domingo, 13 de setembro de 2015




A PARTIDA DE ARAÚJO, MEU IRMÃO
Dos filhos todos, ele foi o único que não se deixou seduzir pela cidade grande. Só vinha à Natal em caso de extrema necessidade, o que significava consulta médica. Gostava de morar no Assú. Gostava da gente do Assú. Da vazante molhada, das carnaúbas elegantes, do mugido dos bois no curral da velha casa simples nas Itans, onde cheguei a ir de férias algumas vezes. Era, com certeza o guardião da memória do velho Ludgero Batista de Araújo, nosso Pai, cultuando sua lembrança, vivendo do jeito que Ludgero gostava.
Até aquele verve sertaneja, exercitada por Ludgero quando lhe pediam opinião sobre alguém ou sobre algo que acontecera, Araujo cultivava. E saia com cada argumentação! E todo mundo ria, cúmplice da sua sabedoria aprendida sofridamente em cada beco, rua ou praça do Assú. E foi ficando, negociando com a lanchonete, vendendo gado, leite, dirigindo táxi. Mas, nunca quis vir para a cidade grande melhorar de vida, seguir o caminho trilhado pelos irmãos. Nem quando Papai e Mamãe, vencidos pelo cansaço dos anos, alquebrados pela luta inglória de tocar a terra das Itans, decidiram vir para Natal, Araújo animou-se. Não veio. Ficou no Assú.
Preferia pelejar, guerrear com a vida, ora ganhando, ora perdendo. Mas, guerreiro gosta de quê? De guerra. Era assim o meu irmão Araújo. Ontem, ele perdeu a maior de todas as batalhas e deixou o Planeta. Fragilizado pela doença, caiu. Tentou pendurar-se se numa nuvem que passava. Queria ficar aqui. Não deu. Foi embora e nunca mais o veremos.
Só tem uma coisa, Araújo: a gente não vai te esquecer!
Texto transcrito da linha do tempo/facebook de Ojanilza Maria Niniza

Nenhum comentário:

Postar um comentário