terça-feira, 5 de julho de 2016

]

Certa vez, o poeta Renato Caldas dançava num baile realizado nos arredores da cidade de Assu. Já embriagado, apertava a moça cada vez mais que a dança ia se prolongando. Aquela jovem não suportando mais os apertos daquele poeta boêmio, advertiu de tal modo:

- "Renato. Eu ainda sou moça!"
- "Porque quer, minha filha!" - Retrucou o mulherengo vate assuense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário