terça-feira, 18 de abril de 2017

CELSO DA SILVEIRA, CHEIO DE GRAÇA


"Merece também um lugar na imortalidade. Tem todos os méritos. Tem uma obra. Um trabalho digno de respeito. É um escritor, é um poeta, será o que quiser.".

 Dorian Jorge Freire

"Confesso que não sei onde catalogá-lo como poeta ou como boêmio. Se é verdade que nem todo poeta é boêmio, mas todo boêmio é poeta, Celso da Silveira é um misto de poeta e boêmio.". 

Ezequiel Fonseca Filho 

"Inquieto agitador cultural que tão bem soube encantar populares e intelectuais com suas histórias desconcertantes e hilárias.".

Yuno Silva

Celso Dantas da Silveira (1929-2004) era assuense de boa cepa, garboso, bonachão, eloquente, prosador dos melhores. Eu tinha por ele uma grande admiração e simpatia. Sorriso franco, glutão famoso, boêmio.

Celso da Silveira carregava no seu corpo de média estatura pouco mais de cem quilos. Nasceu na aristocrática e poética cidade de Assu num antigo casarão neoclássico, mais habitualmente conhecido como "Castelo", da então Rua das Flores, que também já fora denominada Rua Pedro Amorim, Siqueira Campos e Floriano Peixoto, Das Flores, atual prefeito Manoel Montenegro, onde também nasceu o afamado poeta Renato Caldas .

Celso teve uma vida recheada de felicidades. Era um exímio contador de estórias pitorescas, tiradas de sua criatividade, além da capacidade criadora de outras figuras espirituosas da terra potiguar.

Menino irrequieto, cheio de peripécias e aventuras próprias da idade. Já metido a gente grande, Celso sempre acompanhava seus pais João Celso Filho e dona Maria Leocádia em noites de festas bailes realizadas em Assu. Pois bem, certa vez, num baile de carnaval realizado em certo local improvisado, Celso deu uma escapulida, foi cheirar lança perfume num armazém de compra e venda de algodão, vizinho ao local onde se realizava o baile momesco, da antiga rua São João, Centro da cidade de Assu. João Celso, sentindo falta do menino traquino, foi procurá-lo encontrando-o em porre, entre os fardos de algodão do citado galpão. Alucinado, soltou a frase denunciadora: "Não diga a papai, não!"

Certo dia, Celso fora a um centro espírita em Natal. O médium vidente lhe dirigiu a palavra para lhe fazer  alusão a um espírito de luz que o acompanhava. E Celso então desejou saber daquele médium mais detalhes sobre a predileção daquele espírito para com ele. O médium então expôs o tipo do espírito: "O nome dele é Douglas, é padre, italiano, desencarnou em São Paulo". - Celso não deixou para depois, dizendo assim, com aquela graça que lhe era peculiar: - "Será que esse Douglas é aquele que dirige o meu carro quando estou bêbado?"

Celso teve o privilégio de estudar no Colégio Militar Castelo Branco, da Arquidiocese de Fortaleza, antes no Colégio das Freiras de Assu, e São João, da capital cearense. Tempos depois regressou a cidade do Natal com o objetivo de estudar no Atheneu, da Junqueira Aires, depois voltou a sua terra natal onde lecionar na Escola Normal Regional de Açu e trabalhou num dos cartórios da Comarcada do Assu.  Herdou dos seus ancestrais a arte da prosa e do verso, produzindo uma obra que enriquece as letras, o folclore norte rio-grandense.

Na terra assuense de tantas tradições Celso foi escoteiro, vereador, professor, ator, fundou o Jornal Advertência em parceria com João Marcolino de Vasconcelos, além de fundar o 1º Museu de Arte Popular no Brasil, bem como o Clube do Copo, que tinha a finalidade de realizar saraus, tertúlias literárias e serenatas.

Celso nos idos de cinquenta, deixou a convivência harmoniosa da Fazenda Camelo e Limoeiro, dos verdes carnaubais da sua terra, passando a residir na cidade do Natal, do "Potengi amado", como diz a canção de Othoniel Menezes. Naquela capital bacharelou-se em jornalismo e comunicação Social pela Faculdade de Jornalismo Eloy de Souza, trabalhou e colaborou em diversos jornais de Natal, como Tribuna do Norte e foi repórter da sucursal do Jornal do Commercio, do Recife, bem como foi chefe de gabinete do prefeito Djalma Maranhão.

Conviveu com grandes nomes das letras potiguares como Como João Lins Caldas, Câmara Cascudo (que ele conheceu através do poeta Renato Caldas), Veríssimo de Melo, Manoel Rodrigues de Melo, Sandoval Wanderley, Newton Navarro, Luis Carlos Guimarães, Sanderson Negreiros, Bosco Lopes, Myrian Coeli (com quem contraiu matrimônio), Andíère Abreu, dentre outros da velha e jovem guarda das letras norte-riograndense..

No dizer de Manoel Onofre Junior, Celso "vale por toda uma academia", pois a sua obra é constituída de "26 Poemas de Um Menino Grande", 1952 (seu livro de estreia que mereceu elogio e a influência do grande poeta modernista João Lins Caldas) , "Imagem Virtual", 1961, "Glosa Glosarum", 1979, "O Homem Ri de Graça", 1982, "Salvados do Assu", 1996 (que conta alguns fatos da história da terra assuense, seus casarões e aspectos do Vale do Açu), "Assu, Gente, Natureza, História", 1996, (livro didático), "Peido, o Traque Pum" - O Valor que o Peido Tem", 1989, "Anjos Meus, Aonde Estais", 1996, (que relembra algumas figuras da terra assuense).

É de sua autoria dele, Celso, a seguinte glosa:

O peido de um general
não pode ser comparado com
O peido de um soldado
Que em tudo é desigual
Tem gente que peida mal,
Há outros que peidam bem
Eu não conheço ninguém
Que ainda não tenha peidado
Mas o povo não tem dado
o valor que o peido tem.

 Suas “conversas eram recheadas de muita ironia e humor... Ninguém ficava indiferente a sua presença."
Afinal, numa manhã de domingo, 2 de janeiro de 2005 (ele nasceu no dia 25 de outubro de 1929)  partiu aos 75 anos de idade, para fazer versos e graças lá no céu, deixando o Assu - a terra que ele tanto amou - sem a sua irreverência, sem o seu talento e a sua arte de escrever, que lhe fez ficar conhecido como "O Bocagiano Potiguar", pelas suas glosas irreverentes que sabia produzir a seu modo.

Celso da Silveira está enterrado na cidade do Natal, terra que ele escolheu para viver até morrer. O seu sepultamento ocorreu conforme pedira aos seus familiares: "Sem choro nem vela, sem discursos, nem flores.".

Epitáfio é o título de um dos poemas do grande Celso Dantas da Silveira que eu conheci e convivi na intimidade. Vejamos:

Aqui jaz o poeta
e não o canto
que dele foi deflagrado
como a flecha de um arco.
Em cada intercessão
do trajeto alcançado
inércia e movimento
ganham o mesmo compasso.
Paro e passo, paripassu
o canto e o silêncio
para sempre viajado.

Fernando Caldas

Nenhum comentário:

Postar um comentário