segunda-feira, 1 de setembro de 2014

RELEMBRANDO CELSO DA SILVEIRA


Por Fernando Caldas

Celso da Silveira (1929-2004) era poeta, contista, jornalista, escritor consagrado. A sua memória precisa ser mais reverenciada, homenageada principalmente por nós assuenses. Celso, como tantos outros das letras potiguares não pode ficar "para depois, para mais tarde." Celso divulgou o Assu (sua terra natal) através das letras. Na aterra assuense onde foi vereador na década de cinquenta, fundou o jornal Advertência, juntamente com João Marcolino de Vasconcelos, além do primeiro Museu de Arte Popular no Brasil. Deu a sua colaboração literária em diversos jornais do Assu, bem como é autor de uma obra literária grandiosa que dignifica o Assu e engrandece o Rio Grande do Norte.

Autor de dezenas de livros publicados, em 1952 publicou o seu primeiro livro de versos sob o titulo "26 Poemas de Um Menino Grande", que teve a aprovação do grande poeta potiguar João Lins Caldas, e tornou-se popular no jornalismo. Ganhou prêmio como ator no II Festival Nortista de Teatro Amador, realizado em 1956, no Recife, além de ser cursado como intérprete pela Fundação Brasileira de Teatro. Na cidade de Natal onde morava desde os anos cinquenta, realizou "o primeiro espetáculo a céu aberto de Natal, o auto natalino O Caminho da Cruz além da peça Hoje tem Poesia, ambos de Newton Navarro."

Ainda na cidade de Assu (como não podia ser diferente para um jovem boêmio) fundou O Clube do Copo, que tinha como objetivo realizar serestas, tertúlias dançantes para movimentar a cidade. Afinal, ele imortalizou-se como "O Bocageano Potiguar", pelos versos ("ele conhecia o caminho da poesia fescenina") que produzira ao longo de sua existência prazenteira e feliz. 

Faleceu em Natal onde está sepultado. O seu sepultamento naquela capital potiguar ocorreu como teria pedido aos seus familiares e amigos: "sem choro nem vela, sem discurso nem flores."

E os versos daquele poeta humorista, extraído do seu livro intitulado "Peido, o traque - o valor que o peido tem", editado em 2002 pelo Sebo Vermelho, é gracioso. Vamos conferir:

O peido de um general
não pode ser comparado com
O peido de um soldado
Que em tudo é desigual
Tem gente que peida mal,
Há outros que peidam bem
Eu não conheço ninguém
Que ainda não tenha peidado
Mas o povo não tem dado
o valor que o peido tem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário