segunda-feira, 30 de novembro de 2009

JOSÉ REGES DE SOUZA, UM BOM AMIGO


A fotografia acima (santinho) é das eleições municipais de 1976. 

José Reges de Souza foi empresário, vereador (presidente da Câmara Municipal do Assu para o biênio 1977-78). Se você não sabia, Seu pai José André de Souza (Zezinho André) foi vice prefeito daquele município eleito nas eleições de 1972. Reges exerceu importantes cargos no governo do estado e na assembléia legislativa onde foi sub-secretário de administração financeira e orçamentária naquele parlamento estaduano, cargo que eu também no tempo que Paulo Montenegro era deputado estadual, cheguei a exercer. Ele foi meu colega na assembléia e amigo desde os tempos de menino na nossa querida cidade de Assu de boas recordações. Em Natal no início da década de setenta Reges foi comentarista esportivo na Rádio Cabugi, daquela capital potiguar. Por sinal um bom comentarista. Atualmente apresenta um importante programa político denominado Registrando, programa de maior audiência da Rádio Princesa do Vale, de Assu.

Tipo alto, magro, bom de copo, fumante inveterado. Há muito tempo que eu desejava dizer alguma coisa sobre ele, regeis. Reges é conhecedor de muitas histórias e estórias  da política assuense que ele guarda "num baú inviolável", desde os tempos em que a política do Assu era praticada com radicalismo tenso e intenso.

Político ainda do tempo da velha ARENA - Aliança Renovadora Nacional, cuja bandeira era empunhada no Rio Grande do Norte pelo velho senador do coração do povo Dinarte de Medeiros Mariz e por Edgard Montenegro no Vale do Açu. Afinal, Reges tem serviços prestados a sua terra natal e a sua gente. Fica, portanto, o registro da minha homenagem a este amigo desde os tempos de menino, juventude e ainda na vida adulta.

Vou ficando por aqui Reges, na minha querida cidade do Natal onde estou radicado. Mas, com os olhos e o coração voltado paro o nosso Assu e o vale. Ou melhor dizendo cuidando da minha pré-candidatura a deputado federal pelo PPS - Partido Popular Socialista, agremiação partidária que eu sou filiado desde os tempos que ajudei a fundar  em Assu, no ano de 2000.

Fernando Caldas



ASSU NOS VERSOS DO SEU POETA MAIOR


Açu, ó terra querida,
Que deu vida à minha vida,
Paz, amor, inspiração;
Por ti, cidade dileta,
Fui um boêmio-poeta...
Que rendosa profissão.

Renato Caldas

domingo, 29 de novembro de 2009

"QUE QUENTURA! QUE MORMAÇO!

Que quentura! Que mormaço!
Grita o povo apavorado:
Vai morrer tudo torrado
Se Deus não meter o braço,
O homem vira bagaço,
Se procurar carne crua...
Porém no meio da rua,
Para provar que não é frouxa
Ou para pegar um trouxa
Vai a mulher andar nua.

Renato Caldas

COSTA LEITÃO NO CRISTO REDENTOR






Para registrar: Arcelino Costa Leitão (que foi um inovador prefeito do Assu - 1953-1958) visitando o Cristo Redentor no Rio de Janeiro. Costa morreu na década de setenta. Um paraibano de São Sebastião do Umbuzeiro, alto sertão paraibano que além de ter sido prefeito de um importante municício como o Assu, chegou até a ser presidente do importante clube futebolístico denominado Fortaleza Futebol Clube. A sua fotogrtafia está na galeria do ex presidentes daquela agremiação cearense. A fotografiia acima ter sido tirada na década de sessenta quando ele era aindado jovem e poderoso quando dirigia a firma algoddoeira de João Câmara na cidade de Assu. 


fernando.caldas@bol.,com.br

sábado, 28 de novembro de 2009

POESIA - DIVA CUNHA



A natalense Diva Cunha além de poeta é também professora de literatura portuguesa. Tem vários livros publicados de sua autoria e de autores potiguares como a antologia sob o títitulo Literatira do Rio Grande do Norte, 2002. No livro intitulado Armadilha de vidro (recentemente publicou Resina) vamos encontrar estes versos conforme ela escreveu numa feliz inspiração:

Um verso me sacode por inteiro
sua agulha me ferroa
latejo na letra escura
grossa como sangue.

fernando.caldas@bol.com.br

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

CEARÁ MIRIM VISTA POR RENATO CALDAS


Capa do livro de Gibson Machado Alves - (fotografia extraída do Orkute de Jadson Queiroz).


Ceará Mirim verdejante,
Disse alguém: maré montante
Dos verdes canaviais,
Sinto daquela cidade
Uma amorgosa saudade,
Que até é doce demais.

Renato Caldas
fernando.caldas@bol.com.br

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

MARCHINHA DA CAMPANHA DE DIX-SEPT ROSADO


A marchinha transcrita abaixo, intitulada Dix-sept Rosado Maia esperança do povo potiguar, empolgou o eleitor norte-riograndense que fez nas eleições de 1950, o jovem  carismático e dinâmico Dix-sept Rosado governador do seu Estado. Aquela marchinha é de autoria do jornalista e compositor de frevos pernambucanos, chamado Antônio Maria também autor da famosa canção Ninguém é de ninguém: Vejamos para o nosso deleite:

Dix-sept Rosado Maia
Esperança do povo potiguar
Dix-sept será eleito
Pela força do voto popular

O Rio Grande do Norte
Agora tem o seu valor
Dix-sept Rosado Maia
Pelo voto será governandor.

Em tempo: Eu tinha vários jingles de sua campanha que eu encontrei na casa onde morou meu avô materno Fernando Tavares - Vem-Vem que sucumbiu com Dix-sept (com quem tinha o prazer de gozar da sua amizade) no desastre aviatório do rio do Sal, em Aracaju, numa manhã de 12 de julho de 1951. O jingle era de rotação 78 e se encontrava há dez anos atrás em perfeito estado de conservação. Pena que se perderam numa mudança. Se não foi a primeira, pelo menos, foi uma das primeiras campanhas políticas realizadas com jingle, no Rio Grande do Norte.

Fernando Caldas

DOIS POETAS DE NOME CALDAS

Por Geise Kelly Teixeira da Silva

Com sua paisagem marcada pelo semi-árido nordestino, com suas várzeas e carnaubais, a cidade do Assu é privilegiada de integrar em sua cultura grandes nomes da literatura potiguar, destacando-se entre eles os poetas João Lins Caldas (1888-1967) e Renato Caldas (1902-1991), notórios por possuírem uma grande bagagem poética que se destaca e se valoriza entre os maiores patamares no âmbito das letras potiguares. Hoje, conhecida remotamente como "Terra dos poetas", Assu preenche de glória por ter em seu patrimônio nomes de poetas como esses, que foram de relevantes contribuição para a nossa cultura regional e que se consagraram esse pequeno pedaço de chão nordestino entre os grandes luminares da nossa literatura norte-rio-grandense.

Apesar de serem da mesma cidade (Assu), um natural e o outro reconhecendo a mesma naturalidade por aqui ter passado a maior parte da sua vida, e possuírem em comum o mesmo sobrenome, mas que não os limitam à laços familiares, Renato Caldas e João Lins Caldas se integram dentre vários fatores e extremos destinos, desde suas origens até o lado excêntrico de cada um. É na diferença de personalidades que vamos encontrar a verdadeira essência desses dois poetas, diferenças que vão se refletir principalmente no estilo poético que cada um possui. Veremos que eles são bastante diferentes, embora possam ter muito em comum.

A ideia de um homem angustiado, recluso e solitário tem na figura de João Lins Caldas sua personificação. Nascido na cidade de Goianinha, mas açuense em sua integridade telúrica, esse poeta da "solidão e da dor", como assim o definem pela expressividade de seus poemas, transmitia em seus versos toda a solidão do universo que sentia, como se extravasasse da alma toda a amargura do mundo. Se amava a poesia, cultivava também a terra que pisava como um todo componente do seu ser. Integrava-se a ela de corpo e alma, transformando a matéria da vida em matéria da poesia, confortantes de sua própria alma. Ao longo de sua breve existência, João Lins Caldas canalizou todas as paixões, ânsias, angustias, ideais e sensações que viu, viveu e sentiu para a sua verve. O mais interessante quando se observa a sua produção poética é a sensibilidade que emana de seus versos, no qual valores intrínsecos e humanos coexistem, conduzidos pela realidade vivenciada por ele. Ler os seus escritos é vivenciar a sua trajetória por meio das sensações que estes produzem. São mensagens sentidamente humanas que nos chegam antes do conhecimento físico do poeta e que estabelecem um diálogo direto com as nuanças da sua quão frágil vida cotidiana. Muito além da mera poetização dos seus sentimentos, seus versos trazem na essência a marca que o meio exterior imprime no interior de um poeta que presenciou e viveu como ninguém a dura vida de um agricultor em sua pequena Frutilândia, que em suas palavras era "o canto do seu silêncio proclamado".

Na trajetória do autor, que preferia transformar a vida em poesia a fazer poesia com a vida, figura numa produção poética ativa. "Perpetrava vinte a trinta sonetos por dia em abas de carteiras de cigarros ou em beiradas de jornais". Apesar da sua vasta produção poética podemos encontrar apenas um recorte de seus poemas, mas a sua autêntica fecundidade não está relacionada ao número de versos publicados, mas à extensão de efeitos que esses foram e ainda são capazes de provocar aos que leem. Toda a sua poesia é um relato de tudo o que viu, viveu e sentiu. Relatos profundos de um mundo que lhe era apresentado como escuro e em desequilíbrio; onde a tristeza e a solidão reinam, onde a vida e a morte encontravam-se perigosamente muito próximas.

Ao contrário de João Lins Caldas, vamos encontrar na figura invulgar de Renato um homem de temperamento expansivo e um grande colecionador de momentos felizes mesmo quando em situações adversas. Assim como era a poesia, a boemia e a cantiga popular também faziam parte de sua vida como todo o componente do seu ser. Coincidindo com a sua irrequieta personalidade, seus poemas refletem a imagem de um poeta boêmio e ousado que sempre esteve acima do cárcere da vida açuense e da opinião alheia. Dessa personalidade indomável, emana uma poesia movida a paixão dos valores nordestinos, onde o poeta faz comoventes evocações de sua terra de origem, em mistura de memória e sentimento telúrico que demonstram o exacerbado amor que tem pelo Assu, sua terra natal. Aos olhos de Tarcísio Gurgel, Renato Caldas tinha uma paisagem, na paixão e até no lado grotesco do seu povo os motivos permanentes de sua poesia, concentrando a sua poética na valorização do regional e representando em uma linguagem "rudimentar" as características de um povo sertanejo.

Não há dúvidas que na personalidade desses poetas, ride um paradoxo que se reflete principalmente no estilo poético de cada um deles: a inegável solidão vivida por João Lins Caldas o tornou um poeta exageradamente melancólico e de uma poesia mórbida, mas exuberante. Em Renato, a boemia e a ousadia refletem em seus versos um homem irreverente cheio de verve e obstinação. Se formos um pouco mais além das diferenças que contrastam a poesia de cada um deles, atentando aos mínimos detalhes, é possível encontrar nelas um ponto em comum que de certa forma os aproximam. Ao mesmo tempo em que lembrava um boêmio cantador em defesa de seus ideais, Renato Caldas escondia também a imagem de um homem sensível e atormentado, dividido entre a ânsia de viver e a morte. Em alguns de seus poemas (os  mais desconhecidos), podemos perceber uma acentuada presença de temas fúnebres e premonitórios, características encontradas principalmente nos poemas de João Lins Caldas. Podemos tomar como exemplo esses versos, onde Renato diz que, "... eu tenho n'alma dobres de finados"/ "a matéria cansou; prevejo o fim". Ainda, em um soneto intitulado Único pedido (1980), o mesmo traça todas as ordenações que quer que lhe façam "quando meu espírito largar/ esta carcaça onde viveu tão só", pedindo que "atirem-me, por favor, em alto mar/ faço questão de regressar ao pó", insistindo na percepção de seu fim.

Seguindo esse prisma, a verve de Renato Caldas não deixa de se equiparar a de João Lins Caldas, é claro que devemos considerar que tais temas encontram-se em maior constância nos poemas deste último, por ter sido ele um poeta fortemente marcado pela dor e solidão. No caso de Renato pode-se dizer que, a presença desses temas deve-se a deficiência visual que o cegara quando em vida, mas que se tornam imperceptíveis e até desconhecei dos por nós, pelo fato deste se destacar pelo seu lado humorístico e obstinado em sua linguagem matuta.

Com a publicação de seu livro em 1984, Fulô do mato, Renato realiza um sonho que João Lins Caldas não conseguiu realizar, publicar suas obras e consagrar-se entre os grandes luminares da poesia popular nacional. No entanto, mesmo não realizando suas aspirações, João Lins Caldas não se tornou desconhecido no âmbito das letras potiguares. Teve muito de seus poemas perdidos, poemas estes que poderiam ter alcançados horizontes mais largos, e não chegou a publicar em vida obra alguma, mas, mesmo ante os descaminhos de sua antologia, Celso da Silveira, também poeta, conseguiu, no que lhe foi possível, reunir em um "pequeno" livro intitulado Poética (1975) alguns dos poucos poemas que restaram de João Lins Caldas, não o melhor da sua poesia, mas o bastante para notificar a existência de um grande poeta. Graças a Celso tivemos a oportunidade de conhecer alguns desses poemas, que já estavam quase no anonimato, mas que, hoje são conhecidos e valorizados pelo maravilhoso efeito que causaram seus admiradores inatos.

Ao cruzar a linha entre criatividade e sensibilidade, esses dois poetas acabaram deixando um legado riquíssimo tanto para a poesia açuense quanto para a literatura potiguar. Renato Caldas é hoje um dos ícones mais populares entre os luminares da poesia matuta no Rio Grande do Norte. Sua figura é sempre lembrada, especialmente por sua vida boemia e agitada, dedicada à poesia e a valores de sua origem. Já João Lins Caldas, não é tão conhecido e sua verve ainda não foi devidamente estudada como o poeta merece, mas este foi um homem que esteve muito acima do momento que passa, e conscientemente esperou a sua permanência no tempo, afirmando altivamente e sem medo a seguinte frase: Mas o homem é um clarão. Eu serei um clarão por toda a eternidade. Paradoxo à parte, não podemos negar que ambos escreveram poemas da melhor qualidade e de um esplendor incomparável, que podem não se aproximarem exatamente quanto ao estilo e a temática, mas, certamente em qualidade estes se igualam.


segunda-feira, 23 de novembro de 2009

ANTIGA CADERNETA DE DEPOSITOS DO BANCO DO BRASIL

Antiga caderneta de deposito (conta corrente) do Banco do Brasil S.A. A caderneta (agência de Assu-RN) imagem abaixo, é data de 1952 e pertence a Edmilson Lins Caldas (pai do editor deste blog). Fica o registro.

sábado, 21 de novembro de 2009

"MULHER POTIGUAR DE BARBA E BIGODE"




Clique na imagem para visualizar melhor.

Matéria publicada no começo dos anos sessenta na Revista O Cruzeiro (coluna Flagrantes), do Rio de Janeiro. A fotografia é de autoria do fotógrafo assuense Demostenes Amorim.

fernando.caldas@bol.com.br
84.99913671 

DEU NO BLOG DE ALUÍZIO LACERDA





Não se benzam, não digam figa, nem excluam o informe: da esquerda para direita, estão os blogueiros Nelson Dantas, Fernando Caldas (Fanfa) e juscelino FranÇa.
Tanto Juscelino quanto Fanfa, estão sendo assediados por partidos nanicos para disputarem o pleito de 2010.
Juscelino França, disputará a assembléia legislativa pelo PHS, tem encontro marcado com a cúpula do partido nesta segunda feira no gabinete do vereador Maurício Gurgel para avaliarem com o blogueiro as possibilidades.
Conforme havia noticiado anteriormente, Fanfa voa mais alto, disputará, salve engano pela sigla do PSC uma vaga para deputação federal.
Nada é tão impossível assim, mas adiante da fragilidade de opções neste ubérrimo vale, a ousadia, a aventura dos contemporâneos tem o seu lado positivo.
O povo faz do voto o que deseja; quem sabe se não chegou a vez de protestar a frouxura das grandes influências que ao longo do tempo entregaram o Vale ao ostracismo, vivendo um tremendo marasmo por falta de representatividade política.
Pra falar em partido nanico. o PHS não é tão pequeno assim, possui acento na assembléia legislativa com a presença do seu presidente estadual Arlindo Dantas e ainda tem algumas representatividades nos diversos legislativos municipais.


(Matéria publicado nos conceituados blogues do Vale do Assu, como Blog de Aluízio Lacerda e Blog de Juscelino França).

Em tempo: Fernando Caldas (Fanfa) é filiado ao PPS e não ao PSC conforme noticia a matéria acima.

84.99913671

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

LATA VELHA

Conta-se que um certo cidadão de Caicó (RN) chamado Chaguinha Peixoto, muito conhecido naquela terra seridoense, era possuidor de uma velha camionete e, se encontrava com dificuldade de vendê-la em razão do seu estado de conservação. Apesar dos vários anúncios que colocara em jornais e em locais daquela cidade, sem sucesso, resolveu colocar um cartaz escrito em letras vivas e garrafais no para brisa trazeiro do referido veículo que dizia assim: "VENDO ESSA BOSTA". Pois bem, como tudo tem seu dono, Chaguinha certo dia desses quente de Caicó, se encontrava abastecendo a sua camioneta e, de repente recebeu a a agradável surpresa: "Diga aí amigo, quanto custo essa bosta?" Perguntou um ceto senhor ricão da cidade. Ele, Chaguinha, em tom de brincadeira, respondeu: "Olhe o respeito". Aquele senhor insistiu: "Vai logo rapaz, quanto custa essa camioneta?" Peixoto disse o valor e, ligeirinho recebeu o cheque como pagamento da sua mercadoria. Chaguinha desceu do carro e tratou logo de entregar o documento de propriedade do veículo e providenciar a retirada do cartaz de propagando quando, novamente recebeu oa surpresa: "Não, meu amigo, pode deixar o cartaz ai mesmo. Eu só comprei porisso". Chaguinha em voz baixa resmungou: "Ah, se eu soubesse". Com certeza o preço da camionete teria sido outro.

84.99913671

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

REVISTA FON-FON


A Revista Fon-Fon era uma importante revista do país, fundada em 1907 pelo célebre escritor Gonzaga Duque que publicava os costumes e notícias do cotdiano. Circulou até o ano de 1958. Naquele revista o poeta potiguar do Assu João Lins Caldas publicou alguns dos seus escritos no tempo em que morou no Rio de Janeiro onde conviveu com célebre escritores que frequenta a livraria GArnier, na rua do Ouvida daquela capital carioca.

fernando.caldas@bol.com.br
84.99913671

terça-feira, 17 de novembro de 2009

ARNÓBIO, UM AMIGO FELIZ

AGNELO ALVES
JORNALISTA


Natal/Parnamirim - Talvez eu não tenha sido um dos amigos próximos de Arnóbio Abreu. Mas sempre que nos encontravamos era como se fôssemos amigos, irmãos, camaradas, de velhos tempos, de todas as confidências, de planos comuns, partilhados na exucução e nos resultados. No entanto, não éramos assim. Não por conta dele, Arnóbio. Um tanto por conta do meu temperamento, sei lá não tão afável quanto o dele, parecendo que tinha sempre algo a comemorar todos os dias, a toda hora, com todos os amigos.
Chegamos juntos segunda feira passada em Brasília, procedentes do Rio de Janeiro, passageiros do mesmo avião, Arnóbio, Frederico Rosado, Francisco José e eu. Mas só nos vimos no aeroporto, após o desembarque. Uma festa, os cumprimentos, parecendo até que não nos víamos há muito tempo e estivéssemos nos encontrando em terra estranha, quando havíamos estado juntos dois dias antes no Rio de Janeiro num acontecimento comemorativo a convite de outro bom e querido amigo comum, Múcio Sá.
Do aeroporto ao hotel, onde moro em Brasília, pensei, numa conversa silenciosa comigo mesmo, "um bom amigo esse Arnóbio Abreu. Preciso me aproximar mais dele". Um pensamento, digamos, sem ter muito como me pegar. "Ah, vou convidá-lo, mo Francisco José e o Frederico Rosado para jantarmos hoje". Outro compromisso surgiu. Não tive como me desvencilhar. Mas assumi comigo mesmo o compromisso de no dia seguinte procurar os dois amigos, Arnóbio e Frederico, para almoçarmos, batermos um papo, jogarrmos comversa fora, algo assim sem eira nem beira. Só para conversarmos.
Não foi preciso tornar a iniciativa. Minutos após chegar ao Senado, Arnóbio, Frederico e Francisco chegaram ao meu gabinete no Senado. Puxo pela memória. Parece que estou vendo, ouvindo, falando. Passamos como que uma "revista" nas coisas, nos fatos, nos atos e nas pessoas. Conversa descontraída, solta. Num relance, percebi que Arnóbio estava com a cor algo diferente, sei lá, meio cinzenta. Perguntei sobre. "Nada", não me dou bem com o clima de Brasília. Fico cansado sem ter nem pra quê", respondeu.
A vida é assim. A gente pensa como que procurando uma explicação para a morte. Graças a Deus, Ele guardou para si esse segredo, nos poupando a todos, seus fiéis, de sabermos o dia e a hora de dizermos adeus ou mesmo até logo. Estou escrevendo algo machucado. Dolorido. Com uma sensação de perda. Um amigo que nunca foi tão próximo que surgrisse uma intimidade. Também não tão distante que nos impedisse de festejarmos todas às vezes que nos encontrávamos. Ele mais expansivo. Eu mais retraído. Ele, Arnóbio, um festeiro permanente, tempo integral, sem perda da seriedade.
Um bom amigo, Arnóbio Abreu, que a gente só descobre depois que ele partiu de vez, embora todas as vezes que nos despedimos, ficava sempre a sensação em mim, da alegria que fazia inundar em todos os instantes. Partiu sem nenhuma palavra de adeus. Talvez para que guardássemos dele a lembrança alegre de todos os reencontros.

(Transcrito do jornal Tribuna do Norte, de Natal, edição de 27.2.00).

84.99913671

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

MATRIZ DE ASSU NA DÉCADA DE SETENTA



A igreja Matriz de São João Batista, de Assu vista de dentro da Casa Paroquial, ainda no tempo da antiga praça Getúlio Vargas, quando existia ainda uma quadrinha de futeboal de salão.A foto é da década de setenta.

fernandoc.caldas@bol.com.br
84.99913671

DEZ CONCEITOS DE JOÃO LINS CALDAS



No corpo humano existe uma sentelha: é a alma. Na alma há um espelho: - é a consciência. Na consciência ha uma espada: - é a justiça.

Vencer o coração é a maior das forças; domar a razão, a maior das loucuras.

O remorso é o mais ferino dos punhais. Tortura mil vezes para matar uma vez.

A ilusão se alimenta de vôos.

Há um monstro sem cabeça: - é a ingratidão.

A amizade é a cartilha do sentimento.

O amor tem duas faces: uma é louca  e outra é cega.

No homem há um farol: é o perdão.

A primeira ilusão é branca; as outras tem muitas cores.


fernando.caldas@bol.com.br
84.99913671

NOTA DE AGRADECIEMNTO


Desejo agradecer as centenas de  manifetações de incetivo e apoio a minha pré-canditatura a deputado federal pelo Rio Grande do Norte (pelo PPS - Partido Popular Socialista), através de comentários neste blog (organizado pela minha pessoa) e de tantos outros da terra norte-riogrande, além dos sites de relacionamento como Orkut, Facebook, Sonico, berm como nos encontros nas ruas com amigos e conterrâneos do Vale do Assu, minha região querida. Vamos em marcha na retomada do seu desenvolvimento.

fernando.caldas@bol.com.br
84.99913671

domingo, 15 de novembro de 2009

HOSPITAL DO AÇU


O Hospital do Açu foi uma luta incansável do médico Ezequiel Fonseca Filho e Dom Eliseu Simôes Mendes (que foi bispo na década de cinquenta e começo de setenta) da Diocese de Mossoró. A edificação daquela casa hospitalar contou também com a generosa participação do assuense professor Luiz Antônio que foi um dos fundadores da Liga Contra o Câncer, em Natal.

fernandocaldas,blogspot.com
84.99913671


sábado, 14 de novembro de 2009

CHARGE


Charge: Blog de Mary

fernando.caldas.bol.com.br
84.99913671

UM POEMA SATÍRICO

O poeta assuense Sandoval Wanderley escrevia versos satirizando a classe política. Escrevia no jornal político, oposicionista, intitulado "A Opinião", de Natal. Nas suas produções publicadas naquele jornal ele escrevia usando o pseudônimo "Zezé da Roça". Pois bem, quando Ferreira Chaves terminava o mandato de governador do Rio Grande do Norte, em 1920, Sandoval satirizou assim:

Poucas horas me restam de Poder!
Meu ostracismo vem se aproximando...
Ai que saudades eu começo a ter
Dos seis anos que vinha governando.

Adeus, "Vila" adorada.
Minha doce morada
Onde a existência me sorriu fagueira!
Adeus, Compadre Horácio,
Adeus, Palácio,
Que nas horas do meu expediente
Enchia-se de gente
A pegar-me no bico da chaleira...

O sol de minha glória já descamba...
Os que me cercam são da corda bamba,
Oh quanto isso me dói!
Longe, vão ser meus dias bem cruéis...
Adeus, Henrique, Luis Júlio, Elói,
Adeus, Moisés!...

Adeus, bonde, automóvel, carruagem,
Minha querida Estrada de Rodagem,
Deixar-te, quanto sinto!
Adeus Ivo, Petró, Bruno Pereira,
Manoel Dantas, Gonzaga, Dr. Meira.
Adeus, Zé Pinto...

Adeus, caro Anfilóquio, Kerginaldo,
Tesouro que me deste tanto saldo,
Para mim sempre bom.
Adeus José Augusto, Juvenal,
Hemetério, Tetró, Chico Sobral,
Adeus, Pedro Odilon...

Vou a caminho de um eterno exílio
Carpirr a lei fatal do meu destino...
Adeus, Maurício Freire, adeus Virgílio
Eu parto, eu gemo, eu morro, ou fico mudo,
Adeus Cascudo!
Adeus Galdino!

Adeus Asilo de Mendicidade
Detenção, Hospital de Caridade,
Melhoramentos meus"
Uma tristeza em meu peito atroz se expande,
Já não governo mais o Rio Grande,
Adeus, Natal, Adeus!

blogdofernandocaldas.blogspot.com
84.99913671

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

SEXO NA JANELA



Toda tarde ela e ele
Se encontrava na janela.
Ela pegando na dele
Ele pegando na dela.

Evaristo de Souza
(Poeta Potiguar).

fernando.caldas@bol.com.br
84.99913671

LUZ ELÉTRICA NO ASSU

Registra Celso da Silveira que em 18 de março de 1923 foi lançado o edital de concorrênia para fornecimento de luz elétrica à cidade, pública e particular. Exigia lâmpadas de filamento metálico de 32 velas (para luz pública) e determinava as praças, ruas e travessas a serem servidas de ilumunação: Praça da Proclamação e Pedro Velho, rua Macapá, São Paulo, dr. Pedro Amorim, da Caridade, de Hortas, do Córrego, Augusto Severo. Frei Miguelinho e Travessa União.

Em tempo: A rua Macapá é a atual Ulisses Caldas, rua São Paulo é a atual Minervino Wanderley, rua de Hortas e a atual Moisés Soares, todas no Centro da cidade.

fernando.caldas@bol.com.br

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

GETÚLIO MOURA, O POETA FOTÓGRAFO


A bela fotografia acima (tirada nas salinas de Macau-RN) é produção do poeta fotógrafo macauense Getúlio Moura. Com aquele trabalho ele ganhou o primeiro lugar do Concurso de Prata da Casa 2009, realizado pela PETROBRAS, no Rio de Janeiro. Naquela bela produção de Getúlio cabe um belo poema do poeta maior de sua terra natal chamado Edinor Avelino que numa feliz inspiração, escreveu o belo poema intitulado "Macau". Vamos conferir:

A minha terra, calma e boa, trago-a nas cismas de saudade em que ando atento,
contemplando-a  com os olhos cheios d´água.
nos grande vôos do meu pensamento
É das mais ricas terras pequeninas.
Apraz-me repetir, quando converso,
passui alvas e esplêndidas salinas,
as melhores salinas do universo.

O GRANDE CELSO DA SILVEIRA

O poeta, escritor, jornalista, teatrólogo, ator, correspondente de importantes jornais do país como o Jornal do Commercio, do Recife, chamado Celso da Silveira, já falecido, merece ser mais lembrado pelos seus conterrâneos, principalmente pelo poder público da sua terra natal que ele tanto amou e divulgou por aí afora. Celso era desses colecionadores de peças antigas, bem como conservava guardados em caixas, malas e pastas tudo sobre a terra potiguar, principalmente sobre o Assu e sua gente a literatura e etc. Na cidade de Assu, sua terra natal ele fundou o primeiro Museu de Arte Popular, do Brasil. Afinal, Celso era muito mais do que isso, era "uma academia" literária. Aquele que fosse visitá-lo em sua casa da Alexandrino de Alencar, em Natal, logo deparava-se com um verdadeiro museu. Certa vez, estando em sua casa, me externou que se o Assu tivesse um museu ou uma instituição cultural de credibilidade doaria com prazer todo aquele seu acervo. Pena que não veio a acontecer. Uma grande perda para a terra assuense.

O antologista Ezequiel Fonseca Filho, no seu livro intitulado "Poetas e Boêmios do Assu, 1984, depõe sobre Celso dizendo que "não sei onde catalogá-lo como poeta ou como boêmio. Se é verdade que nem todo poeta é boêmio, mas todo boêmio é poeta, Celso da Silveira é um misto de poeta e boêmio."

O seu livro de estréia intitula-se "26 Poemas de Um Menino Grande", 1952, onde vamos encontrar os versos que ele escreveu com indignação, conforme transcrito adiante:

Se vejo a minha cidade
vejo placas nas ruas
com nome de gente
e não me ufano...
Rua Siqueira Campos,
Rua Deodoro
Rua Floriano!...

Por que puseram estes nomes nas ruas de minha cidade?
Antigamente não havia placas mas as ruas tinham
os seus nomes e eram conhecidas...

Beco do Padre,
Beco do Cemitério,
Beco de Nila
Beco de Abdias,
(Onde era proibido transitar com animais por aqui)

Se eu fosse julgar os responsáveis pela mudança
dos nomes das ruas de minha cidade,
Minha setençã seria inapelável:
- Culpados!
Ou, então: Se eu fosse menino
- Dono das ruas e da cidade também
quebrava tudo o quanto é de placa
de baladeira,
Com as pedras das ruas
que estão solidárias comigo, eu sei!

Só porque não me consultaram, as ruas
perderam os seus nomes bonitos e o prestígio,
e a cidade a sua tradição!...

Desconjuro quem mudou o nome da rua
onde morava minha ama!...



quarta-feira, 11 de novembro de 2009

ENTARDECER NA LAGOA DO PIATÓ (ASSU-RN)


fernando.caldas@bo.com.br

UM VERSO DE DIVA CUNHA


Diva Cunha é uma revelação na poesia do Rio Grande do Norte. Posteriormente vou postar mais um pouco sobre essa artifice que engrandense as letras potiguares. Vejamos uma produção desta grande poeta natalense, que diz assim:

Um verso me sacode por inteiro
sua agulha me ferroa
na letra escura

fernando.caldas@bol.com.br

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

REVISTA CARETA


"Careta", importante revista humoristica brasileira que circulou entre 1908 a 1960. Entre as distantes décadas de dez., vinte e até o começo da de trinta, o poeta assuense João Lins Caldas no tempo em que ele morava entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, colaborou com seus escritos literários.

blogdofernandocaldas.blogspot.com

VAQUEJADA - PARQUE SANTA MARIA


fernando.caldas@bol.com.br

CESA


fernando.caldas@bol.com.br

IPANGUAÇU NAS LETRAS POTIGUARES

Ipanguaçu está nas letras potiguares através do seu poeta maior chamado José Coriolano Ribeiro. Ele está antologiado por Rômulo Wanderley, na sua antologia intitulada "Panorama da Poesia Norte-Rio-grandense", 1965. Breve vou postar neste blog um pouco da sua obra, das produções daquele bardo boêmio, já falecido. Mas em Ipanguaçu existe outros poetas como, por exemplo, Wiliame Lins Caldas que um dia, numa feliz inspiração, escreveu o soneto intitulado Assim eu te vejo:

Te vejo como um pássaro que voa
Tão alto que não posso alcançar.
E fico te olhando, assim a toa
E como é lindo o teu voar.

Te acompanho com o pensamento
Meu coração, se tivesse asas, poderia voar.
Você passa tão depressa. levada pelo vento
Levando também o meu olhar...

Como uma planta que nasce
E precisa ser regada, cuidada...
Assim eu te vejo.

E como uma flor que abre
E o beija-flor, cedinho vem beijá-la
Pra matar o seu desejo...

sábado, 7 de novembro de 2009

ELEIÇÃO PELA DIREÇÃO DO COLÉGIO JK DE ASSU



blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

NOTA


Em 2010 quero ser deputado federal! Ora, não tem um Maia, um Alves na Câmara Federal representando o Rio Grande do Norte? Por que não pode ter um da Silva, um Caldas naquele parlamento? O importante é ter sobretudo espírito público. Afinal, conheço os problemas do meu estado e do meu país. O Vale do Assu é uma região importante, não pode ficar somente sob a sombra das antigas glórias, não! É preciso se fortalecer, ter prestígio político e retomar o desenvolvimento do Vale do Assu. Para isso, basta ter representantes filhos daquela própria região na Assembléia Estadual e na baixa Câmara do País.Afinal "Vale ou não vale, o Vale"?

fernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernandocaldas@bol.com.br

CAFÉ FILHO EM MOSSORÓ

Clique na imagem para ampliar.

Em 1945, o deputado federal Café Filho esteve em Mossoró em campanha para deputado federal. A fotografia fora tirada por ocasião de um comício realizado naquela terra do oeste potiguar. Ao lado direito de Café (discursando), o comerciante assuense Fernando Tavares (Vem-Vem) que tinha amizade com aquele parlamentar natalense, através de Dix-Sept Rosado e do também comerciante em Natal, o assuense Bilé Soares que, através de Café chegou a assumir a superintendência da Caixa Econômica de Natal, na década de cinquenta.

blogdofernandocaldas.blogspot.com

CAFÉ FILHO


"Sem saber, em pleno sono, tornara-me eu presidente da República, dentro de um drama sem precedente no país."

(Disse Café filho, único potiguar a assumir a presidêrncia da República entre 1954-55).

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernandocaldas@bol.com.br

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

ASSU ANTIGO


Sobrado da antiga praça Pedro Velho conhecido como Sobrado de Manuel Cabral, ainda hoje existente. Atualmente (no térreo) funciona a casa comercial denominada Bethes Boutique (de propriedade do casal Elizabethe e Astênio Tinôco). No alto daquela centenária edificação era instalado a Prefeitura Municipal. Serviu também de clube social na década de cinquenta. No térreo era instalado também a Casa Nova, de propriedade de Manuel Clemente. A foto é provavelmente do final da décade de cinquenta. Clique na fotografia para melhor visualizar. A foto é acervo de Juldenir Varela.

blogdofernandocaldas.blogspot.com

ASSU ANTIGO

 
Antigo Matadouro Municipal. Clique na imagem para ampliar.

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

ASSU ANTIGO


quinta-feira, 5 de novembro de 2009

DE LOURINALDO

Lourinaldo Soares foi prefeito do Assu no início da década de noventa. Gosta de tomar "umas e outras" que niguém é de ferro. Pois bem, certa vez, bebendo num restaurante da cidade de Assu, já muito "alto" foi ao banheiro. Ao se aproximar do toalete femenino uma "bicha" escandalosa integrante do movimento "gay" daquela terra pluralista, que se encontrava naquele recinto. advirtiu o ex-prefeito: "Seu Lourinaldo, esse aí é pra mulher!" Lourinaldo foi rápido no gatilho, virou-se e apontou com o dedo indicador para "as partes", dizendo: "Aqui também é!"

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

GATO NO POTE


É uma tradição muita antiga que ainda se pratica no interior do Nordeste. A meninada é presença certa naquela brincadeira, alguns para participar e outros par assistir como podemos conferir na fotografia acima.Pois bem, coloca-se um gato dentro de um pote de barro pendurado numa espécie de trave de futebol (ver foto acima). Naquele que participar é colocado uma venda, entregue um pedaço de pau e, no participante se dar várias rodadas no seu corpo para desnorteá-lo. Quebrado o poeta. o gato corre em disparada com "uma notona de dinheiro e todos correm atrás do pobre bicho para tirá-lhe este prêmio". E a risadeira é geral.

blogdofernandocaldas.blogspot.com

terça-feira, 3 de novembro de 2009

TROVINHA POPULAR

"Adão foi feito de barro
Distinto me dê um cigarro"

E o outro se desculpa assim:

"De barro foi feito Adão
Amigo, não tenho não".

(Autor desconhecido).

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

RICARDO CHAVES LANÇOU NOVO DVD


O cantor baiano Ricardo Chaves lançou no último dia 29, no Natal Shopping, o DVD intitulado "Um Estado de Espírito". O referenciado DVD é uma homenagem ao Carnatal, evento que segundo aquele artífice da canção popular brasileira (que pucha o bloco "O Bicho") é a sua festa preferida para se apresentar. Na fotografia, Ricardo Chaves autografando o DVD para a estudante, sua fã Mariana Caldas, filha do organizador deste blog.

blogdofernandocaldas.blogspot.com

domingo, 1 de novembro de 2009


blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

CEARÁ MIRIM


Fotografia do Blog de Jadson Queirós.

Ceará Mirim verdejante,
Disse alguém: maré montante
Dos verdes canaviais,
Sinto daquela cidade
Uma amargosa saudade,
Que até é doce demais.

Renato Caldas

blogdofernandocaldas.blogspot.com
fernando.caldas@bol.com.br

Sei dos teus novos amores  Tudo timtim por timtim;  Dizes, que tal... e que não;  Eu sei, que tal... e que sim.  Sei que déste aos teus...