sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Yara Darin
"Se houver um tempo de retorno, eu volto. Subirei, empurrando a alma com meu sangue por labirintos e paradoxos - até inundar novamente o coração."
______Lya Luft
arte © Francis Kilian

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

"Contei meus anos e descobri
que terei menos tempo para viver daqui para a frente
do que já vivi até agora....
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino
que recebeu uma bacia de cerejas...
As primeiras, ele chupou displicente,
mas percebendo que restavam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões
onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis,
para discutir assuntos inúteis
sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas,
que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.
As pessoas não debatem conteúdos,
apenas os rótulos.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos,
quero a essência, minha alma tem pressa…
Sem muitas cerejas na bacia,
quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços,
que não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!


( desconheço o autor )

Do face de Cristina Costa 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

CHICO DANIEL - O ASSUENSE QUE FEZ HISTÓRIA NO FOLCLORE BRASILEIRO
Francisco Ângelo da Costa - o popular Chico Daniel -, nasceu em Assu no dia 05 de setembro de 1941. Nunca sentou num banco de escola. O negócio de Chico era tocar pandeiro acompanhando um sanfoneiro e ao pai Daniel Ângelo – conhecido mamulengueiro na região. Aos 14 anos Chico aprendeu a esculpir e a manusear os bonecos e nunca mais deixou de “brincar” com seus mamulengos.

Ao longo de sua trajetória desenvolveu uma técnica muito específica em torno de sua brincadeira. Preparava tudo com muito zelo. Era o faz tudo: bonecos, figurinos, adereços, texto, oralidade, cenografia, além do improviso nos diálogos de seus bonecos dando "vida" aos personagens. 


Todas as narrativas eram histórias do cotidiano colhidas nos terreiros das fazendas durante a debulha de milho, histórias de trancoso, piadas... usava timbres de vozes e sotaques diferentes quase ao mesmo tempo. Dizia sempre: “A minha arte, quando eu chegar a falecer, quem vai ficar com ela são meus filhos”.

O escritor e folclorista Ariano Suassuna disse certa vez em Natal: “O melhor mamulengueiro do nordeste é daqui, Chico Daniel. Eu acho que ele é um ator extraordinário”.

Chico Daniel participou de festivais de mamulengos em quase todos os estados do Brasil e em vários outros países. Passou uma longa temporada em Portugal fazendo shows com seus ilustres bonecos de pau.

Era dessas sumidades incontestáveis. Alegrava crianças e adultos com as presepadas do negro Baltazar (filho adotivo do Capitão João Redondo) e de personagens que ganhavam "vida" nas mãos do mestre como: Dr. Pindurassaia, Etelvina, Boi Coração, Mestre Guedes, o Malandro de coca-cola, o Padre, Dr. João Bondado, Cassimiro Coco, Tenente Bezerra de Melo, Pedro Marinheiro, João Guedes, o Cachaceiro, entre outros.

Viveu por muitos anos em Natal, recebendo inclusive o título de cidadão natalense.

O mamulengueiro Francisco Ângelo da Costa - Chico Daniel, faleceu às 13 horas do dia 03 de março de 2007, vitima de um infarto. Foi sepultado no dia 04 de março no cemitério de Bom Pastor em Natal. Deixou 10 filhos e 30 netos além de uma grande quantidade de fãs, sobretudo entre os produtores de arte e cultura no Rio Grande do Norte.
Foto ilustrativa colhida no www.overmundo.com.br



domingo, 21 de agosto de 2016

Que Natal é uma cidade relevante, todos nós sabemos. O seu poeta Bosco Lopes (1949-1996) depõe que Natal é fundamental. Não fosse pelo seu pôr do sol do Potengi, seria pelas pessoas que o contemplam, embriagas de poesia e que passeiam a beleza pelas suas ruas seculares.

Mas, Natal não deve viver sobre o escudo de uma cidade bela e encantadora, não! São multiplos os seus problemas que o povo pede soluções urgentes.

Agora, para que Natal melhore, é preciso que você meu caro el...eitor(a) saiba escolher em quem vai votar no dia 2 de outubro para vereador. Se você votar bem, escolher o melhor candidato, vai ter a certeza de ver a capital potiguar, melhor, mais feliz, preparada para o amanhã e para o futuro!

Fernando Caldas (Vereador - 25125).

(Fotografia oficial de urna eletrônica).

O que significa o ouro para o futebol brasileiro

Juca Kfouri

A medalha de ouro ganha no Maracanã enlouquecido com a vitória não significa a redenção de nosso futebol, nem sequer uma revanche sobre a Alemanha.
Mas significa o refazer de um vínculo com a Seleção Brasileira, medida fundamental para reconduzi-la ao caminho das vitórias.

Quem viu e ouviu e sentiu o Maracanã cantando “olê, olê, olá, Neymar, Neymar”, não pode ter dúvida sobre o quanto o torcedor brasileiro andava carente.
Quem ouviu o estádio gritar que Weverton é o melhor goleiro do Brasil, sendo ele do Atlético Paranaense, entenderá a importância dessa medalha inédita.
Medalha que não empalidece em nada as demais 17 conquistadas pelo boxe, pelo judô, pela natação, vôlei e vôlei d e praia, ou pela canoagem e pela vela.
Medalhas somam, não subtraem.
Se Tite pegou uma herança maldita de Dunga e Gilmar Rinaldi, começou a transformá-la em ouro ao deixar quem merecia comandá-la.

E Rogério Micale não só não decepcionou como transformou miséria em riqueza.
Lembre que seria Dunga com sua carranca de maus bofes quem estaria à frente do time olímpico.
Ignorar o bem que tudo isso possa fazer ao nosso futebol não é coisa de quem goste de futebol.
De quem até acha que o problema do futebol brasileiro é Neymar.
Ora, dane-se o Marco Polo que não viaja ou o que o Neymar diz ou deixa de dizer.
Interessa que ele bata falta como a do gol na Alemanha e que bata pênaltis com a precisão demonstrada na última cobrança, aquela que valeu ouro.
Porque só que falta agora é nós acharmos que ganhar uma medalha olímpica possa fazer mal.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

"Morto-Vivo"

Hoje, 19, me dirigi a uma das agências do Banco do Brasil, de Natal, para abrir uma conta especifica e obrigatória, para candidatos (Eleições 2016). Pois bem, o funcionário daquela casa bancária ao consultar o Banco de Dados do SISOB – Sistema de Informações de Dados de Óbitos (que alguns cartórios são obrigados a enviar quando alguém, um preposto ou um familiar do falecido, requeira a Certidão de Óbito, a repassar a Previdência Social, bem como a outros órgãos ...do governo), me informou em voz alta que eu já teria morrido desde o ano de 2013, para risos de alguns clientes e funcionários presentes. O que pode ter ocorrido, penso eu, um raro problema de homonímia, erro de digitação ou má fé de alguém. Fato este que terei de resolver num menor tempo possível!
Continuo candidato a vereador pela capital potiguar. Um registro apenas para tornar público.

Obrigado pela leitura.

Fernando Caldas

 

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

‘Toinho de Walter’ é homenageado na abertura dos JERNS 2016

A solenidade foi encerrada com uma apresentação cultural

DSC03446
A 10ª etapa regional dos Jogos Estudantis do Rio Grande do Norte (JERNS) em Assú teve largada na noite desta terça-feira, 16 de agosto com a realização da cerimônia oficial de abertura na Praça São João Batista. Cerca de 2.400 alunos/competidores  de atletismo, capoeira, karatê, judô, taekwondo, natação, jiu-jitsu, xadrez, tênis de mesa, futsal, futebol de campo, futebol society, futebol de areia, voleibol de duplas, e  voleibol in door, provenientes das cidades de Assú, Campo Grande, Carnaubais, Triunfo Potiguar, São Rafael, Paraú, Itajá, Ipanguaçu, Angicos, Santana do Matos, Lajes, Afonso Bezerra, Pedro Avelino e Fernando Pedroza estarão participando da competição que é considerada uma das maiores do gênero no país como informa o coordenador da Codesp/RN, professor Gileno Souto.
DSC03389
A primeira delegação a entrar no Anfiteatro Prefeito Arcelino Costa Leitão foi a do Colégio do Futuro. O juramento do atleta foi proferido pelo aluno/atleta Carlos Eduardo, da Escola Municipal Professora Nair Fernandes, segundo colocado no Ranking Nacional de Taekwondo e atual campeão do Natal Open na categoria Cadete. Na avaliação do professor Túlio César de Medeiros Almeida a abertura dos JERNS foi um momento de integração de atletas, familiares e professores. As disputas dos JERNS acontecerão em vários espaços como o ginásio do CAIC, Arena Casa Forte, Estádio Edgarzão, Complexo Poliesportivo Deputado Arnóbio Abreu entre outros.
DSC03444
O ato considerado como ponto alto da solenidade vivenciada nesta terça-feira, a condução do fogo simbólico seguido do acendimento da pira olímpica, foi protagonizado pelo professor de educação física Carlos Antônio de Sá Leitão – ‘Toinho de Walter’ que também recebeu uma comenda pelos serviços prestados ao esporte assuense.
Eu não esperava que viesse ser convidado para ser homenageado e acender a pira olímpica. É um momento de festa para a nossa cidade”, destacou o professor. A solenidade foi encerrada com uma apresentação cultural. Clique aqui e veja a galeria de fotos.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

( B O R B O L E T A )

Sou borboleta que saiu do casulo
Sentindo -se insegura não sabe voar....
Que a vida me ensine .......
Me mostre o caminho
De um lindo jardim que busco
Encontrar.


Autoria : Sara Camara
17/08/2014/
 

5 coisas interessantes sobre o primeiro museu indígena do Rio Grande do Norte

Publicado por às 10 de agosto de 2016 em Curiosidade, História | 3 Comentários
Isso mesmo, existe um museu totalmente indígena em terras potiguares, que é inclusive o primeiro museu indígena do Rio Grande do Norte.

Ele fica localizado na cidade de Apodi

post-primeiro-museu-indigena-rn-mapa-apodi
Que por sua vez fica na mesorregião Oeste Potiguar.

O museu é uma homenagem a uma guerreira indígena que foi brutalmente assassinada

post-primeiro-museu-indigena-rn-fachada-placa
A apodiense Luiza Cantofa, assassinada na cidade de Portalegre/RN, no dia 03 de novembro de 1825.

Atualmente ele funciona provisoriamente na casa desta mulher

post-primeiro-museu-indigena-rn-india-maria-lucia
Uma pesquisadora apodiense chamada Lucia Maria Tavares, que é a Presidente do Centro Histórico-Cultural Tapuias Paiacus da Lagoa do Apodi (CHCTPLA), entidade mantenedora do Museu Luíza Cantofa.

Entre os seus principais objetivos, o museu quer resgatar a cultura indígena de Apodi

post-primeiro-museu-indigena-rn-indios-tapuia-paiacus
Dança dos índios Tapuias Paiacus, primeiros habitantes de terras apodienses (Foto: Ecoarte.info)
E não só isso:
  • Resgatar e preservar a cultura indígena dos Tapuias Paiacus, porque eles foram um marco histórico na formação do município de Apodi;
  • Promover e apoiar ações que contribuam para o resgate, divulgação e valorização da arte e da cultura indígena;
  • Estimular a parceria, o diálogo local e solidariedade entre os diferentes segmentos sociais, participando junto a outras entidades de atividades que visem interesses comuns;
  • Apoiar, bem como promover, ações sustentáveis que contribuam para a preservação ambiental, de modo especial, da Lagoa do Apodi, que em suas margens foram realizadas atividades como plantação, pescaria, dentre outras pelos referidos nativos, de onde veio as surgir a cidade.

Ele abriga várias peças e artefatos feitos pelos índios primeiros donos da terra

post-primeiro-museu-indigena-rn-vaso-pedra
Os Tapuias Paiacus foram os primeiros habitantes das terras apodienses.
Que trabalho excelente, hein? Parabéns. E para visitar o Museu do Índio Luíza Cantofa, agende a sua visita pelo número (84) 99914-2282.

De: Curioso
Enviado pelo galadinho Francisco Veríssimo de Sousa Neto .
O sopro do tempo não paga
a chama do nosso amor
 
Na vida, aquilo que afaga
se faz profunda emoção,
as coisas do coração
O SOPRO DO TEMPO NÃO APAGA.
E é mesmo bom que não traga
algo que cause rancor
ou que nos lembre uma dor,
melhor louvar bons momentos
como aquece os sentimentos
A CHAMA DO NOSSO AMOR
 
João Celso Neto



domingo, 14 de agosto de 2016


 
GLOSA

O SOPRO DO TEMPO NÃO APAGA
A CHAMA DO NOSSO AMOR

  
MOTE

Os olhares se cruzaram
já famintos de paixão
senti pular meu tesão
as carnes se agitaram
os sentidos aguçaram
me veio um certo temor,
não sei se medo ou rancor...
Uma certeza me afaga:
o sopro do tempo não apaga
A chama do nosso amor.

Autor: Ivan Pinheiro - Assu.
Ilustração colhida do mariaeunicesousa.com

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Ter ou não ter namorado?

Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia.

Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão, é fácil. Mas namorado, é muito difícil.
Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda, decidida; ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem um amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes; mesmo assim pode não ter nenhum namorado.

Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho. Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria. Não tem namorado quem faz pactos de amor com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de durar..

Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas; de carinho escondido na hora em que passa o filme; de flor catada no muro e entregue de repente; de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar; de gargalhada, quando fala junto ou descobre a meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor. Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beiras d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar,, quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais. Não tem namorado quem ama sem se dedicar,- quem namora sem brincar,- quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado quem confunde solidão com o ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pensando duzentos quilos de grilos e de medos, ponha a saia mais leve, aquela de chita e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela.

Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria. Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido.

Enlou-cresça.

Autoria de Carlos Drumond Andrade

Do Facebook  de Yara Darin



Morte da Flora e da Fauna
 
 
                                                             Foto ilustrativa: longah.
 
 
Por Francisco Agripino de Alcaniz - Chico Traíra
 
Mataram a flora e a fauna
Riquezas da região
Na cruel devastação
Morreu também a beleza,
Não sei se a humanidade
O crime está percebendo
Pois sempre está recebendo
Castigos da natureza.

Oiticicas seculares
Mutambas, Umarizeiros,
Quixabeiras, Juazeiros,
Umburanas, Mulungus,
Jucá, Jurema, Paud’arco,
Catingueira, Catanduba,
Não escapou da derruba
Os cheirosos Cumarús.

Calumbís e tira-fogo
Que ornamentavam as barreiras
Canafístulas, Ingazeiras,
A fúria não esqueceu,
João-mole, Genipapeiro,
Pau-branco, Angico, Aroeira,
Tudo desapareceu.

Mataram o Marmeleral,
Já não há mais espinheiros,
Barrigudas, Cajueiros,
Castanholas, Gameleiras,
Por fim para completarem
O extermínio da flora
Estão derrubando agora
As nossas Carnaubeiras.

A fauna já não existe
Nem de Urubus um só bando,
Não se vê garças voando
Marrecas nem Patorís,
Carcarás e Gaviões
São aves que não existem,
Não se ouve o canto triste
Das saudosas juritis.

Quanto eram belas as tardes
Que os passarinhos cantavam,
Em revoadas passavam,
Em divertidos folguedos.
Depois voavam felizes
Antes da noite chegar,
Procuravam se abrigar
Nas copas dos arvoredos.

Graúnas, Corrupiões, 

Sabiás e Bentivis,
Canários e colibris,
Sanhaçus e Caboclinhos,
Pombinha, Galo de Campina,
Papa-arroz, Concriz, Anum,
Não acham em lugar nenhum
Para construírem ninhos.
Asa branca, Papagaio,
Periquito e Azulão,

De João de Barro e Cancão
Agora só resta o nome,
Porque a floresta deles
Está um campo esquisito,
Apenas se ouve o grito
De uma coruja com fome.

A Caatinga tornou-se
Numa capoeira feia,
Nem mesmo um Peba passeia,
Não há rastros de Tatus,
De Bola e Maritacaca
Não se vê nem os sinais,
Também não existe mais
Preá nem Tijuaçus.

Não há mais tamanduá,
Punaré, Camaleão,
A ave de arribação
Também desapareceu
Até os belos veados
Já fugiram, foram embora,
Com a extinção da flora
A fauna também morreu.

A poesia é do grande ipanguaçuense Chico Traíra, que por quase toda a vida residiu em Assu. Publicado em seu livro de poesias denominado de Versos do Verde Vale – editado no ano de 1984, pelo então prefeito Ronaldo Soares. 

O poema de fato foi escrito há vários anos, no entanto, permanece atualizadíssimo. Na verdade um recado a todos  nós que degradamos  a natureza.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

MOTE:

ME LEMBRO DAS FESTAS DO MUNICIPAL, COM O AFINADO CROONER MANOEL RAPOSA.

GLOSA:

DA MINHA ADOLESCENCIA MUSICAL
NOS BAILES DOS CLUBES DO ASSU
TOMANDO UMAS LAPADAS DE PITÚ
ME LEMBRO DAS FESTAS DO MINICIPAL.
PRA RECORDAR AS TERTULIAS, O SÃO JOÃO OU O NATAL,
QUERO HOMENAGEAR NESSA GLOSA
AQUELE QUE TINHA EM RAIMUNDA SUA ESPOSA
A SUA FOLCLORICA E FIEL COMPANHEIRA
CURTI MUITAS E MUITAS DOMINGUEIRAS
COM O AFINADO CROONER MANOEL RAPOSA.

Chagas Matias
Assu/RN.

Manoel Raposa
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e close-up

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Campeão do Mundo pelo Flamengo, ex-jogador vê time atual "sem feras"

Zico afirma que Neymar “não tem condições de ser capitão” da Seleção Brasileira

Craque criticou equipe canarinha, mas vê chances de medalha de ouro; jogo contra a Dinamarca será disputado nesta quarta-feira, em Salvador

Por: Redação

RIO – O comportamento de Neymar atrai críticas em momento decisivo da participação brasileira na Olimpíada do Rio. Nesta terça-feira, em evento realizado em um shopping localizado perto do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, Zico disse acreditar na classificação do Brasil, mas também fez uma observação sobre o principal jogador do país. Ele disse não ver Neymar pronto para usar a braçadeira de capitão.

– O capitão do nosso time não tinha a menor condição de ser capitão. Ele tinha que se preocupar só com futebol – critica Zico, fazendo outra observação sobre a postura brasileira no jogo com Iraque. – Os caras reclamarem que o Iraque fazia cera. Veja se tem que se preocupar com isso? Joga bola, pô – completa.

Mesmo assim, o ex-craque disse ver na seleção olímpica um time com qualidade técnica. E capaz de ganhar a medalha de ouro. Ele destacou que o tempo reduzido de formação da equipe e de preparação prejudicam muito o Brasil.

– Acho que ganha da Dinamarca e pode levar o ouro. Não tem nenhum bicho papão – afirmou. – Ninguém é mágico para fazer time em duas semanas, fazer magia. O futebol brasileiro é formado sempre em cima da hora. Não tem conjunto e posicionamento. E não temos aquelas feras todas que decidiam – conclui.

O Brasil decide a classificação contra a Dinamarca nesta quarta-feira, às 22h, na Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Com informações do jornalista Carlos Eduardo Mansur, do portal O Globo