sábado, 24 de setembro de 2016

Tudo o que você deveria saber sobre a última vez que a Seleção Brasileira esteve em Natal

Publicado por

Faz mais de 30 anos que o Brasil não joga em Natal e na última partida o calor foi tão grande que precisou até de carro de bombeiro pra refrescar quem foi ao estádio.

O jogo ocorreu em 26 de janeiro em 1982 (34 anos atrás)

post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-time-escalacao-brasil
O time do Brasil em 1982: Waldir Peres; Júnior, Luisinho, Oscar e Leandro; Cerezo e Falcão; Éder, Zico e Sócrates; Serginho. Técnico: Telê Santana. Foto: Imortais do Futebol
Foi em partida amistosa contra a antiga Alemanha Oriental no antigo estádio “Castelão”, e a cidade estava em polvorosa pelo acontecimento.

O Brasil venceu por 3 a 1 de virada

post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-gif-meme-gol-brasil
O segundo gol do Brasil no jogo marcado por Renato (Imagens: Globo Esporte RN)
Os gols foram marcados por Paulo Isidoro, Renato, Serginho e Hans-Jüergen Döerner:
Dorner fez 1 a 0 para a Alemanha aos 34 minutos do 1º tempo. Depois Paulo Isidoro empatou aos 39 minutos.
No 2º tempo Renato virou para 2 a 1 aos 07 minutos (veja o gol no gif acima), e Serginho fechou o placar aos 34′. Brasil 3×1 Alemanha Oriental!

Lá estiveram 48.638 torcedores

post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-estadio-castelao
O antigo estádio Castelão em Natal (local da partida) ficava no mesmo local onde hoje é o Arena das Dunas. Foto: http://cacellain.com.br/blog/?p=54289
O Castelão (na foto) ficou abarrotado. O público registrado para o jogo foi de 48.638 torcedores e a renda foi de Cr$ 24.218.400,00, o que em reais de hoje daria algo como R$ 880.668,89.

O calor estava tão grande que precisou de carro de bombeiro pra refrescar a galera

post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-caminhao-bombeiros
Carros dos Bombeiros típico da época. Foto: Prefeitura Municipal do Rio Grande
Um caminhão dos bombeiros jogou água no público presente com uma mangueira, afinal o estádio não era coberto e não é a toa que Natal é chamada de Cidade do Sol.

E este foi o ingresso da partida

post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-ingresso
post-curiosidades-partida-selecao-brasileira-futebol-1982-ingresso-verso
Moderno, ein?
O Brasil joga novamente em Natal dia 07 de Outubro contra a Bolívia pelas Eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia.
E se você gostou vai gostar também de ver: 10 coisas sobre a primeira partida internacional de futebol da história do Rio Grande do Norte
Fonte: Globo Esporte RN e Blog do Trindade

Do portal: https://curiozzzo.com

Imagem abaixo, do blog.


 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

CARNAUBEIRA, UMA ÁRVORE RICA E BELA


A imagem pode conter: céu, árvore, planta, atividades ao ar livre e natureza


A carnaubeira é uma árvore nativa, tipo palmeira, originária do semiárido do Nordeste brasileiro, muito comum em solos argilosos e de aluvião (beiras de rios e lagos). O município do Assu, no Rio Grande do Norte possuía 17 mil hectares daquela planta, pena que hoje está reduzido a 30 por cento, além do Ceará e Piauí, com maior intensidade. A carnaubeira existe ainda no Ceilão, África Equatorial, Uruguai, mas somente a palmeira. “Devido à irregularidade da estação chuvosa não desenvolve o seu mecanismo defensor do vegetal, não havendo assim o pó cerífero, servindo apenas para adorno.”.

Há informações que a carnaubeira foi vista primeiramente pelo naturalista alemão chamado Alexander Von Humboldt que deu a carnaubeira o apodo de Árvore da Vida, fato este contestado por Câmara Cascudo que “considera improvável que Humboldt tenha pelo menos visto uma carnaubeira para descrevê-la como a Árvore da Vida. A carnaubeira foi descrita pela primeira vez por Jorje Marcgrav, informa Cascudo. “O que Humboldt deve ter visto foi a palmeira carandá, muito semelhante, até na riqueza da cera natural, e não a nossa carnaubeira. Por isso desautoriza a afirmação antiga. Humboldt nunca viu a carnaubeira e sim a palmeira carandá, descrita por Klare S. Markley, um estudioso paraguaio, apesar do nome.” (Vicente Cerejo, O Poti).

