segunda-feira, 31 de março de 2014

VOU-ME EMBORA PRO TORRÃO
Vou-me embora pro torrão
Lá tenho muitos amigos
Irei conviver com o meu povo
Jovens, adultos e os mais antigos.
Vou-me embora pro torrão
Lá encontrarei a felicidade
Começarei nova vida
Seja no campo ou na cidade.
Vou-me embora pro torrão
Rever meu pé-de-serra
A linda Serra Aguda
Da minha querida terra.
Vou visitar a Fazendinha
E ficar à sombra do juazeiro
Irei escrever poesias
E sonhar o dia inteiro.
Vou-me embora pro torrão
Não gosto da grande cidade
Prefiro sair daqui
Do sertão sinto saudade.
Lá pegarei 'morcego' de trem
Na querida Estação
Como é lindo o carro de linha
Na infância do meu torrão.
Vou-me embora pro torrão
A capital não é meu lugar
As coisas que consegui aqui
Não são como as de lá.
Irei ao Cinema Paroquial
Assistir filme faroeste
Passarei pela sede do Flamengo
No salão Tatá e seus cabras da peste.
Vou-me embora pro torrão
Lá sou amigo de todos
Quero sair daqui
Já me cansei dos engodos.
Vou-me embora pro torrão
Lembrar o velho carnaval
Brincar no Country Club
Banda do !6 sempre foi tradicional.
Passarei no Grupo Abel Furtado
Olhar a sala onde estudei
Lembrar de dona Raimundinha
A diretora que tanto venerei.
Brincarei na querida pracinha
Em cima e embaixo do paredão
No lazer alguns amigos da infância
Do meu querido torrão.
Andarei na zona rural
Lembrar de carroça, trator e caminhão
Uma bela época
Primeiro lugar em algodão.
Assistirei um show da AUPA
Associação Universitária de Pedro Avelino
Orgulho nosso, tudo lindo.
Vou-me embora pro torrão
Brincadeiras de menino
Tá na hora da missa
Escuto a voz do sino.
Vou-me embora pro torrão
Lá sou amigo de todos
Quero sair daqui
Me cansei dos engodos.]

Marcos Calaça, jornalista UFRN

Nenhum comentário:

Postar um comentário