segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Um touro. É o título de um soneto universal, de autoria de João Lins Caldas (poeta potiguar),escrito em 1909, no lugar então denominado Sacramento, atual e próspero município de Ipanguaçu/RN, no instante em que ele, o poeta, presenciava aquele animal sendo tangido por certo marchante (negociante de carne), para o abate, cujos versos, a rádio britânica BBC, salvo engano, na década de trinta ou quarenta, irradiou para o mundo! Vejamos a grandeza do poetar daquele grande bardo do Assu/RN.

Vais morrer, vais morrer... O cepo do marchante
Breve te pesará sobre a cabeça rude...
E tu, pobre animal, sem crime e sem virtude,
Nunca mais hás de ver o teu curral distante.
Jamais hás de provar, num mourejar constante,
Entre vacas e bois, a revelar saúde
Das águas de cristal do mais sereno açude
Ou do verde capim do campo mais fartante.
A tua pobre carne há de servir de pasto...
E quando fores nada, quando fores gasto,
Te resta esse consolo, o consolo dos mortos:
Morreste por servir, alimentando vidas,
Muito franco pesar, muitas dores compridas,
Muitos cegos que vão pelos caminhos tortos...

Postado por Fernando Caldas

Nenhum comentário:

Postar um comentário