segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Ilusionismo romântico
A pior coisa de um fim de um relacionamento é dizer um para o outro: "seremos amigos"
Que amigo?
Se quando tudo termina é o fim.
Fim das carícias, dos olhares apaixonados, do beijo quente , dos cheiros excitantes, do sexo vibrante, do ligar repetidas vezes e da vontade de nunca mais desprender-se dessa paixão incontrolável.
Que amigo, que nada!
Desconheço qualquer relacionamento íntimo que se torne amizade.
Amigo é uma coisa, parceiro das noites intermináveis é outra. Dos dias infinitos e dss promessas eternas que ficam nas lembranças de tudo quando chega ao fim.
Não quero ser seu amigo. Que amigo é esse?
Que quer ainda o seu corpo, que deseja você ao lembrar das noites e dias em que o tempo os consumia entre beijos e abraços.
Amigo é outra coisa.
Ainda resta sempre no fim das paixões um quê de não sei o quê pra quem acha que perdeu seu grande amor ou apenas aquele que diz ser seu amigo.
O bom seria que quem ficou ainda desejando, esse que diz ser amigo, fosse resgatado das profundezas deste "inferno de amar" e voltasse ao tempo da delicadeza e tudo voltasse a ser silenciado pelos beijos intermináveis, nas loucas horas e na certeza de que tudo pudesse, talvez, ser pra sempre.
Paulo Sérgio 17.08.2014
Da linha do tempo;face de FSL.

Nenhum comentário:

Postar um comentário