, mas a recordação é uma só”, disse Garibaldi. “Pela grandeza da obra que deixou ao Rio Grande do Norte é um político imortal. Foi a maior liderança política e popular do Estado e hoje estou aqui para homenagear a memória dele”, completou Carlos Eduardo.

Há quatro anos, o ex-ministro, ex-governador e ex-deputado federal Aluízio Alves estava em casa, no início da tarde do dia 3 de maio de 2006, quando sentiu-se mal. O jornalista e político, então com 84 anos e recuperado de um câncer, sofreu uma parada respiratória seguida de parada cardíaca e veio a falecer na tarde do dia 6, um sábado. Desde então, amigos e familiares continuam celebrando na mesma igreja, com o mesmo pároco a data em homenagem ao seu natalício.

Tribuna do Norte, 12.8.010

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

CONVITE DA ACADEMIA NORTE-RIO-GRANDENSE DE LETRAS

LANÇAMENTO DO LIVRO "FICCIONISTAS POTIGRES" DE MANOEL ONOFRE JR

Caro(a) Amigo(a)s:

Associo-me ao Presidente da Academia Norte-RioGrandense de Letras, valendo-me da generosa delegação conferida por ele, para convidá-lo(a) para o lancamento do livro desse notável escritor potiguar, Manoel Onofre Jr., "Ficcionistas Potiguares", no dia 16 de agosto, segunda-feira próxima, a partir das 18 horas ás 21 horas, na sede da ANRL á rua Mipibu 443.

Manoel Onofre é dos mais importantes escritores do nosso estado, incursionando com talento e competência nos gêneros do conto, do ensaio literário e da história. É da Academia Norte-Riograndensede Letras, do Instituto Hostórico e Geográfico do Rn, da União Brasileira de Escritores e escreveu cerca de uma vintena de livros, destacados entre os melhores do gênero.

O convite formal segue em arquivo anexo.

Estarei lá para recepcioná-lo(a).

Abraços

Pedro Simões

terça-feira, 10 de agosto de 2010

SUCESSO NO TORNEIO LEITEIRO DA FESTA DO BODE 2010

Dentro dos vários eventos promovidos na 12ª edição da Festa do Bode, em Mossoró, o torneio leiteiro foi um dos maiores atrativos. Na lista dos campeões do torneio, se destacam o 1º lugar na categoria jovem, que foi para a cabra Duvidosa, com 8, 370 kg em 3 ordenhas, de propriedade do produtor rural Haroldo Bezerra. Em outra categoria, a cabrita, a campeã foi Helena, com 6, 290 kg em 3 ordenhas, de propriedade do produtor Bruno Bezerra. Os dois produtores são da cidade de Afonso Bezerra, na região Central do estado. Em outra categoria do torneio, a adulta, a vencedora foi à cabra Mimosa, com 10, 675 kg em 3 ordenhas, de propriedade do senhor Molico, de Currais Novos.

Com uma média de 2 mil animais, entre caprinos, ovinos, bovinos e eqüinos, a Festa do Bode foi um sucesso. Os organizadores esperam que seja superada a marca atingida no Leilão de 2009, onde 200 mil reais em animais foram comercializados. Em 2010 foram oferecidos cerca de 50 lotes de animais da melhor genética do RN.

Considerado o principal evento do segmento no Oeste do Rio Grande do Norte, a Festa do Bode, atrai criadores e produtores rurais de cidades da região Oeste potiguar e de outros estados do Nordeste. A Festa neste ano comercializou também gado bovino, por isso, a expectativa é que o volume de negócios chegue a R$ 3 milhões. No evento, o Governo do Estado investiu aproximadamente R$ 120 mil e cerca de dois mil animais foram expostos.

Com Paulo Correia
--
Eco Imprensa
Leonardo Sodré
9986-2453
João Maria Medeiros
9144-6632
http://www.ecoimprensanatal.blogspot.com/
ecoimprensamarketing@gmail.com

POR UM VALE DO AÇU MAIS DESENVOLVIDO E FELIZ!

domingo, 8 de agosto de 2010

NÃO SE PODE COMETER INJUSTIÇA COM UM CIDADÃO DE BEM.

Fernando Caldas (FANFA) Também é Candidato.

É candidato a deputado estadual N. 23456. Já foi vereador, secretário e presidente da Câmara Municipal do Açu-RN (sua terra Natal), estudou no Colégio Nossa Senhora das Vitórias, Externato São José (de d. Glorinha), Ginásio Pedro Amorim, IPI, de Açu, e no Atheneu Norte-Rio-Grandense, de Natal. É pesquisador, já foi candidato a vereador por Natal duas vezes (eleições de 1991 e 2008), exerceu cargos de coordenador na Assembléia Legistiva, no Governo do RN e na prefeitura da terra açuense. Escreveu várias plaquetes sobre o Assu e sua gente. Tem artigos publicados nos jornais como "O Assuense","Jornal da Colônia Açuense" e "Tribuna do Norte", de Natal.

Escrito por agendapolitica2010@yahoo.com às 09h20

Do Blog de Romildo Queiroz