sábado, 11 de abril de 2015

Câmera do tamanho de uma pílula pode amenizar os incômodos da colonoscospia Tecnologia utiliza câmera portátil para tirar fotografias de alta velocidade ao longo do trato intestinal



POR O GLOBO
07/02/2014 14:44

Foto: Divulgação/Given Imaging
Equipamento custa cerca de US$ 500 - Divulgação/Given Imaging
PUBLICIDADE

EUA - Uma abordagem mais gentil, mais suave para um dos exames mais temidas da medicina está a caminho. Tratas-se deu uma câmera do tamanho de uma pílula, que vai ajudar os pacientes que têm problemas com colonoscopia.

A câmera - que pode ser ingerida - foi desenvolvida pela empresa israelense “Given Imaging” com o objetivo de ajudar médicos a identificar sinais precoces de câncer no cólon. A “Food and Drug Administration“, órgão que gere os setores de alimentos e saúde nos Estados Unidos, liberou o dispositivo para pacientes que tiveram problemas com o procedimento - que envolve sondagem do intestino grosso com uma pequena câmera embutida em um tubo flexível de quatro metros de comprimento.

A tecnologia, desenvolvida a partir de sistemas de defesa antimísseis, usa uma câmera portátil para tirar fotografias de alta velocidade durante oito horas ao longo do caminho pelo trato intestinal. As imagens são transmitidos a um dispositivo de gravação usado em torno da cintura do paciente e depois analisadas por um médico.

Segundo informações da AP, dados estimam que 750 mil norte-americanos não são capazes de completar o procedimento a cada ano, devido a questões de anatomia, cirurgia anterior ou várias doenças do cólon. O equipamento custa aproximadamente US$ 500 e já foi aprovado em outros 80 países - especialmente na América do Norte e na Europa, além do Japão.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/camera-do-tamanho-de-uma-pilula-pode-amenizar-os-incomodos-da-colonoscospia-11535420#ixzz3X032asDj
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário