terça-feira, 16 de julho de 2024

 




Daniel Soares  

Minha casa não tinha geladeira
E nem moveis e nem energia
Mas tinha um pote de água fria
Em uma forquilha de aroeira
Tinha os copos numa copeira
E tinha as roupas de nós andar
E o guarda-roupa de guardar
Era os ganchos de um canbito
O meu passado não foi bonito
Más tenho prazer de recordar.

Por Renato Caldas, poeta popular, potiguar do Assu
Era o finá da cuiêta...
Disso, inda tô bem lembrado.
As salina parecia,
Arguns pedaços de dia,
Qui a noite tinha rôbado.
Aquela noite bonita,
Qui se tornô tão mardita,
Qui me faz tão desgraçado.
Naquela noite de lua:
- Deus num me castigue não -
Mais ante, eu ficasse mudo,
Ficasse cêgo de tudo,
Pra num sê tão bestaião,
De cantá praquela ingrata,
Naquela noite de prata
"O Luá do meu Sertão".
Naquela noite, Seu môço...
Seu Môço, naquela noite;
Mais ante eu bebesse o fé,
Sofresse dores crué,
Levasse os quarenta açoite,
Fosse pregado na cruz,
Sofresse mais que Jesus,
Morresse naquela noite.

Se a água tivesse vida

Imagine a minha mágoa

Você no banho despida...

Ai quem me dera ser água!





sábado, 13 de julho de 2024

 O SOMBRA

 
Esse homem infeliz e sacrificado,                     
Os dias de sol que passaram sobre a sua cabeça,
As noites de chuva e tempestade,
As suas horas de esperança,
As suas horas de desespero,
Onde está ele, onde estão dele todas as suas tempestades?
 
O coração que lhe pulsa acelerado
De sangue, veia e veia, do seu corpo,
Seus nervos retorcidos, abalados,
Grisalho o seu cabelo, o olhar na noite,
A noite na sua alma, demorada,
Onde estão ele, a tempestade e a noite?
 
Sonâmbulos os passos, carregados,
Algidas as mãos de trémula brancura,
Tudo nele a sombria claridade..
 
Vejo, com vê-lo, nada ver no mundo.
Vejo, com vê-lo, já não ver mais nada.
 
Esse homem que se abriu um sepulcro no mundo.

(João Lins Caldas)
 

A foto digitalizada, restaurada e com o aspecto original dessa imagem faz parte do acervo do Projeto Memória Potiguar, um repositório digital com mais de 50 mil itens entre fotos, vídeos e documentos das 167 cidades do RN, reunidos ao longo de 25 anos e que estará disponível em breve de forma virtual e gratuita no site www.memoriapotiguar.com.br.




 


sexta-feira, 12 de julho de 2024

FAMÍLIA LINS CALDAS- ORIGENS

O “começo” está próximo, em torno, faz parte das escolhas, da consciência, dos desejos, das possibilidades e visibilidades: é uma armadilha conhecida. A “origem” não nos cabe, nos antecede, nos determina, nos condiciona, nos embala, justifica e engana: a nós somente sofrê-la ou combatê-la quando e onde seja possível. Aparece com nosso nome, nosso rosto, nossos gestos, nossa palavra, nossas ações e desejos, mas são vestígios, fantasmas, sobrevivências, propagações, intumescências, tumores, fósseis. Torna consciência o que é esquecimento, corpo o que é repetição, gramática o que é genético.

Minha família se divide em cinco segmentos. A primeira, os Lins; a segunda os Caldas, a terceira os Lins Caldas, a quarta os Guimarães Peixoto e a quinta os Gonçalves. Os Lins da Alemanha, os Caldas e os Guimarães Peixoto de Portugal, os Lins Caldas de Pernambuco e os Gonçalves do grande sertão.

Os Lins, família que desce até 1300 com o primeiro que deixou rastro, Heins Lins, passando por Albercht Lins, Johann Lins, Conrad Lins von Dorndorf, Zimprecht Lins e Sebald Lins/1508-1597, que foi pai de Cristóvão Lins (1529-1602), o que chegou a Pernambuco na década de setenta do século XVI para ganhar a vida no Novo Mundo. Era uma família de comerciantes, aventureiros e pequeno-burgueses. No Brasil conquistaram terras, roubaram terras, pilharam terras, mataram homens, moldaram homens, humilharam famílias, torceram heranças: e se tornaram senhores de muitos engenhos a partir da segunda metade do século XVI. Sempre foram terra a terra, metidos a aristocratas, finos e ricos. Nulidades que se articularam com todas as grandes famílias pernambucanas e ainda hoje são bem postos, arrotando descendências e poderes perdidos. Jamais os considerei como família, tendo de suas existências somente uma fria indiferença.

Os Caldas eram comerciantes e funcionários, chegaram no século XVIII por razões que somente eles sabem, mas nada grandioso ou aventuresco. No fim deste século houve uma união destas famílias, nascendo o Lins Caldas como sobrenome conjunto, deixando de ser tanto Lins quanto Caldas, que seguiram seus caminhos independentes. O que me interessa é que logo depois dessa união nasceram dois senhores de engenho (os “Dois Irmãos”, das terras onde hoje fica o zoológico do Recife: muito bem localizado: lugar de bicho): Thomas e António Lins Caldas, filhos do primeiro Lins Caldas: Luiz José Lins de Caldas, senhor de terras, títulos e escravos. Esta família continuou com suas terras e escravos, enquanto Thomas Lins Caldas engravidou uma escrava chamada Balbina, conhecida familiarmente por Babá, seguindo seu obscuro caminho familiar com a esposa real. Dessa união gilbertofreyriana nasceu Francisco Lins Caldas (1825-1907), criando um ramo dos Lins Caldas que não teve direito as terras, aos escravos nem tampouco a paz de espírito de quem nasce bem. Foi advogado, estudou na Faculdade de Direito, e iniciou a família que reconheço como minha: ele é o fundador, inclusive do orgulho e da prepotência que nos acompanha e arruína, mas ao mesmo tempo da inteligência e da sensibilidade que justifica esses pecados até mesmo na primeira cornija do baixo purgatório.

Este Francisco é meu trisavô. Ele não nos transmitiu tão somente a vida e os humores dos Lins Caldas, mas da escrava Balbina e da sua própria posição e sentimentos de quem vive “fora da sociedade” mesmo dentro, mesmo enganando, mentindo e se escondendo: era “acinzentado”, quase branco, um metro e noventa; cachaceiro, atrabiliário, desbocado e que negava a mãe; tinha um cartório em Olinda; mas no fundo considerava-se um nada e nunca aceitou isso. Tornou-se o máximo que sua condição permitia: advogado. Um paria integrado. Um bastardo que recebeu um nome, uma profissão, mas não recebeu um passado e teve que trabalhar pelo que teve. Pelo que desejou. Ele criou, querendo ou não, o passado familiar que se cola à minha carne, sonhos e desejos: ele é a origem. Quando muito velho, já dentro do século XX, matou-se por não suportar mais um soluço renitente: matamos e morremos por soluços ou suspiros: somente ninharias nos fazem perder a cabeça. Seu desdém ao povo, aos outros que não os familiares muito próximos, o horror ao mundo possuía fundamento na fuga, no não enfrentamento, na não consciência ou até mesmo na consciência aguda demais de sua posição social, financeira, racial. O que nele foi verdadeiro em nós é somente um espectro sem suporte.

Meu bisavô foi um dentre seus muitos filhos com Rosa: Herculano Lins Caldas (1871-1940), advogado e promotor, que se casou com Elisa dos Guimarães Peixoto (1869-1909), onde se articula o antiderradeiro segmento familiar. Esses Guimarães Peixoto eram metidos a bestalhões, aristocratas branquinhos e bem postos (a presença de Francisco no desejo de reverter de Herculano), vindos de um Portugal caduco e de um Império colonial ridículo. Elisa, que fugiu com meu bisavô pelas ladeiras de Olinda, era filha de Pedro D'Alcântara dos Guimarães Peixoto (1829-1883) e de Ninpha de Morais dos Guimarães Peixoto (1836-1907). Pedro era filho de Vicente Ferreira dos Guimarães Peixoto (1781-1840), que deixara para a família a honra de haver sido o médico da Imperatriz e um brasão (Quascumque Findit, sob quatro leões patéticos segurando espada e maça, cheio de borlas, coroas e gestos) dado pelo Imperador Pedro I. Esse vazio orgulho familiar deixaria marcas profundas de horror em meu avô Osíris dos Guimarães Peixoto Lins Caldas (1898-1978), filho de Herculano e Elisa, que riscou os Guimarães Peixoto do nome e da vida, jamais os aceitando, sendo somente Osíris Caldas a vida inteira.

Desses Guimarães Peixoto inúteis brotou, pelo menos, dois momentos estranhos e antagônicos. Um deles, Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (o insuportável Olavo Bilac, o “Olívio Biloca” das portas de banheiro) e Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (a Cora Coralina), prima do meu avô. O primeiro um aleijão poético, uma vaca de presépio, e a segunda uma impossibilidade velha, familiar e rural: um milagre além do inexistente marido: um caso provinciano de literatice.

O último segmento familiar é o da minha mãe: os Gonçalves. Eram comerciantes e fazendeiros, se perdendo dentro do processo de colonização indo e vindo do sertão. Meu avô, João Batista Gonçalves (1907-1945), era farmacêutico e minha avó Severina Cadete (1909-1962), com sua morte, continuou com a farmácia para tentar sustentar a imensa ninhada. Ele era senhor de muitas terras e casas antes de ser assassinado pelas ninharias que perturbam os Lins Caldas vindos de Francisco, mas que não eram importantes aos Gonçalves: morreu inocente (se tenho alguma bondade e inocência devo a este avô a este ramo familiar), o que não acontece com os desequilibrados descendentes do filho da escrava: não aceitamos a ingenuidade, a inocência, o trabalho honrado, as horas perdidas com ninharias, as festas, as conversas vazias, a inutilidade, a burrice gratuita: podemos morrer por qualquer razão, menos por inocência e bondade.

Tudo isso (achaques, raivas, depressões, sentimentos, iluminações) chegou até a mim vindo diretamente dos meus avós, dos meus pais, tios e tias. Faz parte do que não me pertence, do que não domino, do que não vejo razão mas sigo pensando que sou eu. E não deixa de ser. Somos uma soma de fantasmas, de corpos que não vemos, de programas escritos por outras mãos, outras vidas, escrituras que nos compõem como uma grande partitura viva e muito mais complexa que a nossa vã Ciência.

COMEÇO


Nasci numa casa recheada de livros: esse é o meu universo desde o começo. E uma casa onde se reuniam os amigos do meu pai para conversarem sobre o mundo, a cultura, a política, o teatro, as religiões, as crenças, a musica, a poesia, a Geografia, a História (cada uma destas palavras conduz a várias histórias), em grandes batalhas, às vezes pública, onde se reuniam interessados de todas as áreas, cada um armado com imensos livros, infindáveis bibliotecas e razões. Dali pelo menos um nome se estabeleceu na literatura: Ângelo Monteiro, um dos melhores poetas da sua geração. Foi professor do Departamento de Filosofia (UFPE) e fez a articulação entre o Movimento Armorial e alguns de nós.

Meu avô (Osíris Caldas) recitava de cor, caminhando no colorido de muitas tardes, seu querido Molière, ou poemas em espanhol. Era Coletor Público mas tinha um teatro onde reunia um grupo criativo e conversador. Havia começado a escrever nos jornais do Recife em 1914, finalizando em 1970, quando a impressa deixou de ser familiar ao seu mundo (compôs, numa imensa e negra máquina de escrever, dois artigos por dia durante cinqüenta anos para o “Jornal do Comércio” e para o “Diário de Pernambuco”); publicou livros, escreveu e representou muitas peças de teatro, mas gostava mesmo era de dirigir Shakespeare, e se deleitava recitando para mim passagens inteiras de uma peça da sua paixão (Otelo e, às vezes, Romeu e Julieta), trechos de Sófocles quando estava triste ou, para rirmos, histórias fantásticas. Mas seus livros, artigos, peças, ensaios, sua visão de mundo não eram, e talvez não devessem ser, cosmopolitas. Estava preso a um universo nordestino, década de vinte e trinta, provinciano, mesmo tendo me aberto os olhos para uma sensibilidade que somente ele foi capaz de me transmitir, uma poeticidade que só muitos anos depois pude reerguer do seu solo de esquecimento. A ele devo a paixão pelo teatro, por certas músicas e poemas, por uma inflexão schopenhaueriana, por uma vida dedicada somente ao que nos arrebate, e ao nosso Shakespeare.

Meu tio paterno (Carlos Alberto Bruno Lins Caldas) era pintor e desenhista. Foi através dele que conheci as artes plásticas, e fui seduzido pelas cores, pelas transparências falsas, pelo movimento imóvel, pelo cheiro das tintas, da terebintina, a moleza ou dureza dos incontáveis pinceis, a paixão pelos murais, pelo cubismo, por Picasso e Dali, e por uma atuação incisiva na política num tempo muito perigoso. Junto com meu pai formaram a idéia que carrego ainda sobre o que é e como deve agir um intelectual, como deve ser um intelectual.

Meu pai (Alberto Frederico Lins) foi professor do Departamento de História da Universidade Federal de Pernambuco (lugar que me estaria reservado se não fosse pela dura luta contra todos, esta doce maldição). Minha vida foi acompanhar suas amizades, leituras, pesquisas, escritas, publicações e polêmicas (foram muitas, mas as principais com Osman Lins, Agnaldo Silva, Mário Melo e Aglae Lima foram memoráveis). Ele escrevia no Diário de Pernambuco, ganhava prêmios, vivia no Arquivo Público passando horas em intermináveis pesquisas, ensinava e isso definiu meu horizonte futuro: mas numa reflexão “depois da festa”. Passei muitos anos fugindo dessa direção. Até que, em 1983, comecei a estudar mais seriamente História. Mas antes alguém me foi de fundamental importância intelectual.

Enquanto meu pai me apresentava a muitos dos seus amigos (Gilberto Freyre, Ariano Suassuna, Flávio Guerra, Nilo Pereira, Pinto Ferreira, Mauro Mota, Marcus Prado), entregando-me certa literatura brasileira (José de Alencar, Machado, Lima Barreto, Humberto de Campos) e portuguesa (Camilo [sua absoluta paixão], Herculano, Eça, Júlio Dinis, Guerra Junqueiro), a História (Gilberto Freyre, Sergio Buarque de Holanda, Braudel, José António Gonçalves de Melo), a Geografia dos mapas, as “geomorfologias” euclidianas n'Os Sertões (paixão paterna que somente nos últimos anos tenho reconquistado), a História Regional e o Romance Histórico (Walter Scott, Victor Hugo, Alexandre Dumas, Michel Zevaco), - Gláucio Veiga, catedrático da Faculdade de Direito do Recife, amigo do meu pai, marxista e escrevendo sua monumental “História das Idéias da Faculdade de Direito do Recife” (13 volumes), me apresentou, em muitas conversas, leituras e anos, Hegel, Marx, Weber, Heidegger, Ortega y Gasset, Braudel, Balzac e Proust.

O contato entre essas visões de mundo díspares (Camilo/Proust – Marx/Freyre, Braudel/Melo), em plena ditadura, possibilitou uma visão de mundo polifônica, aberta, móvel, contraditória e sem exigir conciliação: todas as visões cabiam no mundo e seu rotacionar, no mundo e suas ficções, no mundo e suas escrituras. Nas bifurcações proustianas mundos inteiros apareciam e desapareciam, feitos de tempo e memória, de palimpsesto e desejo. A História, o pensamento, a literatura, não poderiam fundar seu reino numa única perspectiva, numa única verdade. História, Antropologia, Arqueologia, Sociologia, Filosofia e literatura se entrelaçavam num único processo vivencial, visceral. A separação seria uma violência. Na “minha” Dialética não cabiam mediações, o que causou sempre combates infindáveis entre amigos e companheiros. Dos dois (Gláucio e meu pai) fiquei com o que havia de melhor. A crítica marxista de um e do outro o gosto pelo estilo, pela abrangência dos interesses, tornando “o social” e “o histórico” algo mais rico que o tradicional; e a tara pelos livros, a sedução pela escrita.

Enquanto minhas leituras infantis (década de sessenta) eram essencialmente aventurescas, pura imaginação (os volumes de Tarzan, de Edgard Rice Burroughs, o Sherlock Holmes de Conan Doyle, as delícias de Júlio Verne, as destrezas de Maurice Leblanc com seu Arséne Lupin, o universo insuperável de Michel Zevaco com seus Pardaillans, os “contos maravilhosos” de muitas literaturas) - uma experiência arriscada a travessia de cada livro, as do começo da adolescência (1969/1970/71/72) eram essencialmente literárias, formativas e inescapáveis (Sófocles, Dante, Boccaccio, Montaigne, Shakespeare, Cervantes, Goethe, Melville, Dickens, Stevenson, Wilde, Poe, Graciliano, Drummond); na adolescência (o resto da década de setenta) as leituras (sempre obsessivas na quantidade, na qualidade e no labirinto de gostos, coisa que marca profundamente a cartografia intelectual da minha biblioteca) começaram a se dividir entre a História, que meu pai me apresentava (uma História sempre “acontecida de verdade”, jamais teórica, como “O Domínio Holandês em Pernambuco” de Watjens e “Memória de um Senhor de Engenho” de Julio Bello, ou temas obsessores como as Famílias, os Engenhos de Açúcar, a Segunda Guerra Mundial, Hitler, o Vietnam, a Coluna Prestes), e novos mundos que foram surgindo muito fortes como a Antropologia, a Arqueologia, a Psicanálise, Marx e os marxismos, Darwin e a Biologia Evolutiva, Hegel e a Filosofia, a História e a Filosofia Marxista, Sartre e todos os existencialismos, tudo dentro de uma clivagem inesperada (Sade, Dostoievski, Nietzsche, Rilke, Joyce, Svevo, Camus, Pirandello, Genet, Ionesco, Beckett, Arrabal) que foi me afastando, no fim da adolescência (1977), daquela formação literária inicial, descomprometida a não ser com o prazer e a descoberta de mais prazer, como se não fizessem parte de um mesmo movimento, exigindo de mim, muitos anos depois, um esforço de síntese que ainda não concluí completamente.

Sobre essa “cultura em formação” pairava um “grande espírito”: Gilberto Freyre. Gláucio Veiga o odiava com amor, havendo polemizado com ele algumas vezes, terminando por se reconciliar muitos anos depois; meu pai o amava e admirava, tendo me levado para conhecê-lo em Apipulcos, onde conversamos, ele velho e com aquela perna sobre o braço da cadeira, sobre muita coisa enquanto meu pai recordava momentos comuns. Gilberto não somente foi um dos primeiros a discutir assuntos como a história da comida, do corpo, da infância, da sexualidade, das habitações, mas isso com dignidade de “grande tema”, sempre numa articulação viva, vibrante, convincente, profundamente literária e complexa com uma força de quem queria criar um povo. Ele fazia parte daquela mono-cultura recifense, feita com o isolado das ilhas mas convivendo com o link das pontes e do porto, o aberto e o fechado, o mar, o mangue, a terra. Mas essa simbiose, essa rede viva de caranguejos, navios e histórias, era aristocrática - mesmo quando falava do povo, com o povo (Tobias, Freyre, Ariano, Cabral, Brennand). Essa aristocracia é o que expulsa e maltrata (“Recife, cidade cruel”) todos aqueles que diferem, todos aqueles que abolem a terra em nome do mar, ou aceitam o mangue contra a terra e o mar.

Alberto Lins Caldas
Professor de Teoria da História - UFRO
caldas@unir.br

quarta-feira, 10 de julho de 2024

Metionina é imensa
Pra tomar depois do porre.
De cachaça ninguém morre,
Cachaça não é doença.
Não há doutor que me convença
Que se morre antes da hora.
Se a ressaca lhe apavora
E a cachaça lhe domina,
Não consulte a medicina,
Tome uma que melhora.

RC



sábado, 6 de julho de 2024

UM DECASSÍLABO SERTANEJO

Sou da terra abençoada
Que a tramela é fechadura
Que o meu doce é rapadura
Que a medição é braçada
Que o meu jantar é coalhada
Que cedinho vou pra feira
Comprar bode de primeira
Sou o som de Gonzagão
Sou matuto do torrão
Sou cultura verdadeira.
Marcos Calaça é poeta potiguar, natural de Pedavelino, e confrade da Academia Norte-rio-grandense de Literatura de Cordel.
Foto g: Tramela na porta de uma antiga casa do sertão.



domingo, 30 de junho de 2024

Salário de R$ 3 bilhões: Vinicius Júnior recebe proposta de última hora para deixar o Real Madrid

História de Leandro Vieira

Momento


Vinicius Júnior, do Real Madrid, recebeu uma proposta para deixar o clube. Considerado por muitos como o melhor jogador do mundo na atualidade, o ponta segue focado na Copa América.

Ontem, o jogador foi o grande destaque da Seleção Brasileira na goleada por 4 a 1 sobre o Paraguai. Vinicius Júnior balançou as redes em duas oportunidades, ambas no primeiro tempo.

Porém, enquanto isso, o nome de Vini segue em alta também no futebol europeu. De acordo com um portal espanhol, o brasileiro recebeu uma oferta tentadora para deixar o Real Madrid.

Real Madrid vê Vinicius Júnior na mira de rival europeu

O Defensa Central revelou que o PSG ofereceu um contrato de seis anos para contar com o futebol do brasileiro. Além disso, o salário no período seria na casa de 500 milhões de euros – cerca de R$ 3 bilhões.

Entretanto, ainda de acordo com a publicação, Vinicius Júnior acabou recusando a investida dos franceses. O jogador entende que não seria positivo abandonar o projeto do Real Madrid neste momento.

Enquanto isso, o jogador segue focado na Seleção Brasileira. O próximo duelo será diante da Colômbia. Caso vença, o time de Dorival assumirá a liderança do grupo D.

Vinicius está com 23 anos de idade e somou 39 jogos pelo time espanhol na última temporada, tendo marcado 24 gols e fornecido outras nove assistências aos companheiros.