segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Tudo que é sonho se parece comigo.

(João Lins Caldas, poeta potiguar)

Foto de: Ponte de Sonhos
Curtir

SACCO & VANZETTI – Um Erro Irreparável


  
– PEDRO LUSO DE CARVALHO
No dia 23 de agosto de 1927, nos Estados Unidos, Sacco e Vanzetti foram executados na cadeira elétrica, por um crime que não cometeram. Nos autos do processo, nenhuma prova da autoria do crime. Sete anos, foi o tempo que a justiça levou para condená-los, a contar do recebimento da denúncia do promotor de justiça pelo juiz.
Nesse lapso de tempo, protestos da comunidade intelectual norte-americana se sucediam, inconformada com a sentença condenatória dos dois humildes italianos. Milhares pedidos de clemência foram encaminhados por eles, aos quais se somaram tantos outros pedidos do mundo inteiro. Mas, tudo foi inútil. A sentença condenatória teria de ser cumprida para servir de exemplo ao povo, para que se distanciasse do anarquismo e do comunismo.
Depois que foi publicada a sentença condenatória de Sacco e Vanzetti, que culminou com a morte de ambos na cadeira elétrica, o sonho americano de uma sociedade justa e igualitária encontrava-se por terra. Aí, começaria o desencanto de parte do povo sensível à justa aplicação da justiça e do tratamento igualitário de seus cidadãos.
Um reconhecido nome da literatura estadunidense, Katherine Anne Porter, autora de A Nau dos Insensatos, livro que se tornou best-seller, entre outras obras, e que também foi publicado no Brasil, , fez parte de comitês de protestos, e escreveu The Never Ending Wrong, que aqui recebeu o título de Sacco e Vanzetti: Um Erro Irreparável, traduzido por Sebastião Uchoa Leite (Rio de Janeiro: Salamandra, 1978).
Katherine Anne Porter inicia assim o seu livro:
Durante alguns anos, no início da década de 1920, quando eu vivia parte do meu tempo no México, cada vez que voltava a New York eu retomava o fio da estranha história dos imigrantes italianos Nicola Sacco, um sapateiro, e Bartolomeo Vanzetti, um peixeiro, acusados de um assalto brutal a um caminhão de pagamentos, incluindo homicídio, em South Braintree, Massachuseetts, no começo da tarde do dia 15 de abril de 1920.
O sofrimento desses dois italianos, que também eram vistos como anarquistas, começou no ano de 1921, quando, após a condenação de ambos nesse mesmo ano, foram levados para a cela da morte, de onde entravam e saiam, quando havia suspensão da pena, até o dia fatal, como conta Katherine Anne Porter, no seu livro:
Foram levados para a morte na cadeira elétrica na prisão de Charleston à meia-noite do dia 23 de agosto de 1927. Uma meia-noite desolada e sombria, uma noite para a perpétua recordação e luto. Eu era uma das muitas centenas de pessoas que permaneceram em ansiosa vigília, observando a luz na torre da prisão, que nos tinham dito que se apagaria no momento da morte. Foi um momento de estranho e profundo abalo.
E aí termina a triste história de Bartolomeo Vanzetti, que nasceu em Piemonte, Itália, em 1888, e de Nicola Sacco, que nasceu na província de Foggia, no sul da Itália, em 1891. Vanzetti morreu com 39 anos de idade, e Sacco com 36 anos.
E, para quem se interessar pela história completa deles, poderá ler esta obra de Katherine Anne Porter, Sacco e Vanzetti: Um Erro Irreparável, ou assistir ao excelente filme: Saco e Vanzetti, filmado na Itália, em 1971, e dirigido por Giuliano Montaldo, com interpretação de Gian Maria Volunté e Ricardo Cucciolla nos papéis-título; estes ganharam o prêmio de melhor interpretação no Festival de Cannes. A canção título é interpretada por Joan Baez. O filme esteve proibido no Brasil, por vários anos, pela censura da Ditadura Militar.

