quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

UMA GLOSA DE RENATO CALDAS

Logo que a revista Playboy surgiu nas bancas de revistas no Brasil, no início dos anos setenta, o poeta mulherengo Renato Caldas recebeu um exemplar de presente de certo amigo. Folheando a referida revista, Renato se depara com uma imagem de mulher pelada. Foi o bastante para o velho poeta dizer numa roda de amigos: "Já fui bom nisso!" Horas depois, escreveu a glosa adiante:

Lendo Freud eu descobri
A fábrica de fazer gente.
Fiquei meio desconfiado,
Curioso e até contente.
Essa fábrica de fazer gente
É guardada em segredo.
Do umbigo pra baixo,
Um palmo, do c..
Pra cima três dedos.
Quuem nunca foi lá, quer ir.
Quem já foi, perdeu o medo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário