segunda-feira, 22 de agosto de 2016

CHICO DANIEL - O ASSUENSE QUE FEZ HISTÓRIA NO FOLCLORE BRASILEIRO
Francisco Ângelo da Costa - o popular Chico Daniel -, nasceu em Assu no dia 05 de setembro de 1941. Nunca sentou num banco de escola. O negócio de Chico era tocar pandeiro acompanhando um sanfoneiro e ao pai Daniel Ângelo – conhecido mamulengueiro na região. Aos 14 anos Chico aprendeu a esculpir e a manusear os bonecos e nunca mais deixou de “brincar” com seus mamulengos.

Ao longo de sua trajetória desenvolveu uma técnica muito específica em torno de sua brincadeira. Preparava tudo com muito zelo. Era o faz tudo: bonecos, figurinos, adereços, texto, oralidade, cenografia, além do improviso nos diálogos de seus bonecos dando "vida" aos personagens. 


Todas as narrativas eram histórias do cotidiano colhidas nos terreiros das fazendas durante a debulha de milho, histórias de trancoso, piadas... usava timbres de vozes e sotaques diferentes quase ao mesmo tempo. Dizia sempre: “A minha arte, quando eu chegar a falecer, quem vai ficar com ela são meus filhos”.

O escritor e folclorista Ariano Suassuna disse certa vez em Natal: “O melhor mamulengueiro do nordeste é daqui, Chico Daniel. Eu acho que ele é um ator extraordinário”.

Chico Daniel participou de festivais de mamulengos em quase todos os estados do Brasil e em vários outros países. Passou uma longa temporada em Portugal fazendo shows com seus ilustres bonecos de pau.

Era dessas sumidades incontestáveis. Alegrava crianças e adultos com as presepadas do negro Baltazar (filho adotivo do Capitão João Redondo) e de personagens que ganhavam "vida" nas mãos do mestre como: Dr. Pindurassaia, Etelvina, Boi Coração, Mestre Guedes, o Malandro de coca-cola, o Padre, Dr. João Bondado, Cassimiro Coco, Tenente Bezerra de Melo, Pedro Marinheiro, João Guedes, o Cachaceiro, entre outros.

Viveu por muitos anos em Natal, recebendo inclusive o título de cidadão natalense.

O mamulengueiro Francisco Ângelo da Costa - Chico Daniel, faleceu às 13 horas do dia 03 de março de 2007, vitima de um infarto. Foi sepultado no dia 04 de março no cemitério de Bom Pastor em Natal. Deixou 10 filhos e 30 netos além de uma grande quantidade de fãs, sobretudo entre os produtores de arte e cultura no Rio Grande do Norte.
Foto ilustrativa colhida no www.overmundo.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário