segunda-feira, 28 de abril de 2014

"FINDOU-SE A VELHA RIBEIRA..."

Foto/Arquivo

"Jornal de WM
Tribuna do Norte, 29/04/05


Bastou sair o mote para pipocar as primeiras glosas. Contei ontem aqui a história do doutor Paulo Balá, que, descendo à velha Ribeira depois de demorado recesso e encontrando o bairro bastante deteriorado, sapecou num envelope que abrigava uma de suas cartas do sertão do Acari, a sentença que achei sendo um mote modelar: “Findou-se a velha Ribeira.../ Nem quenga se encontra mais!”. Manhã cedo, abrindo o computador, cá estavam as primeiras glosas. Uma delas, do Laélio Ferreira de Melo, que faz parte da turma do Beco da Lama, e sabe das coisas. Confira:



Findou-se a velha Ribeira...
Nem quenga se encontra mais!



"Já foi madame festeira,
na Quinze, na Quarentena...
De tanto tomar verbena,
findou-se a velha Ribeira!
Já foi linda, a canguleira,
foi mulher-dama no cais...
Envelheceu e jamais
ao violão ouviu juras
- nas suas ruas escuras
nem quenga se encontra mais!"



E lá de longe, das ribeiras de Riacho de Santana, na “tromba do elefante”, aceiros da Serra de Luís Gomes,o professor Jotacê, poeta cordelista e geógrafo, poetou:


“Um bairro que tem história
Hoje se encontra esquecido
É celeiro de bandido
Dia e noite tanto faz
Na vizinhança do cais
Só perigo e bebedeira
Findou-se a velha Ribeira...
nem quenga se encontra mais”.



Aí Aurino de Marpas, poeta de alta estirpe, entra por outra vereda, e antes que o relógio da Igreja do Bom Jesus das Dores, parede e meia com a sua sala, bata as 6 badaladas do findar da tarde, enfileirou estes versos:


Balá, você deu bobeira,
Ao dar, a Woden, o recado,
- para mim, equivocado -
“Findou-se a velha Ribeira”.
Pois, aqui, num tem a feira?
E um dos grandes jornais?
Retrocesso, aqui, jamais!
Porque acho até vantagem,
Se, do Potengi, à margem,
“Nem quenga se encontra mais...”






Nenhum comentário:

Postar um comentário