segunda-feira, 6 de abril de 2015

1981- FOTOS DA ENCHENTE DE SANTA CRUZ – UMA TRAGÉDIA POTIGUAR

  2 COMENTÁRIOS

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR
CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR
FOTOS – Juliergui Andrade, via Elias Damasceno, publicadas originalmente no Facebook.
TEXTO – http://www.jeansouza.com.br/tragedia-trairi/enchente-de-1981-que-devastou-santa-cruz-completou-33-anos-hoje/
As cenas da tragédia do dia 1º de abril de 1981, que contabilizou seis mortes e 1.044 casas destruídas em Santa Cruz deixando cinco mil pessoas desabrigadas e o Rio Grande do Norte sem luz e água por cinco dias, ainda permanece na memória dos moradores do município de Campo Redondo e Santa Cruz.
LUZ
Foram momentos de agonia que marcou as vidas dos cidadãos e fez heroína uma telefonista: Maria de Fátima da Silva, que fez contatos com o prefeito da época, Hildebrando Teixeira, para esvaziar a cidade antes do rompimento da barragem de Campo Redondo, distante 25 km de Santa Cruz, salvando milhares de pessoas.
Telefonista Maria de Fátima da Silva, que fez contatos com o prefeito de Santa Cruz para esvaziar a cidade antes do rompimento da barragem
Telefonista Maria de Fátima da Silva, que fez contatos com o prefeito de Santa Cruz para esvaziar a cidade antes do rompimento da barragem
Apesar de ser o dia 1 de abril, conhecido como o dia nacional da mentira, o alerta da telefonista deu resultado e carros de som anunciaram a ameaça da enchente. Os moradores deixaram para trás suas casas e foram abrigados em prédios públicos ou regiões altas da cidade. Dentro de três horas a enxurrada das águas devastaria a cidade.
A correnteza arrastou veículos em Santa Cruz.
A correnteza arrastou veículos em Santa Cruz.
A ponte da entrada da cidade de Campo Redondo foi arrastada pelas águas. A correnteza percorreu ainda cerca de 80 km e atingiu outros quatro municípios.
Helicóptero Hughes MD 500 da Cosern, decolando em plena rua de Santa Cruz
Helicóptero Hughes MD 500 da Cosern, decolando em plena rua de Santa Cruz
Com 14 torres da rede de energia da CHESF derrubados, o Rio Grande do Norte permaneceu uma semana às escuras. Em Natal, o único hospital com gerador na época era o Walfredo Gurgel. Supermercados fechavam mais cedo com medo de assaltos. Sem energia, o bombeamento para abastecimento de água também foi comprometido.
1981 (11) - Copy
O então governador Lavoisier Maia decretou estado de calamidade pública em toda a região do Trairi e levou fotos da tragédia ao presidente da República, João Figueiredo. O ministro do Interior na época, Mário Andreazza confidenciou ao prefeito de Santa Cruz só ter visto cena igual em guerra.
1981 (25) - Copy
Com a solidariedade de todos, um grande mutirão envolveu as instituições públicas e privadas, ONGs, voluntários, igreja e as próprias vítimas. As três esferas do poder executivo esqueceram diferenças partidárias e também se uniram para reconstruir as cidades atingidas. As doações chegavam de todas as regiões do Brasil.
1981 (13) - Copy
Trata-se da história de uma das mais significativas cidades potiguares e o que ocorreu nunca deva ser apagado da memória!
1981 (7) - Copy
1981 (6) - Copy
1981 (18) - Copy
1981 (3) - Copy
1981 (21) - Copy-001
1981 (16) - Copy
1981 (9) - Copy
1981 (20) - Copy
1981 (1) - Copy
1981 (23) - Copy
1981 (8) - Copy
1981 (22) - Copy
1981 (5) - Copy

Nenhum comentário:

Postar um comentário