quarta-feira, 27 de abril de 2016

POESIA ASSUENSE:


CANDEEIROS

O cheiro de querosene pairava no ar
Sobrevoando por toda casa
Invadindo meu nariz.
A mesa tomada por candeeiros
Formava uma bela imagem.
Os candeeiros eram abastecidos
Como em um ritual
E levados para cada cômodo da casa
Em procissão de luz no andor.
Do alto das paredes a casa iluminava.
Na madrugada a penumbra dos candeeiros
Formavam sombras animadas.
Pelas paredes da casa
A chama do candeeiro
Brigava com a noite.
A primeira luz do dia
Começa a entrar pelo telhado
Clareando os candeeiros
Que teimavam em arder
A última brasa do pavio
Até que o dia amanhecido
Finalmente apaga todas
As sombras dos candeeiros.

Autor: J. A. Simonetti 
Foto ilustrativa: pt.wikipedia.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário