quinta-feira, 9 de outubro de 2014

RENATO CALDAS - O POETA DAS MELODIAS SELVAGENS
Ivan Pinheiro
RENATO CALDAS - Poeta consagrado. Desenfadado no braço do violão. Projetou-se no cenário cultural e rompeu fronteiras adotando para seus versos, com naturalidade, o gênero matuto. Estilo que lhe rendeu glórias e proporcionou respeito no meio literário, levando o nome da sua terra natal aos mais apartados rincões deste País. 
Nasceu em Assú no dia 08 de outubro de 1902. Filho do Sr. Enéas da Silva Caldas e de D. Neófita de Oliveira Caldas. Aos seis anos estudou as primeiras letras na escola de dona Luíza de França. Quando foi fundado o Grupo Escolar Tenente Coronel José Correia em 1911, lá estava ele, inserido no rol dos alunos pioneiros.
RENATO viveu sua infância consumindo água de cacimba, degustando os apetitosos peixes do Piató, tomando banhos nas águas barrentas do córrego, fabricando seus próprios brinquedos, debulhando milho e feijão nos tradicionais encontros de vizinhos, ouvindo estórias de trancoso, adivinhações... Deleitando as noites estreladas e enluaradas. Numa época em que as crianças reverenciavam os mais velhos.
Talvez tenha sido este contato direto com a pobreza e com a rica natureza do Vale, que fez dele uma figura humana preocupada com a preservação do meio ambiente e com a cultura popular do nosso povo, facilmente identificada em “Fulô do Mato”.
Aos dezoito anos obteve seu primeiro emprego, como tipógrafo, na Tipografia de José Severo de Oliveira, no Assú. Certamente essa foi a grande escola. Daí o seu afeto pelas letras. Posteriormente foi motorista e mensageiro dos correios e telégrafos. Viajou ao Rio de Janeiro e trabalhou como tipógrafo e caixeiro viajante. Por conseguinte, em Santos, novamente atuou como tipógrafo e foi pracista da firma Leite Gasgon.
Ao regressar ao Assú, colaborou em diversos jornais. Por sua conta, resolveu excursionar pelas cidades do interior de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, recitando seus poemas e tocando violão. Tornou-se um Show-Men através de suas Melodias Selvagens.
Boêmio, cantador e inigualável poeta. Namorador de primeira grandeza. Quando a questão era mulher, todo tipo e padrão lhe serviam e a todas prometia: amor eterno e um lugar no coração.
Casou-se no ano de 1939 com D. Fausta da Fonsêca Nobre - musa inspiradora de muitos dos seus poemas. Esposa dedicada, amiga e companheira até à hora do último adeus, ocorrido no dia 26 de outubro de 1991.
Renato Caldas, o poeta de “Fulô do Mato”, “Poesias”, “Meu Rio Grande do Norte” e “Pé de Escada” - esse último em parceria com João Marcolino de Vasconcelos (Lou) . 
“Fulô do Mato” (sua obra prima) é aquela lamparina a iluminar o interior da choupana, enquanto o pobre repousa inquieto, sonhando com a labuta incerta do dia seguinte. É a única luz... É caatinga e várzea, seca e inverno, amanhecer e por-do-sol... Derrama suor e lágrimas. Tem lábios femininos cedentes de beijos... Olhos hipnotizantes. Possui o cheiro do campo e o perfume bom da mulher amada.
No centenário do seu nascimento, no ano de 2002, o então prefeito do Assú, Ronaldo Soares, fez uma parceria com os familiares, a editora Sebo Vermelho e os pesquisadores Ivan Pinheiro e Gilvan Lopes e publicou RENATO CALDAS – O Poeta das Melodias Selvagens, Cartas Para Fausta e Fulô do Mato (fac-scimilar da primeira edição com manuscritos) dando uma importante contribuição para a preservação da memória desse poeta assuense cujo produção literária engrandeceu a cultura potiguar.
De “corpo e alma”, se vivo estivesse, completaria neste dia 08 de outubro, 112 anos. Renato Caldas permanece imortalizado levando a cultural do Assú, do Rio Grande do Norte, do Nordeste e do Brasil para o mundo afora.
Grande poeta. Que sejas sempre feliz ao lado d'Ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário