sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

· MEUS MORTOS QUERIDOS


Washington Araújo

Maria Eugenia. Se o encanto tivesse forma humana essa forma seria a da dona Gena. Culta, muito culta, era escritora, pintora, poeta, dramaturga, biógrafa. E foi prefeita de Ipanguassu. Tinha a alma pura da criança que irrompeu um dia em Lavras, nas Minas Gerais, e seguiu sendo até o último suspiro, em Natal, já beirando os 90 anos. Se dependesse de mim ela daria nome a tudo de bom que surgisse na cidade que seu coração adotou. Teria a Praça dona Gena, o Museu dona Gena, a Universidade dona Gena, vários bairros dona Gena, I, II, III e IV, o Hospital dona Gena, o Sobrado dona Gena e o Viveiro dona Gena. É que ela era a joia oculta do Assu. Faz falta.

Renato. Quem nunca leu Renato Caldas está muito longe de conhecer o Assu profundo, aquele dos Lins e dos Caldas. E quem não conhece um verso sequer de Fulô do Mato é um forasteiro no Assu nesmo que lá tenha vivido século e meio. O lirismo de Renato, seu generosíssimo bom humor, sua forma peculiar de versejar deram um colorido único à velha Atenas norteriograndense. Renato é um ser mitológico, atemporal.

Desconfio que todo legítimo assuense traz consigo por dádiva divina o DNA de tio Renato. Faz falta.

Oswaldo. Vinha de uma das mais antigas dinastias do Vale do Assu: os Amorim. Oswaldo conhecia tudo do Vale. Sabia de cor seu passado e era o grande profeta da cidade. Ele acreditava de todo o coração que o Assu era tipo uma Terra Prometida, uma Canaã nordestina, de onde um dia desceria o maná do leite e do mel. Defendia a agricultura familiar, o cooperativismo, a agropecuária do Assu. Se fosse nome de um tipo de carnaúba não faria feio. Partiu novo, mas deixou na terra as marcas de um Matusalém - marcas eternas, duradouras, inamovíveis que a revolução dos tempos jamais apagarão. Faz falta.

Os dois Nelsons. Um bem mais velho, camarada, amigo. Sempre o via caminhar em seu velho casarão, na esquina da Getulio Vargas, assoviando alguma velha canção, dessas de apenas duas ou três notas e nada mais. Era alguém que a felicidade bem podia ter escolhido para ser amigo de toda a vida. O outro Nelson era médico, sempre boa praça, amigo de todas as situações, irreverente e desses que quando falava com a gente nos olhava nos olhos. O primeiro, um legítimo Montenegro não teve filhos, adotou o sobrinho da mulher, mas sua casa tinha um viveiro com os mais variados cantos de pássaros. O segundo, de sobrenome Santos, teve logo seis filhos. Faziam da casa um viveiro humano, todos muito falantes, divertidos e eram a simpatia em forma de gente. Fazem falta.

Walter. Parecia saído de livro de anedotas. Tinha um senso humor precioso e em qualquer roda de conversa pontificava como faz o papa no Vaticano. Leal, amigo, irreverente e desses homens honrados que parecem surgir somente de cem em cem anos. Foi prefeito de Assu. E dos mais operosos, trouxe a universidade à cidade. Faz falta.

Os dois João Batista. Ambos Montenegros, mas de galhos bem diferentes. O primeiro, gente muito boa, desses de cara arejada e eterno semblante de menino. Foi prefeito de Assu e deu a cidade a sua mais elegante primeira dama. Era conhecido como Dandan. E nunca esqueceu da praça da Carnaubinha. O segundo era festeiro e parecia viver de carnaval a carnaval e de São João a São João. Tinha sete irmãos formados em boas faculdades, do Recife a Natal e de Natal a Lavras. Costumava dizer que seu pai tivera oito filhos: sete doutores e um homem. Ele. Viveu feliz em sua eterna alegria e mesmo sendo o caçula foi o primeiro a partir. Fazem falta.

Zé Dias. Esse nome bem poderia ser sinônimo para bom caráter e então quando alguém dissesse: "Fulano tem um bom caráter!" Bastaria dizer de forma mais simples: "Fulano é um Zé Dias!" Pessoa simples, afável, sereno. Zé Dias teve um filho e duas filhas, mas tratava a todos como se fossem seus filhos: com correção e generosidade. Está para o Assu assim como os pés de fícus estão para a praça Getúlio Vargas. Faz falta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário