domingo, 23 de outubro de 2016

TRANSFIGURAÇÃO

Transfigurei-me
como o mar.
Tenho sal ...
e trago musgos.
Em mim.

Não sou mais
como à noite,
não sou mais
como o vento.
Transfigurei-me
e me tornei
como o rio,
em cujas águas azuladas
contemplo o teu rosto.
Transfigurei-me
E me tornei
como o mar,
me tornei como um pássaro.
Que ti procura,
Todo momento,
Na tempestade.

Walflan de Queiroz, poeta potigua

Nenhum comentário:

Postar um comentário