O PATRIARCA DA FAMÍLIA MONTENEGRO DO ASSÚ E REGIÃO

GENEALOGIA:


No ano de 1835 chegou a então Villa Nova da Princesa (10 anos depois, Assú) 
o pernambucano Sr. Manuel de Mello Montenegro Pessoa, formado em direito 
pela Faculdade de Direito de Pernambuco - a segunda mais antiga do Brasil. Veio 
para assumir o primeiro Tabelionato do Assú, segunda Comarca do Rio Grande do 
Norte, em 1838, neste município estabeleceu-se com a família, tornando-se o patriarca 
dos Montenegro.

Na Estrutura daquela época, ele recebeu a Comenda de Comandante Superior da 
Guarda Nacional do Estado do Rio Grande do Norte.

Casou-se com D. Maria Beatriz Paes Barreto, nascida em 1813 e falecida em 
1877. Pertencia ela a mais tradicional família pernambucana, descendentes que são todos 
os Paes Barreto de João Pessoa Barreto, primeiro da família que chegou ao Brasil em 
1558 e implantou em Olinda a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia. De seu 
filho, Cristóvão Paes Barreto, gerou-se os Paes Barreto, pernambucanos e dos 
demais Estados brasileiros.

O casal fundou uma das maiores e mais bem constituída família de Montenegro no 
Nordeste. Desta união nasceram em Assú seus 02 filhos: Ovídio e Manuel. 

Ovídio Mello Montenegro Pessoa, que nasceu no dia 04 de fevereiro de 1835 e se casou 
com Maria Amélia Caldas Montenegro. Desta união nasceram: Manuel de Mello 
Montenegro Pessoa (Neto) - conhecido popularmente por Major Montenegro e Maria 
Beatriz Montenegro Amorim. Ovídio morreu a 04 de outubro de 1901. Foi pecuarista e 
político sendo Deputado estadual por várias legislaturas. 

Manuel de Mello Montenegro Júnior – Segundo e último filho de Manuel de Mello 
Montenegro Pessoa e D. Maria Beatriz Paes Barreto. Nasceu em Assú em 1836. 
Foi Tabelião em Assú. Faleceu no ano de 1865 aos 29 anos de idade e solteiro. 
Fonte: Montenegro - A história e Uma Família”, Maria Yolanda Montenegro Tavares, pág. 451 a 455).




REMINISCÊNCIAS DA RELIGIÃO:

BISPO DE OLINDA VISITA A PARÓQUIA DO ASSÚ
No período de 15 a 23 de outubro 1839 o 18º Bispo de Olinda, Dom Frei João da Purificação Marques Perdigão (atuação de 1829-1864) visita o Assú e faz relatório: 

“... Chegamos à Vila do Assú pelas 7 horas, vindo ao meu encontro alguns cavaleiros, precedidos do pároco, que já pela manhã tinha vindo ao meu encontro, e de quem recebi mui boas notícias a cerca do seu comportamento, gozando eu complacência a tal respeito por ter sido por mim ordenado de presbítero. Desde o princípio da vila fui conduzindo à Matriz debaixo do pálio, acompanhando-me considerável número de povo. Entrando na Matriz cantou-se o Te Deum por dois seculares, e posteriormente à oração diante do Santíssimo Sacramento, fui hospedado pelo pároco com decência, passando a despedir os que me acompanhavam, depois de lhes dar a mão a beijar, e lhes significar o fim de minha visita. Também foi ao meu encontro o padre Baylon (assuense Padre Francisco Teodósio de Seixas Baylon), professor de gramática latina e por mim ordenado de presbítero, que se tem conduzido dignamente, ouvindo eu dizer que desde a mais tenra idade jamais experimentou os efeitos provenientes de irregular conduta. 

Dia 16. Despachei alguns requerimentos.

Dia 17. pelas 10 horas fui à Matriz conduzido debaixo do pálio, e abri a visita, praticadas as cerimônias do costume, cujo ofício foi cantado. O sacrário, a custódia, a pia batismal, os paramentos e mais utensílios estão decentes. A igreja está muito suja por causa da grande inundação de morcegos, que no tempo de inverno ser acoutam dentro. Mas por que a capela mor está decente, consenti que ali existisse o Santíssimo Sacramento, concebendo esperança de se reparar a igreja, de maneira que não seja mais ocupada por morcegos.

Dia 18. Examinei sinodalmente o padre Manoel Januário com os vigários de Buique e o desta freguesia, concedendo-lhe licença para confessar um e outro sexo por espaço de 6 meses, no fim dos quais deve examinar-se com o Visitador (o Visitador era o Padre Francisco de Brito Guerra) desta província, antes que parta para o Rio de Janeiro na qualidade de Senador, e cujo exame deve ser-me apresentado para lhe deferir para o futuro. De tarde crismei mais de 100 pessoas, assistindo à prática mais 300. Este ato foi celebrado fora da porta da matriz por causa do mau cheiro dos morcegos, ficando as mulheres dentro da igreja, por que o campo existia mui quente, por causa da ardência do sol. Nesta freguesia, como em outras, tem recorrido a mim muitos pais de família para que eu obrigue a casar com suas filhas os moços, que delas tem abusado com promessa de casamento, fazendo-lhes vez por esta ocasião quais deviam ter sido os seus deveres, e como se deviam conduzir segundo as leis existentes. Neste dia compareceu o vigário encomendado dos Angicos (era o padre Manoel Antonio dos Santos Moraes Pereira Leitão – 1836 a 1838) para me visitar, e nesta ocasião fui ciente de que ele é brasileiro adotivo, quando natural de Lisboa.

Dia 19. Foram por mim convocadas as principais pessoas desta vila para lhes fazer ver a urgente necessidade de repararem as ruínas da matriz, e prestando-se todas a concorrer, e assinando cada um sua esmola, montaram as quantias à soma de 700$ réis, inclusa a minha esmola de 50$ réis que logo entreguei. No mesmo ato compareceu o novo tesoureiro dos bens da matriz nomeado pelo juiz de direito, e foram nomeados para administradores da obra o coronel Wanderley (Coronel Manoel Lins Wanderley – 1804/1877) e o juiz de direito Bezerra, homens pobres e honrados. O vigário da freguesia deu 100$ réis, e mandei suplicar a outras pessoas as suas assinaturas, acreditando que depois deste ato se principiará a dita obra, outrora malograda. De tarde crismei quase 300 pessoas, assistindo à pratica mais de 400. 

Dia 20. Ouvi missa na matriz, cujo padroeiro é São João Batista, e depois compareceram algumas pessoas, prestando assinatura para a obra em projeto. Neste dia me visitou o vigário de Santana do Matos (o vigário de Santana do Matos, em 1839, era o padre João Teotônio de Sousa e Silva, de 1822 a 71, colado), 10 léguas distante desta vila. De tarde crismei quase 500 pessoas, assistindo à prática maior número. Por motivos atendíveis tenho principiado a crismar pelas 6 horas da tarde, finalizando tais atos, quando havia maior concorrência de povo, pela meia noite, e uma hora com a melhor ordem e atenção, que prestavam às práticas ordinariamente pelo tempo de uma hora.

Neste dia concedi uma dispensa de cunhados por motivos urgentes.

Dia 21. Fui passar o dia em casa do tenente coronel Fonseca, 2 léguas distante desta vila, onde crismei quase 100 pessoas, pelas 6 horas da tarde, antes de regressar para a vila. 

Dia 22. Crismei particularmente algumas pessoas que vieram da distância d 8 léguas, e depois conferenciou comigo o vigário de Santana do Matos acerca de vários objetos, respectivos à sua freguesia. Este pároco goza bom nome, e me parece existir nele inteligência sob os seus deveres paroquiais. Veio ter comigo um militar, suplicando-me nova nomeação de pároco para a freguesia de Touros, visto que o proprietário existe presentemente em Pernambuco por causa de moléstia. Como, porém o padre, que ficou fazendo às vezes de vigário, não me tenha suplicado demissão, nem dele existia queixa, não deferi a tal súplica. Concedi uma dispensa de cunhados a um quase moribundo, amigado com uma cunhada, de quem tem alguns filhos, atentos os motivos que me foram expostos por 3 pessoas de probidade, sendo uma destas o vigário desta freguesia, à qual os agraciados pertencem. Nesta freguesia como em outras tenho feito ver em minhas práticas, que não existe faculdade para dispensar este 1º grau, para que os cunhados se abstenham de suplicar tais dispensas, bem como não poderem os filhos menores casar, sem licença de seus pais ou do competente ministro, e sem serem proclamados, pois que os párocos me têm asseverado como são vexados para por em prática os maus desígnios de seus paroquianos a respeito. Concedi outra dispensa de cunhados, concubinados e constituídos em iminente perigo de vida, ambos nascidos e moradores desta freguesia, precedidos os depoimentos do costume em tais casos. 
Dia 23. Saí do Assú pelas 6 horas da manhã, acompanhado de alguns cavaleiros, pernoitando em Santa Quitéria. 

Fonte: MARINHO, Francisco Fernandes. O Rio Grande do Norte Sob o olhar dos Bispos de Olinda. Natal/RN, 2006.





sexta-feira, 26 de setembro de 2014

PATRIMÔNIO POTIGUAR:

RETRATOS DO ABANDONO
O complexo residencial da Fazenda Serra Branca – Município de São Rafael está em ruínas. Os objetos pertencentes ao casal Barão Felipe Neri e Baronesa Belisária Wanderley já foram saqueados. Restam apenas escombros da estrutura física do complexo residencial. Recuperáveis, se o Estado considerar de interesse do patrimônio arquitetônico e histórico da região. Acreditamos que é uma tarefa fácil porque, segundo informações dos habitantes do lugar, a propriedade pertence ao INCRA. 
O vilarejo é simplesmente fantástico, mágico. Um visual digno de cenas de cinema. Infelizmente esta sumindo lentamente. Fiz uma visita com a jornalista e escritora Auricéia Antunes de Lima - membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, funcionária da Fundação José Augusto, juntamente com Isaac Lima – do IFRN. Vejam algumas das imagens. Certamente valem por milhares de palavras. 

Casa Grande - Fachada
Casa Grande - lateral
Serra Branca
Serra Branca - cerca de pedra
Complexo residencial
Ivan, Isaac e Auricéia - fachada de uma das casas do complexo
Isaac, Auricéia e Ivan - em frente ao complexo
Escada da Casa do Barão
Fogão a carvão
Bomba para captação d'água
Fuso do tear
Ivan e Auricéia - mesa do Barão
Piso de cimento
Muro deteriorado
Escombros
Escombros
Seca no "pé" da Serra Branca
Vista do sotão da casa
Açude do Barão
Registro de propriedade do INCRA

Felipe Néri de Carvalho e Silva, primeiro e único barão de Serra Branca nasceu em Santana do Matos em 02 de maio de 1829 e faleceu em Caicó no dia 16 de junho de 1893.

Foi deputado provincial nas legislaturas de 1878 e 1880. Libertou todos os seus escravos, sem qualquer condição, em 30 de março de 1880. Era também tenente-coronel da Guarda Nacional.

Agraciado pelo título de Barão em 19 de agosto de 1888.
Faleceu perto da cidade de Caicó, voltando de uma viagem a Juazeiro do Norte, onde visitara o Padre Cícero. Está sepultado no cemitério São João Batista em Assu. 

Baroneza Belizaria Lins Wanderley de Carvalho e Silva nasceu no dia 13 de outubro de 1836. Foi a abolicionista mais famosa do Assu. A Baronesa do Assu foi a esposa do Barão de Serra Branca Felipe Nery de Carvalho e Silva. Faleceu no dia 13 de abril de 1933. Seu sepultamento ocorreu em Assu no mesmo túmulo do Barão - cemitério público São João Batista.
Publicado pelo Assu na Ponta da Língua em 14/11/2012. 

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Votar nulo ou branco é voto de protesto?

Não é protesto votar nulo ou branco porque um candidato será eleito de qualquer forma. Votar dessa maneira é ruim para consolidação da democracia. Vote, exerça a sua cidadania, decida, escolha consciente aquele que você achar melhor. Faça parte do processo político. Os votos nulos ou brancos não são contabilizados e, portanto, não tem o poder de mudar o resultado de uma eleição, pois favorece quem estiver na frente. Se você quer mudar os deputados do seu estado, escolha aquele que apresenta uma boa proposta, que tenha valor, espírito público, que atenda as suas expectativas, os seus anseios.

Fernando Caldas, deputado estadual, 20222, é uma opção! E vamos juntos ajudar a melhorar a terra potiguar! 20222.

!

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

ERA ASSUENSE O PRIMEIRO SENADOR PELO RIO GRANDE DO NORTE

O município do Assu é um dos mais importantes do Rio Grande do Norte e, porque não dizer do Brasil, na vida política, social, cultural, econômica. Terra de tradição pioneira. Pois bem, o primeiro senador pelo Rio Gande do Norte chamava-se Francisco de Brito Guerra nascido no dia 18 de março de 1777 na localidade denominada Campo Grande, então Vila do Assu ou Vila Nova da Princesa, atual município do Assu. O mandato de Brito Guerra foi exercido entre 1837-45, no Rio de Janeiro, ainda no tempo do Brasil Império quando aquela corte era denominada de Senado Vitalício ou Senado do Império, terceira e sexta legislatura. Antes, Guerra teria sido deputado a primeira Assembleia Legislativa Provincial, 1835-37, que foi instalada à 2 de fevereiro de 1835 chegando a presidir aquele legislativo potiguar, além de suplente de deputado geral chegando a assumir de 1831-33, 1834-37, quando foi escolhido para exercer o mandato de Senador do Império pelo Rio Grande do Norte, sendo empossado no dia 10 de julho de 1833. Foi o primeiro norte-riograndense (assuense) a exercer a alta câmara do país ou seja, o Senado do Império, hoje Senado Federal. O escritor Francisco Amorim depõe que Guerra, ao fazer o seu testamento em data de 2 de novembro e 1844 declarou ser natural da Freguesia do Assu. Já, o presidente da Província do Rio Grande Casimiro José de Morais Sarmento no documento Projeto de Lei número 124, de  16 de outubro de 1845, que elevou a Vila Nova da Princesa a categoria de Cidade escreveu: Assu "Pátria do finado Senador Francisco de Brito Guerra?" Fica o registro.

Fernando Caldas 


"Quem não sonha o azul do voo, perde seu poder de pássaro."
_______ Thiago de Mello

 
Curtir

terça-feira, 23 de setembro de 2014

As seis cordas

Federico Garcia Lorca

A guitarra
faz soluçar os sonhos.
O soluço das almas
perdidas
foge por sua boca
redonda.
E, assim como a tarântula,
tece uma grande estrela
para caçar suspiros
que bóiam no seu negro
abismo de madeira.


painting Gerald L.Brockhurst/
Portrait of Margaret/1931

Da linha do tempo/face de Yara Darin

ANÚNCIO DE UM CAVALO PERDIDO EM ASSU NO ANO DE 1878




rostandmedeiros@gmail.com
Ninguém discute o quanto é ruim e complicado o roubo de algum bem, principalmente de algum veículo. Chegar em um estacionamento e não encontrar seu carro e sua moto é complicado, situação que a cada dia se torna mais comum.
No longínquo ano de 1878, quando veículos automotores ainda não circulavam no Rio Grande do Norte, era a perda, ou o roubo, de um cavalo, um burro ou de um jumento, que tirava o sono dos potiguares.
Na notícia que segue, com a indicação do jornal, vemos o desespero do Sr. Luís José Soares de Macêdo, de Assu, em busca do seu cavalo que tinha “de 4 para 5 eras”, ou seja seu animal tinha de 4 a 5 anos de vida. No anúncio, em destaque, aparece a marca ferrada do animal, a única forma de provar que o animal pertencia ao Sr. Luís Macêdo.
Não podemos que em 1878 ocorria uma das mais terríveis secas já presenciadas no nordeste brasileiro. Iniciada em 1877 e encerrada em 1879, esta seca desarranjou totalmente a economia das províncias nordestinas. Provavelmente o Sr. Luís Macêdo pode ter sido vítima de roubo.


© 2010 Copyright Tok de História Todos os direitos reservados

ASSU ANTIGO




ASSU ANTIGO

Praça Getúlio Vargas. Fotografia do acervo de Genilda Soares de Nacedo Varela

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Mentira de Verdade

Eduardo Olympio, 15/09/2014

Tenho um compadre que ama os netos. Claro, também ama os filhos. Sou testemunha de que a recíproca, de ambas as situações, é verdadeira.
Mas, com relação aos netos, a afeição é, de certa forma, mais visível. Na idade em que estão, a mesma, em média, em que a nossa amizade começou, eles cativam com as graças e os carinhos naturais da primeira infância.
Em geral, os avós se orgulham da sua condição e, sempre que podem, falam dos pequenos objetos dos seus amores e, às vezes, até dos respectivos amiguinhos.
Ontem, fui ao aniversário da sua netinha caçula. A criançada estava reunida em torno das atrações. Os pais, tios e avós saboreavam o prazer da conversa alegre, prática que a atualidade não soube como conservar, salvo em eventos assim.
Depois dos cumprimentos e votos de felicidades, sentei-me junto do compadre para trocarmos palavras sem compromisso.
Compreensivelmente, ele logo se lembrou da originalidade e da propriedade com que os miúdos se comunicam. E narrou um caso em que essas características afloraram nas palavras de uma menina de possíveis quatro anos de idade.
Seu neto, então completando três, era fã incondicional do Homem-Aranha, esse super-heroi humano e tão popular, de absoluto sucesso nas telas, que veio ao mundo em quadrinhos, na década de 60, e, portanto, foi personagem nas leituras passadas de muitos avós de hoje.
O petiz escolhera como tema da festinha esse ídolo. O avô soube disso, mas não deixou transparecer que tomara ciência da seleção feita.
Entretanto, idealizou que o herói entrasse em cena durante a festa e operou neste sentido.
Sem ninguém, além dele, saber do plano, pesquisou e contratou um artista que fazia a criatura que, por acidente radioativo com uma aranha que lhe picara, sofreu mutações e ganhou poderes aracnídeos.
No dia da festa, em área externa à casa de lazer da família, com tudo preparado, o avô do aniversariante reúne a meninada e aponta na direção da caixa d’água:
- Olhem quem está ali!
Para o espanto de todos, era o Homem-Aranha. O tema musical começa a ser ouvido em alto e bom som. Alegria e excitação incontidas!
O acrobata, com grande habilidade, põe-se a realizar os saltos e escaladas típicos do original e a galerinha solta gritos, palmas e risos.
Um delírio!
Mas, surpreendentemente, a pequenita de prováveis quatro anos mostra certo medo e se agarra às pernas da mãe.
Contou-me o compadre que notou o desconforto da menininha e a tentativa da mãe em melhorar a isolada situação, ao se chegar a ela e dizer:
- Querida, não se assuste, o Homem-Aranha que você está vendo é de mentira!
E logo, ouviu, uma vozinha sumida e chorosa dizer:
- É, mas eu só gosto de mentira de mentira; eu não gosto de mentira de verdade.
Encontra-se desaparecido em São Rafael, o senhor Raimundo Elino Fonseca, conhecido por Heleno de Pedro Vitor. De acordo com informações de seus familiares, ele saiu de casa por volta das 05 horas da manhã deste domingo (21/09) para caminhar e desapareceu. Ainda de acordo com os familiares, Heleno de Pedro Vitor, que vem passando por um processo de depressão, quando saiu de casa estava usando uma bermuda marrom, uma camisa branca com um desenho preto e calçando sandálias havaianas. Quem tiver alguma informação sobre o seu paradeiro favor entrar em contato com Adelian, Severina ou Aécio pelos fones 8883 7321 e 8741 1038

Da linha do tempo/facebook de Adailton Amorim
 
Descurtir
"Não duvide do valor da vida
da paz
do amor
do prazer de viver
Enfim, de tudo que faz a vida florescer."





quinta-feira, 18 de setembro de 2014

"Para meu coração basta teu peito
para a tua liberdade as minhas asas.
Da minha boca chegará até ao céu
o que dormia sobre a tua alma.
És em ti a ilusão de cada dia
Como o orvalho, tu chegas às corolas,
Minas o horizonte com a tua ausência
Eternamente fuga como a onda.
Eu disse que no vento ias cantando
como os pinheiros e como os mastros.
Como eles tu és alta e taciturna
E ficas logo triste, como uma viagem.
Acolhedora como um velho caminho
Povoam-te ecos e vozes nostálgicas
Eu acordei e às vezes emigram e fogem
pássaros que dormiam em tua alma."
________ Pablo Neruda

Ponte de Sonhos
Curtir

Contagem regressiva para o Natal em Natal

by vivernatal
NATAL EM NATALA Cidade do Sol começa a contagem regressiva para as festividades do tradicional projeto Natal em Natal. Nesta quarta-feira (17), foram confirmados alguns dos shows que vão embalar as noites da capital potiguar pelo Fórum do evento que se reuniu pela primeira vez na manhã de hoje, no Salão Nobre do Palácio Felipe Camarão, com a coordenação do prefeito Carlos Eduardo.
Fagner, Zé Ramalho, Paralamas do Sucesso, Zeca Baleiro e Monobloco são algumas das atrações confirmadas para o projeto que terá início com o Encontro de Violeiros Repentistas, no dia 5 de novembro, no Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte, e encerrará no Carnaval Multicultural 2015, programado para o período de 14 a 17 de fevereiro de 2015.
O secretário municipal de Cultura e presidente da Fundação Cultural Capitania das Artes, Dácio Galvão, fez uma breve explanação do calendário da prefeitura para o evento, apresentando a programação, que não está fechada. Entre os destaques, citou o Festival Literário de Natal (Flin), nos dias 6, 7, 8 e 9 de novembro, no Parque da Cidade; a Festa da Padroeira de Natal Nossa Senhora da Apresentação, no dia 21, na Catedral Metropolitana; Cine Natal, Salão de Artes Visuais, Natal em Cena e a Festa de Santos Reis, de 1° a 6 de janeiro do próximo ano. Dentro da ampla e multifária programação, haverá espaço também para o Festival de Gastronomia, que será realizado na praça Pedro Velho (Praça Cívica), e o Prêmio Hangar de Música.
“O Natal é uma data universal e a nossa cidade tem a feliz coincidência de ter o mesmo nome da celebração. Temos todas as razões para celebrar o Natal. Este ano temos mais condições de um melhor planejamento. Queremos dar mais substância a esse projeto”, afirmou o prefeito Carlos Eduardo. Ele disse ainda que a ideia é atrair as mais diversas matizes culturais da cidade, na busca da excelência.
Diversos secretários municipais participaram da reunião. Conforme o titular da Comunicação Social, Heverton Freitas, será criado um site específico para divulgar o evento, além das redes sociais, propaganda em rádios, TVs e jornais e matérias no site da prefeitura http://www.natal.rn.gov.br
De acordo com o secretário de Serviços Urbanos, Ranieri Barbosa, a cidade ganhará no período quatro fontes luminosas, sendo duas delas na Ladeira do Sol e na Via Costeira, respectivamente. “Será um grande desafio. Eu estou motivado”, ressaltou o gestor.
Eventos vinculados ao esporte também ocorrerão no período natalino, como o Passeio Ciclístico, no dia 21 de dezembro; o Campeonato de Futebol Amador de Bairros e uma caminhada e uma corrida, tendo como local de saída a praça Pedro Velho.
Com a proximidade do evento, as reuniões ocorrerão com mais frequência. No dia 24 deste mês, haverá uma nova rodada de conversas, no auditório da Capitania das Artes, e no dia 1° de outubro, uma mais ampla no Parque da Cidade.
A boa notícia é que antigos parceiros da Prefeitura como a Cosern, Sebrae, Abrasel e o Convention Bureau reafirmaram a parceria. O primeiro encontro do Forum Natal em Natal contou, ainda, com a participação de representantes do trade turístico, do segmento cultural, além de secretários municipais e equipe da Secretaria Municipal de Cultura (Secult).
vivernatal | setembro 17, 2014 às 7:01 pm | Categorias: Uncategorized | URL: http://wp.me/p3bpbB-Je

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Antiquário

Esse oratório foi comprado do coronel Silvestre Veras Barbosa em 1936 que foi de sua falecida mãe.Estima-se que esse oratório tenha aproximadamente 150 anos.Máquina de costura a mão,comprado em 1937. Foto e texto de João Batista.


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Natal será sede do 2º Foto Riografia do Norte

by vivernatal
foto(1117)
A arte de fotografar tem sido valorizada na Cidade do Sol, onde o cenário fotográfico encontra-se em constante movimentação. Depois da semana dedicada ao dia mundial da fotografia, comemorado em 19 de agosto, e do 1º Instameet Natal - encontro dos apaixonados por fotografia e usuários do aplicativo Instagram – realizado no último domingo, Natal será sede agora do 2º Foto Riografia do Norte. Com três dias de palestras, oficinas, workshops, exposições, escambo, feira de equipamento, o evento na capital potiguar pretende ser o maior festival de fotografia do Nordeste.
O encontro pretende reunir um público local, regional e nacional com interesse nas diversas áreas da fotografia, seja ela autoral, fotojornalismo, natureza, publicitária, ou no uso da fotografia como instrumento de inclusão social, oferecendo atividades como, oficinas, palestras, leitura de portfólio, lançamento de livros e exposições para profissionais e amadores.
A 2ª edição do festival “Foto Riografia do Norte” está sendo realizada pela Associação Potiguar de Fotografia (Aphoto) e viabilizada através da Lei Municipal Djalma Maranhão de Incentivo à Cultura e acontecerá entre os dias 16 e 18 de outubro. De acordo com o presidente da Aphoto, o fotógrafo Alex Gurgel, o maior objetivo é promover a fotografia potiguar, inserindo a mesma no circuito regional e nacional, proporcionando o fortalecimento da fotografia Potiguar.
Já estão confirmadas palestras, oficinas e workshops com Miguel Chikaoka, Pablo Pinheiro, João Cruz, Henrique José, Canindé Soares, entre outros nomes da fotografia local e nacional. “Nós temos a pretensão de firmar o festival Foto Riografia do Norte no calendário anual de eventos desse segmento no Brasil, assim como Paraty em Foco e Tiradentes em Cena”, ressaltou o presidente da Aphoto.
vivernatal |

Do bloig:

A segunda Guerra Mundial No Rio Grande do Norte

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Sonhos ...
Sonhos de menino
eu também os tive
era tanto o carinho
que nunca me contive
hoje voltei a ser assim
voltou tudo dentro de mim
sonhos e mais sonhos
de agora e de criança
porque tenho ainda
na lembrança
sem perder a esperança
que o meu sonho será
sempre o sonho maior
de ser a criança
que foi e sou
no meu mundo
 
José Manuel
 
 
 cabe tudo
ate morrer de sonhos
vou onde eles me levarem
avançando ou retrocedendo
sou de sonhos
e com eles crescendo ...
José Manuel
— com Marlene Spinelli.
Foto: Sonhos ...
Sonhos de menino
eu também os tive
era tanto o carinho
que nunca me contive
hoje voltei a ser assim
voltou tudo dentro de mim
sonhos e mais sonhos
de agora e de criança
porque tenho ainda
na lembrança
sem perder a esperança
que o meu sonho será
sempre o sonho maior
de ser a criança
que foi e sou
no meu mundo
cabe tudo
ate morrer de sonhos
vou onde eles me levarem
avançando ou retrocedendo
sou de sonhos
e com eles crescendo ...
José Manuel
16 compartilhamentosCurtir

Sei dos teus novos amores  Tudo timtim por timtim;  Dizes, que tal... e que não;  Eu sei, que tal... e que sim.  Sei que déste aos teus...