domingo, 22 de março de 2015

NOTURNO PARA TÂNIA

Se, durante a noite, não sentires, 
Cair sobre a tua face, uma lágrima,
Não, não sou.
Se, durante a noite, não ouvires,
O grito do pássaro pousando em tuas mãos,
Não, não sou.
Mas, se caminhares, pelo invisível,
E vires então o anjo inclinar-se sobre ti,
Sou eu, Tânia, sou eu.

Walflan de Queiroz

Nenhum comentário:

Postar um comentário