segunda-feira, 27 de abril de 2015

ALMA FERIDA

Foge de mim; Não quero ver-te. A vida
Que pesada tornaste, hoje despreza.
Do teu amor a dura natureza
Mais não se volva à página volvida...

Sai. Vai para longe...  A alma ferida,
Que fizeste infeliz, te olha surpresa...
Vai para longe de mim, vai... E’ dura a lida
Que aos ombros me puseste n’esta empresa...

Para longe de mim... Vai para longe...
Que eu aqui fique, solitário monge,
Olhando a triste solidão da vida...

Para longe de mim... que me desterro...
Não me faças sofrer dores de ferro...
Não me toques assim n’esta ferida...

João Lins Caldas
Assu, 1909






Nenhum comentário:

Postar um comentário