sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

HOMENAGEM A SOLDADOS MORTOS EM 1929 PELO BANDO DE LAMPIÃO

O evento aconteceu na praça onde fica a Cadeia Pública, local da chacina.
O evento aconteceu na praça onde fica a Cadeia Pública, local da chacina.
A Polícia Militar do Estado da Bahia, em parceria com a Prefeitura Municipal de Queimadas, realizou neste domingo (22 de dezembro de 2014), uma solenidade cívico militar para render homenagens a sete policiais militares executados no ano de 1929 pelo bando do cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva, popularmente conhecido como Lampião. O evento aconteceu na praça onde fica a Cadeia Pública, local da chacina.
No ato, o Comandante Geral da Policia Militar da Bahia, o coronel Alfredo Castro, e o Prefeito Tarcísio de Oliveira, reinauguraram o Destacamento da Policia Militar, batizado com o nome de um dos mártires, Aristides Gabriel de Souza. Após a solenidade, que contou com discursos, resumo histórico e desfile de tropa, a multidão acompanhou as autoridades em cortejo até o Cemitério Municipal, onde, no túmulo dos heróis, havia sido afixada uma placa em memória deles e foram depositadas corbelhas. Em seguida foi executado o toque de silêncio e feitas orações.
IMG-20141222-WA0013
“Um dever que estava em minha consciência, resgatar a história de Queimadas. Sinto-me gratificado”, definiu o coronel Souza Neto, cidadão queimadense e idealizador da homenagem, ao falar de seu sentimento. Em suas palavras, o coronel Castro enalteceu a importância de homenagear os heróis e agradeceu o reconhecimento da sociedade ao sacrifício deles: Aristides Gabriel de Souza, Olímpio B. de Oliveira, José Antonio Nascimento, Inácio Oliveira, Antonio José da Silva, Pedro Antonio da Silva e Justino Nonato da Silva.
IMG-20141222-WA0012
O fato – Na tarde do dia 22 de dezembro de 1922 a cidade de Queimadas foi palco de uma tragédia de grandes proporções. Seguindo sua trajetória errante nos sertões, o bandido Lampião, à frente de um numeroso grupo de cangaceiros, invadiu a sede do município para perpetrar uma das maiores barbaridades de sua história recheada de crimes sanguinários. 
Utilizando-se dos mesmos métodos empregados em centenas de cidades do interior dos sete estados que atormentou durante quase três décadas, Lampião cortou as linhas de transmissão do telégrafo da cidade, único meio de comunicação com o mundo externo à época. A seguir, dirigiu-se à sede do destacamento da Força Pública, atual Polícia Militar da Bahia, situado na Praça da Bandeira, no centro da cidade.
Neste casarão funcionava a cadeia pública, local onde o bando de Lampião matou sete soldados, no dia 22 dezembro de 1922.  (Foto: Google imagens)
Neste casarão funcionava a cadeia pública, local onde o bando de Lampião matou sete soldados, no dia 22 dezembro de 1922. (Foto: Google imagens)
Lá, surpreendeu o efetivo de serviço, libertando os presos e trancafiando os policiais militares. O sargento Evaristo Carlos da Costa, comandante do destacamento, atraído pelo silvo de um apito, expediente utilizado para convocar os policiais militares ao quartel, também foi preso pela quadrilha.
Com a aterrorizada cidade sob seu domínio, Lampião passou a saquear aqueles que possuíam algum recurso financeiro, exigindo quantias pré-estipuladas de acordo com suas próprias impressões. O sargento Evaristo foi colocado entre o bando e obrigado a percorrer as ruas da cidade durante o saque, desarmado, sem chance de esboçar qualquer reação.
No ato, o Comandante Geral da PM, Coronel Alfredo Castro, e o Prefeito Tarcísio de Oliveira reinauguraram o Destacamento da PM.
No ato, o Comandante Geral da PM, Coronel Alfredo Castro, e o Prefeito Tarcísio de Oliveira reinauguraram o Destacamento da PM.
Terminada a operação criminosa, Lampião e seu bando passaram a se dedicar a mais odiosa das ações encetadas naquele fatídico domingo: retornaram ao destacamento, posicionaram-se em frente à sede e retiraram, um a um, os soldados presos. Ao saírem, foram baleados e, com requintes de crueldades, friamente abatidos a golpes de punhal.
policiaishomenageados
Mesmo diante de tão trágicos destinos, registraram-se cenas da mais enraizada coragem, a exemplo do soldado Aristides Gabriel de Souza que desafiou o chefe dos criminosos a encará-lo sem a cobertura dos demais cangaceiros. Por esse ato de bravura, sofreu uma morte mais dolorosa que os outros, sendo executado com redobrada intensidade.
Poupado em razão de um pedido feito a Lampião por uma moradora da cidade, D. Santinha, esposa do coletor federal, Sr. Anfilófio Teixeira, o sargento Evaristo não conseguiu assistir à chacina pedindo para morrer primeiro ou se retirar do local, tendo o líder da súcia lhe ordenado a retirada imediata.
IMG-20141222-WA0014
O pedido de Dona Santinha ao famigerado bandido ocorreu em função da admiração que esta nutria pelo policial, haja vista a identificação positiva que este construiu junto a comunidade.
Encerrado o trucidamento dos policiais militares, Lampião, como prova do seu completo desprezo à vida, ainda permaneceu na cidade até a madrugada, promovendo, inclusive, um baile para o qual forçou o comparecimento de inúmeras famílias, em que pese o estado de choque que tomou conta dos moradores de Queimadas diante dos acontecimentos.
Por fim, abandonou a cidade deixando para trás uma população traumatizada pelas barbaridades presenciadas, profundamente enlutada pelo infeliz destino daqueles que a protegiam.
Redação Notícias de Santaluz | Fotos: Cidicleiton Souza
10370908_584316988381665_2898251308833735232_n (2)
NOMES DOS SETE SOLDADOS ASSASSINADOS POR LAMPIÃO
Do blog: http://tokdehistoria.com.br/, de Rostand Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário