sábado, 9 de abril de 2016

A PONTE

A ponte vai transpor o rio para o trem de ferro passar carregando as mercadorias.
Passarão os carros de bois
Os automóveis lotados.
Os mendigos que vão dois a dois, os amplos chapéus de abas longas esburacados.
Mata a uma, mata a outra margem do rio.
Adivinhos os veados, as jacutingas engarujadas, pesadas de gordas, pesadas de gordas.
E a irara, o lobo, o coelho, a raposa madraça sob as moitas enjuriabadas.
O chão está toldado de verde.
A prata das águas carreia nas balças
Líquens e algas, de par com peixes de escamas frias.

João Lins Caldas



                                           Ponte sobre o rio PiranhasAçu

Nenhum comentário:

Postar um comentário