sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Por Cristina Costa

Confesso-me rendida,
adormeço sobre o livro em branco da vida.
Entrego-me como um corpo que se despe se si mesmo,
na esperança que o amanhecer me traga
as palavras novas com que devo me reescrever.

Nenhum comentário:

Postar um comentário