Mas, a carnaubeira ficou mesmo chamada cientificamente de Copernícia Cerífera (Miller). Copernícia que quer dizer gênero de altas palmeiras-leques da América tropical, com flores caliciformes, seguidas de uma drupa monosperma. Inclui a carnaubeira. Palmeira desse gênero.
A carnaubeira, também chamada carnaúba que em tupi-guarani quer dizer “arvore que arranha,” é conhecida popularmente como ‘O boi vegetal’ porque, dizia os mais antigos que do boi tudo se aproveita, da carnaúba não se perde nada.

O seu descobrimento é data de 1790. Em 1857, o norte-rio-grandense chamado Manoel Antônio de Macedo foi quem descobriu o processo de extração do pó daquela árvore e, por ele, Macedo provavelmente feito às primeiras experiências de beneficiamento do pó encontrado nas palhas da carnaubeira.

A extração das suas palhas é feito por meio de grandes varas de aproximadamente dez metros de cumprimento, tamanho maior da carnaubeira, podendo excepcionalmente chegar a 15 metros, com tronco (esquife) perfeitamente reto e cilíndrico de 15-25 cm de diametro, com uma foice na extremidade, sem causar danos ao meio ambiente.

A colheita é feita entre os meses de agosto a dezembro e, após a extração da palha da carnaubeira, bota-se para secar em estaleiros, exposta ao sol, para depois proceder ao batimento e extrair o pó. Tempos atrás, extraia-se o pó, na calada da noite, hora em que o vento está brando. Nos anos sessenta, a extração do pó cerifico é extraído por meio de maquinas semelhante à forrageira, máquina de triturar ração animal.

Extraído o pó dar-se o seu cozimento em grandes tachos de ferro fundido, revestido de tijolo (alvenaria), em alta temperatura, com adicionamento de produtos químicos para dá melhor qualidade a cera (principal produto da carnaubeira).

Das suas palhas faz-se chapéu, bolsa, esteira, entre outras peças artesanais. A sua madeira (tronco), serve para cobertura de casas, galpões, currais (Celso da Silveira depõe que “o emprego na confecção de currais de gado teve influência decisiva não desenvolvimento do ciclo da pecuária determinante das primeiras charqueadas no Brasil”) linhas, ripas e serve também para confeccionar utensílios domésticos, bem como porteiras para fazendas e pontes, por acreditar que a sua durabilidade é eterna se utilizado de troco completamente maduro. As coberturas dos casarões seculares do Assu são feitas da madeira da carnaubeira. O escritor memorialista e poeta assuense Francisco Augusto Caldas de Amorim depõe que a semente da carnaúba serve para ração animal bovino e se triturada dá um pó semelhante ao café, servindo de alimento ao homem com inúmeras propriedades medicinais. Das suas raízes dá uma bebida muito usada na medicina depurativa que, quando queimada e pulverizadas substituem o sal de cozinha, sendo também indicado popularmente contra o reumatismo e artrite. O seu fruto é de cor preto e tem um gosto adocicado. A sua polpa quando processada produz farinha.

Era a principal economia o Vale do Açu. A Cooperativa Agropecuária dirigida por Edmilson Lins Caldas, além de Carvalho & Cia, Inácio Bezerra de Gouveia, Pimentel & Cia, Sebastião Alves Martins, Martins Irmãos (Sandoval Martins, Celso Martins) comprava toda a produção que, beneficiada ainda de forma artezanal (na década de setenta a firma Mercantil Martins Irmãos implantou uma usina moderna que transformava a cera tipo escama de peixe, por exigência do mercado importadosr) vendia a grandes exportadores de cera como Johson, Pontes, entre outros de Fortaleza/CE que exportava para Alemanha, Grã-Bretanha e Estados unidos.

Com a exploração da fruticultura irrigada mais de 70 por cento da carnaubeira fora erradicada.
Por fim, a carnaubeira além de ser uma planta nativa, também se planta e implanta. Se plantada leva aproximadamente dez anos para chegar ao ponto da colheita.

Fernando Caldas

Desconheço o autor da fotografia.


 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

"Nos caminhos da guerra".
André Madureira

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

 
Fernando Caldas, eu quero lhe dizer que Edmilson Lins Caldas é um cidadão com expressiva intervenção nos cenários econômico, financeiro e político no município do Assu. Sua ausência desta cidade deixa um vazio. Aqueles que ficaram ainda não acordaram para dar a sequência esperada aos projetos estruturantes por ele implantados. Os agropecuaristas sentem, particularmente os antigos produtores de algodão, da cera da carnaúba e do criador do gado de corte e leite. Suas decisões, simples e sensatas, invariavelmente traziam bons resultados aos sócios da cooperativa que dirigia. A comunidade toda teve a oportunidade de usufruir dos benefícios advindos, seja pela geração local de riqueza, seja pela circulação do capital financeiro, seja, ainda, pelas oportunidades de emprego que eram criadas
Do Assu, minha querida terra Natal, me chega via e-mail uns versinhos sobre a minha candidatura a vereador de Natal do amigo e conterrâneo, poeta chagas Matias que diz assim:

Um assuense de alma, vida e coração, para vereador em Natal

Seria uma grande satisfação
Para o seu primo, o poeta Renato,
Se a Colônia Assuense, elegesse de fato
Um assuense de alma, vida e coração.
Com força da coligação
Do doze com o vinte e cinco
Votando: vinte e cinco, cento e 125
Para o bem da nossa capital
Com Carlos Eduardo prefeito
E Fernando Caldas finalmente eleito
Para vereador em Natal.
(Chagas Matias)
Assu/RN.



domingo, 18 de setembro de 2016

SORRIR PARA NÃO CHORAR

Meu velho pai chamado Edmilson Lins Caldas já se aproxima dos seus 90 anos de idade, figura que não aceitou (seria um caso inédito no Brasil) ser candidato único com apoio de duas lideranças que dominavam politicamente uma importante região chamada Vale do Açu, Edgard e Olavo Montenegro, ser candidato a prefeito por pelos iportantes municípios de Assu e Ipanguaçu/RN.

Hoje, meu pai está acometido por uma terrível doença incurável que se agrava ao longo do tempo, chamada cientificamente como Alzheimer. Pois bem, quero dizer que ele, meu pai, ao receber uma propaganda política (santinho) da minha campanha para vereador de Natal, saiu-se com essa - “Quem é esse?” – Minha irmã então, respondeu: - “Papai, é seu filho!” – A resposta veio na hora: – “Espere, ele é mais velho do que eu?"

 

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Globo cogita afastar Camila Pitanga de “Velho Chico”

Camila Pitanga


Em choque com a morte de Domingos Montagner, Camila Pitanga pode ser afastada de vez da novela “Velho Chico” da TV Globo. A direção da emissora considera que a atriz não tem condições de voltar a trabalhar no folhetim após presenciar o amigo ser arrastado pela correnteza do Rio São Francisco, na última quinta-feira (15), durante um mergulho.
Segundo informações divulgadas por Sônia Abrão no programa “A Tarde É Sua”, da RedeTV!, nesta sexta-feira (16), a decisão será tomada em uma reunião da alta cúpula do canal com a equipe da trama no próximo sábado (17).
 
Caso o afastamento da protagonista do projeto seja confirmado, uma das saídas já estudadas seria escalar os atores que interpretaram Santo e Tereza na primeira fase da trama – Júlia Dalavia e Renato Góes – para seguirem o roteiro previsto.
 
De acordo com Marcelo Serrado, o elenco da novela voltará ao local da tragédia para gravar as cenas finais da obra, após o velório de Domingos. “Estamos todos devastados, em cacos, tentando reunir o que temos para terminar este trabalho de forma digna, em homenagem ao Domingos”, contou ao jornal “O Globo”.


Blog do BG: http://blogdobg.com.br/#ixzz4KSu8YW8R



Índios que gravaram com Domingos Montagner prestam homenagem

A morte do intérprete de Santo na vida real comoveu os indígenas que gravaram com ele na ficção: "Virou um protetor do Rio São Francisco"

 
Os índios que gravaram com Domingos Montagner se emocionaram com a morte do ator. / Foto: TV Globo/Reprodução
Os índios que gravaram com Domingos Montagner se emocionaram com a morte do ator.
Foto: TV Globo/Reprodução

JC Online

                               
As homenagens a Domingos Montagner no Encontro com Fátima Bernardes, da Rede Globo, na manhã desta sexta-feira (16) veio de várias formas. Uma das mais tocantes foi um texto escrito pelos índios da tribo Kaftéia, que gravaram com o ator o processo de ressurreição do personagem Santo na novela Velho Chico.
Fátima Bernardes leu, então, o comunicado dos indígenas, que estavam de luto na aldeia e fizeram um ritual pela alma do Domingos assim que souberam da morte do ator.

"Ele agora é um protetor"

Durante esse ritual, um senhor disse: "Porque estão querendo trazer a alma dele de volta? Ele nasceu de novo hoje. Ele se tornou um novo protetor do Rio São Francisco, que estava tão esquecido. Porque esse rio não pode morrer. A novela contou todos os mistérios do rio, e esse, foi mais um deles. Mas ele se tornou um ser de luz, pois a água não tira a vida, a água dá a vida. Fiquem felizes pela alma dele, pois quando ele entrou no rio, ele se despediu do corpo e alma. Nasceu em um mundo melhor. Algum dia, os brancos irão entender isso. Então temos que fazer um ritual para que os brancos entendam e sejam fortes, pois ele está bem. Ele agora é um protetor do Rio São Francisco", encerrou, deixando os convidados do programa emocionados.
Palavras-chave

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Pesquisa BG/Consult aponta vitória de Carlos Eduardo no 1º turno com 52%

Se as eleições fossem hoje, o prefeito Carlos Eduardo Alves estaria reeleito no primeiro turno, segundo a pesquisa do Blog do BG em parceria com o instituto Consult, mas como ainda restam alguns dias de campanha, a corrida eleitoral rumo à Prefeitura do Natal segue indefinida.
De acordo com a pesquisa estimulada, que é aquela em que o entrevistador mostra os nomes dos candidatos aos entrevistados, Carlos... Eduardo aparece com 52% das intenções de voto. Em segundo a candidata Márcia Maia com 8%. Em terceiro o candidato Fernando Mineiro (7,5%). Seguido por Kelps Lima (6,5%) e pelo professor Robério Paulino (5,5%). Os demais candidatos não somaram um ponto percentual. O número de indecisos é de 8,2% e o total de votos brancos e nulos corresponde a 12,1%.
 

Espontânea
 

De forma espontânea, em que o entrevistado fala o primeiro nome que lhes vem à cabeça, sem acesso a qualquer lista com nomes, o prefeito Carlos Eduardo lidera com 38,3% das intenções de voto. Em segundo aparecem empatados Márcia Maia e Fernando Mineiro com 4,3% das intenções de voto. O candidato Kelps Lima vem logo em seguida com 3,3%, seguido pelo professor Robério Paulino com 2,6% das intenções de voto. O total de indecisos é de 31,5% e o de brancos e nulos é de 14,9%. A lista completa com todos os nomes que foram citados está logo mais abaixo.

 A pesquisa Blog do BG e Consult foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número 08156/2016. Ela foi calculada com margem de erro de apenas 2,8%, uma das menores já registradas em Natal, e com grau de confiabilidade de 95%. A coleta dos dados aconteceu entre os dias 6 e 9 de setembro com 1200 entrevistas, a maior quantidade de entrevistas já realizada esse ano.
 

Postado por Robson Pires
(Do blog de Aluízio Lacerda)

 
A imagem pode conter: 4 pessoas , pessoas sorrindo


                                                          Imagem abaixo, deste blog.

DE ANTIGAS ELEIÇÕES

Tipo popularismo, Zé Carlota foi comerciante na cidade de Assu. Nas eleições de 1982 (antes da implantação da urna eletrônica, o eleitor votava numa cédula de papel, escrevia o número, o nome ou um X no quadrado onde constava o nome do candidato e depositava na urna de lona. Era um clima de guerra no ato da apuração dos votos que era feito pelos mesários e escrutinadores com a presença do Juiz, além dos fiscais de cada partido e até mesmo fiscalizado pelos... candidatos. Mesmo assim, corria o risco de fraude). Pois bem, terminado o pleito (a apuração começava no dia seguinte), Zé Carlota presente, atento, fiscalizando, observou que na secção que teria votado ele e sua mulher não obteve nenhum voto. Indignado esbravejou, para risos dos circundantes: - “Que minha mulher não votou comigo eu acredito. Mas eu, duvido!” - Carlota foi, certamente, mais uma vítima do mapismo eleitoral que então se praticava.

(Fernando Caldas – Vereador de Natal – 25125)

 
SINTA-SE EM CASA

Deste livrinho, data de 1996, charge de Edmar Viana (foto abaixo, capa já envelhecida pelo tempo), feito de estórias pitorescas, conto que certo prefeito do interior potiguar inaugurava obras de sua administração. Uma delas, a Cadeia Pública. O então governador Dinarte Mariz se encontrava presente. Pois bem, na hora da sua fala, o prefeito saiu-se com essa: - "Governador, a cadeia está inaugurada. sinta-se em sua casa." - Sorte do velho Dinarte que o discurso era de improviso...

(Fernando Caldas - Vereador de Natal - 25125)
 
Vagueio nas páginas rasgadas
de um velho livro,
perdidas, esquecidas....
Nas letras por mim escritas
na história de mim mesma.


Cristna Costa