quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Comissão Nacional do PSC terá de aprovar todos os nomes de candidatos majoritários e coligações estaduais nestas eleições


Publicado em Quinta, 06 Fevereiro 2014


A Executiva Nacional do Partido Social Cristão publicou no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira (6), a Resolução CEN N° 1, que determina metas e diretrizes do PSC nas Eleições de 2014, constituiu uma Comissão Especial e dá outras providências. Entre elas, o documento estabele que todos os nomes de candidatos majoritários e definição de coligações nos Estados só terão validade se forem aprovados por uma Comissão Especial formada pelos membros da Executiva Nacional do partido.

“Nas últimas eleições, o PSC foi o partido que mais cresceu no país e, este ano, temos que dar continuidade a esse crescimento. A resolução estabelece como meta a prioridade para candidaturas próprias e a eleição de 30 deputados federais, com o aumento do voto de legenda. Para que essa meta seja cumprida, é preciso que todos os diretórios regionais e municipais estejam comprometidos com o partido. Todos temos que falar a mesma língua, defendermos a mesma proposta, por isso, resolvemos publicar essa resolução, com o intuito de unificar nossos objetivos e projetos”, disse o vice-presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo Pereira.

A resolução estabelece que os diretórios regionais deem prioridade a candidaturas próprias de deputados federais e ao lançamento de chapas completas de candidatos. Se for o caso de fechar coligações, a orientação é de lançar o maior número possível de candidatos do PSC. Definidas as coligações e candidatos, estes ainda terão de ser enviados para análise da Comissão Especial em no máximo 10 dias corridos antes da data das Convenções, que ocorrerão em junho. A partir daí, a Executiva Nacional terá 3 dias para decidir, por maioria de votos, pela aprovação ou rejeição.

O documento ainda deixa claro que os diretórios e candidatos que descumprirem as normas estabelecidas pela resolução serão punidos com a nulidade de atos e impugnação de candidaturas.

Punição para quem fizer campanha para candidatos de outros partidos
A importância da fidelidade partidária é enfatizada pelo documento, que também prevê a punição de quem se negar a fazer campanha para os candidatos do PSC ou apoiar candidatos federais de outras legendas,  sob pena de perderem o registro de candidatura ou; no caso de vereadores, prefeitos e vice-prefeitos; responderem a processo de expulsão do partido com imediata perda do mandato.

Veja a íntegra do documento:
 
ASCOM PSC Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário