sexta-feira, 12 de junho de 2015

UMA VEZ
Por Virgínia Victorino (1898 - 1967)
Ama-se uma vez só. Mais de um amor
de nada serve e nada o justifica.
Um só amor absolve, santifica.
Quem ama uma só vez ama melhor.
Qualquer pessoa, seja lá quem for,
se uma outra pessoa se dedica,
só com essa ternura será rica
e qualquer outra julgará pior...
há dois amores? Qual é o verdadeiro?
Se há segundo, que é feito do primeiro?
Esta contradição quem foi que fez?
Quem ama assim julga que amou;
mas pode acreditar que se enganou
ou da primeira ou da segunda vez?
________________in, Namorados, 1938


Nenhum comentário:

Postar um comentário