sexta-feira, 7 de março de 2014

BARRAGEM DO ASSU, NO RIO GRANDE DO NORTE, "PERDE MAIS DE 1 BILHÃO DE LITROS DÁGUA POR DIA"



Armando Ribeiro perde mais de 1 bilhão de litros d’água por dia

Publicação: 07 de Março de 2014 

Roberto Lucena e Vicente Neto
repórter e editor de Geral

As chuvas que caíram mês passado no interior do Rio Grande do Norte encheram alguns açudes, levaram alívio à população de alguns municípios em estado de emergência, mas não foram suficientes para melhorar os níveis nos principais reservatórios do Estado. A Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, em Assu, continua secando e, atualmente, está com pouco mais de 32% de sua capacidade total. É o percentual mais baixo da história. Por dia, a barragem está secando 1,07 bilhão de litros d’água para abastecer 34 cidades.
Magnus NascimentoBarragem Armando Ribeiro é responsável pelo abastecimento de 34 municípios potiguaresBarragem Armando Ribeiro é responsável pelo abastecimento de 34 municípios potiguares

Concomitantemente, o Governo do Estado ainda não definiu o planejamento para distribuição e uso racional da água nos 161 municípios que sofrem com os efeitos da estiagem há mais de dois anos. Sabe-se apenas que o problema será discutido município por município. Na próxima segunda-feira, técnicos da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) e secretaria de Estado  do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) vão participar de mais uma reunião para tratar  sobre o assunto. Na última semana de fevereiro, o grupo se encontrou por duas vezes.

Enquanto há letargia na efetivação dos projetos que tentam amenizar os efeitos da seca, os reservatórios do Estado minguam a cada dia que passa. O principal reservatório potiguar – barragem Armando Ribeiro Gonçalves – está com 32,26% da sua capacidade. A medição foi realizada ontem e mostra que o nível baixa a passos largos. Há menos de dois meses, o local estava  com 34,81% da sua capacidade. No dia 9 de janeiro,  os dados apontavam a existência de 835.400 milhões m³ de água. Cinquenta e sete dias depois, esse número baixou para 774.296 milhões m³ de água. Ou seja, nesse intervalo, a perda foi de 61.104 milhões m³ de água que corresponde a 1,07 bilhão de litros d’água por dia.

A barragem é responsável  pelo abastecimento de diversos sistemas adutores e 34 municípios potiguares. “Infelizmente, as águas que caíram em fevereiro não foram capazes de melhorar a situação. Nossa esperança é que chova mais”, disse Joana D’arc, coordenadora de gestão de recursos hídricos da Semarh.

De acordo com o gerente operacional da Caern, Izaías Costa, a perda de água na barragem não ocorre apenas devido ao abastecimento das cidades. Ele citou que os projetos de irrigação e outros canais como o do rio Pataxó, consomem um número significativo do reservatório. “É preciso verificar essa situação também. Não são apenas as cidades que consomem essa água. Há muita irrigação”, colocou.

Já o hidrólogo  e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), João Abner Guimarães Júnior informou que a evaporação também é fator que contribui para a diminuição do nível d’água. “Temos a evaporação natural e, o que mais preocupa, é que a ANA [Agência Nacional das   Águas] não prioriza o consumo humano. Perde-se muita água para projetos de irrigação e carcinicultura”, disse.

A Armando Ribeiro Gonçalves tem capacidade total de 2,4 bilhões m³. Outras barragens e açudes também estão com níveis críticos. É o caso do açude Itans, em Caicó. Da capacidade total de armazenar 81.750.000 m³ de água, o local conta com apenas 7.935.000 m³, ou seja, 9,71% da capacidade.

Fonte: TN

Nenhum comentário:

Postar um comentário