sábado, 18 de abril de 2015

UM POEMA DE LÊDO IVO

Valsa Fúnebre de Hermengarda é o titulo de um poema célebre do poeta alagoano Lêdo Ivo (1924-2012). Eu era ainda criança e escutei muitas vezes os boêmios apaixonados do Assu declamar o referenciado poema nos bares e botequins daquela terra assuense. Vamos conferir os versos amorosos fúnebres deste poeta imortal:

Eis-me junto à tua sepultura, Hermengarda.
para chorar a carne pobre e pura que nenhum de nós viu apodrecer.

Outros viriam lúcidos e enlutados,
porém eu venho bêbado, Hermengarda, eu venho bêbado.
E se amanhã encontrarem a cruz de tua cova jogada ao chão
não foi a noite, Hermengarda, nem foi o vento.
Fui eu.

Quis amparar a minha embriaguez à tua cruz
e rolei ao chão onde repousas
coberta de boninas, triste embora.

Eis´me junto à tua cova, Hermengarda,
para chorar o nosso amor de sempre.
Não é a noite, Hermengarda, nem é o vento.
Sou eu.

____________Em, As Imaginações.

(O poema acima também está publicado em A Vida Eterna, de Fernando Savater).



Nenhum comentário:

Postar um comentário