quinta-feira, 10 de março de 2016

Aos 96, músico famoso por tocar para Lampião faz 50 shows por ano

O pífeiro Sebastião Biano influenciou músicos como Gilberto Gil e Caetano.
Próxima apresentação do artista será em Ubatuba, litoral de São Paulo.

05/03/2016

Do G1 Vale do Paraíba e Região (*)

Sebastião Biano com seu pífano (Foto: Geórgia Branco/divulgação)O músico Sebastião Biano de 96 anos ao som do seu pífano (Foto: Divulgação/Geórgia Branco)
Famoso por se apresentar para o cangaceiro Lampião quando ainda era criança, o pifeiro Sebastião Biano segue na ativa aos 96 anos. Último remanescente da banda Pífanos de Caruaru, o músico que influenciou artistas famosos como Gilberto Gil e Caetano Veloso faz entre 40 e 50 shows por ano.
Neste sábado (5), Biano se apresenta às 20h no casco acústico do Projeto Tamar, em Ubatuba, litoral norte de São Paulo. O show levará aos palcos o segundo CD do tocador de pífano com o grupo ‘Terno esquenta muié’, com duração de 90 minutos e entrada franca.
Carreira
Nascido em Alagoas, em 1919, Sebastião Biano aprendeu logo aos cinco anos a tocar o instrumento que lhe acompanha por toda carreira: o pífano. Trata-se de uma pequena flauta com um timbre mais intenso e estridente, devido ao seu diâmetro menor. Ainda criança fundou o grupo Pífanos de Caruaru, que era formado por seu pai, tios e irmãos. Entre os grandes sucessos da banda estão ‘Pipoca moderna’ e ‘A briga do cachorro com a onça’.
Sebastião Biano em turnê (Foto: Geórgia Branco/divulgação)Sebastião Biano ao lado dos integrantes do 'terno
esquenta muié' (Foto: Geórgia Branco/divulgação)
Um dos marcos na carreira de Sebastião Biano aconteceu há quase 80 anos. Em 1927, quando tinha oito anos, se apresentou para o cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. “Estávamos em uma igreja no interior de Pernambuco, quando o cangaceiro pediu para meus irmãos e eu tocarmos para ele e seu bando. Todos nós estávamos com muito medo. Como a gente era criança, tocamos com todo cuidado para agradar ao Lampião” lembrou Sebastião Biano.
Após a apresentação, o alívio veio ao saber que Lampião tinha gostado do que ouviu. “Depois que terminamos de fazer nosso som, que foi na verdade o som que Virgulino tinha pedido ficamos bem mais tranquilos, eles até comentaram que nossa apresentação foi boa”, lembrou ainda Biano.
Influência
A banda Pífanos de Caruaru criada pelo artista, influenciou Gilberto Gil e Caetano Veloso no surgimento do movimento da música conhecido como tropicalismo, quando o compositor o conheceu em 1967.
No álbum de Gil ‘Expresso 2222’, da década de 70, a primeira trilha é ‘Pipoca moderna’, música de Sebastião Biano que também foi gravada por Caetano no disco ‘Joia’, em 1975. O grupo recebeu em 2004 o prêmio de Melhor Álbum de música de raízes brasileiras na 5ª edição do Grammy Latino.
Turnê
Atualmente, Biano se envolveu em um novo projeto, e deu início às apresentações com o grupo ‘Terno esquenta muié’, no qual foram feitos dois CDs: o primeiro leva o nome da banda e o segundo chama ‘Chego Já’, lançado em 2015.
(*) colaborou Leonardo Medeiros
Sebastião Biano em turnê (Foto: Geórgia Branco/divulgação)Sebastião Biano em turnê com o 'terno esquenta muié' (Foto: Geórgia Branco/divulgação) http://g1.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário