quinta-feira, 24 de março de 2016

ASSU


Assu, ditoso vale. Expressão, harmonia
Para um hino vibrante, um poema superior!
Obra-prima, que o artista, arrebatado, cria
Cantando a formosura, a natureza e o amor!
Terra fértil. Visão que o habitante extasia,
Terna mãe lhe estendendo o seio acolhedor,
Onde ele achou a paz, a esperança, a alegria
A abundância da seara e o perfume da flor.
Jardim da inspiração. Retiro doce e brando.
Cercanias que tem rebanho e têm zagais.
Várzea onde o rio vai – claro, se debruçando,
A distância a vencer com as águas musicais
E onde se escuta a voz dos pássaros – louvando
A seiva e a ostentação dos verdes carnaubais.
Edinor Avelino
(Poeta potiguar do Assu e macauense por adoção e escolha).
Imagem de carnaubeira ou carnaúba. Árvore nativa, bela e rica, então abundante na região do Asssu.

Fernando Caldas

Nenhum comentário:

Postar um comentário