domingo, 22 de julho de 2018

"Quem julga alguém pelo que veste, deve ter esquecido que nasceu nu". 
Espalhe ternura; ouça; observe; auxilie.
A essência é o que conta.
(Da Linha do Tempo/Facebook de AML)

Eleições presidenciais já têm 4 candidatos confirmados em 3 dias de convenções


Partidos têm até o dias 5 de agosto para realizarem suas convenções nacionais. As candidaturas podem ser registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até 15 de agosto





Estadão

Ciro Gomes é candidato, mas ainda não tem vice definido

Nos primeiros três dias de convenções nacionais, quatro candidatos a presidente da República foram confirmados pelos partidos políticos: Ciro Gomes (PDT), Paulo Rabello de Castro (PSC), Guilherme Boulos (PSol) e Vera Lúcia (PSTU). Enquanto o PSol e o PSTU lançaram a chapa completa, o PDT e o PSC ainda vão escolher os candidatos a vice-presidente.
Os convencionais do PDT aprovaram uma resolução autorizando a Executiva Nacional a negociar as alianças para o primeiro turno das eleições e o vice de Ciro Gomes. O PSC também vai articular um vice que agregue apoios, mas o candidato demonstrou disposição de ter uma mulher na sua chapa.
O PSol formou uma chapa puro sangue: Sônia Guajajara será a candidata a vice de Boulos. O partido, no entanto, disputará as eleições de outubro coligado com o PCB, que realizou convenção na última sexta-feira e aprovou a aliança. O PSTU optou por não fazer coligações. O vice de Vera Lúcia será Hertz Dias.
O PMN e o Avante realizaram ontem (21) convenções nacionais e decidiram não lançar candidatos a presidente da República. Na convenção, o Avante decidiu dar prioridade à eleição de deputados federais: terá uma chapa com cerca de 80 nomes e pretende eleger pelo menos cinco.
O Avante não definiu se apoiará algum candidato a presidente no primeiro turno. Já o PMN decidiu que não dará apoio a nenhuma chapa nas eleições presidenciais.
Os partidos têm até o dias 5 de agosto para realizarem suas convenções nacionais. As candidaturas podem ser registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até 15 de agosto. No próximo sábado devem se reunir SD, PTB, PV, PSD e DC.

sábado, 21 de julho de 2018

Para pagar promessa, pai coloca nome de Francisco em 17 filhos

Família é natural de Carnaubais, no interior do RN. Ao todo, são 11 Franciscos e 6 Franciscas.


Por Lucas Cortez*, G1 RN
 
Imagem feita em 2004 com os matriarcas e oito irmãos Franciscos (Foto: Arquivo Pessoal)

Francisca Primeira, Francisca Segunda, Francisca Terceira... E assim por diante até Francisco Décimo Sexto. Esses são os nomes de irmãos que nasceram no município de Carnaubais, na região Oeste potiguar. Ao todo, são 11 Franciscos e 6 Franciscas. Atualmente, 9 deles estão vivos e com idades entre 46 e 64 anos.
De acordo com Francisca Segunda, filha do casal Tarcísio de Moura e Terezinha Pinheiro, os nomes idênticos foram por causa de uma promessa feita pelo seu pai durante a juventude.
"Ele teve tuberculose e ficou muito doente. Então, fez uma promessa para São Francisco, que se ele ficasse curado e tivesse filhos, todos irão ter o nome Francisco ou Francisca. Aí ele ficou bom, casou e teve a gente", conta Segunda, que mora em Assu, também no Oeste potiguar.
Ela explica que a questão numérica não fez parte da promessa. "Meu pai gostava muito de brincar e inventou essa ordem para os filhos", diz ela, aos risos.
Um dos mais jovens entre os irmãos, Francisco Décimo Quarto, de 50 anos, conta que durante o período escolar muitas pessoas brincavam com os nomes dos irmãos. "Na escola muita gente estranhava e fazia piadas, mas agora o povo se acostumou", afirma.
Outro fato curioso é que o irmão mais novo não recebeu numeração. O décimo sétimo filho chama-se Francisco Onésimo, um nome bíblico, dado por influência de Francisca Segunda.
"Eu disse para meu pai que não precisava mais colocar ordem numérica nos filhos. Aí fiz a cabeça dele para registrar com o nome Onésimo, que sempre gostei muito", revela Francisca.
Atualmente, parte dos irmãos moram em Assu e outra em Natal. Os pais são falecidos.
Terezinha Pinheiro faleceu em 2011 e Tarcísio de Moura em 2014 (Foto: Arquivo Pessoal )
Terezinha Pinheiro faleceu em 2011 e Tarcísio de Moura em 2014 (Foto: Arquivo Pessoal )Terezinha Pinheiro faleceu em 2011 e Tarcísio de Moura em 2014 (Foto: Arquivo Pessoal )

Clara Nunes e P. Gracindo - "Brasileiro Profissão Esperança" (Lado A)

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Eu também tenho que morar com a solidão.
Mesmo se eu amo a montanha, o mar e o penhasco,
Ela é minha amante e não me abandona jamais.
Somos como duas crianças sempre fiés uma a outra.
Somos sinceros e sempre estamos brincando.
Tudo para mim, é distante e impossível.
Distante o meu amor, distante a vida que desejo.
Walflan de Queiroz
_______________Em, O tempo da solidão

Mostrar mais reaçõe

Clara nunes - Conto de areia

OLHOS DE ÁGUIA: Agentes de trânsito usam binóculos durante fiscalização em Natal; conduta não tem previsão legal Acesse a Postagem Original




Um registro inusitado no cruzamento das Avenidas Capitão Mor-Gouveia com Jaguarari, na zona Oeste de Natal, está dando o que falar.



Na foto, dois agentes de trânsito estão aparentemente fazendo seu trabalho de fiscalização. Não fosse por um detalhe: um deles está usando binóculos, o que não é previsto na legislação.

Procurada, a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal informou desconhecer o evento e reiterou que não usa binóculos na fiscalização como forma de ampliar o alcance de seus agentes de trânsito.

Como não é um procedimento autorizado por lei, qualquer um pode denunciar o ato à própria secretaria ou a órgão de fiscalização, como o Ministério Público.

Acesse a Postagem Original: http://www.blogdobg.com.br

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Rosalba oficializa aliança com Carlos Eduardo e indica filho para ser vice

Prefeita de Mossoró resolveu apoiar a candidatura do ex-chefe do Executivo natalense, e apontou seu filho o publicitário Kadu Ciarlini como nome ideal para formar chapa com Carlos Eduardo





Assessoria de Imprensa

No encontro, também estiveram presentes o prefeito de Natal, Álvaro Dias (MDB), e o marido de Rosalba, Carlos Augusto Rosado

O PP confirmou nesta quinta-feira, 19, que apoiará a candidatura do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT), ao Governo do Rio Grande do Norte.
O anúncio foi divulgado após reunião entre Carlos Eduardo e a prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP). Rosalba consolidou sua união com o pedetista no intuito de ajudá-lo a chegar ao Executivo Estadual. A prefeita, inclusive, sugeriu seu filho o publicitário Kadu Ciarlini para compor chapa como vice do ex-gestor de Natal.
“Recebo com alegria e honra o apoio da prefeita Rosalba Ciarlini, uma mulher que administra Mossoró com extrema competência, zelo e talento. São quatro mandatos. É um momento de extrema importância para a nossa pré-candidatura. E a indicação do jovem Kadu Ciarlini muito me entusiasma, pois terei um companheiro de inteligência e capacidade de luta, que ingressa na política tendo ótimos referenciais “, disse Carlos Eduardo.
Rosalba também se mostrou satisfeita com a parceria: “O nosso grupo político, os nossos amigos, o nosso partido, analisaram as pré-candidaturas que estão colocadas e vimos que para o novo momento do Rio Grande do Norte, é necessário competência, trabalho e experiência e Carlos Eduardo, por ter sido prefeito quatro vezes, Secretário de Estado, deputado estadual , reúne as condições para um novo momento no Rio Grande do Norte”.
No encontro, também estiveram presentes o atual prefeito de Natal Álvaro Dias (MDB), o deputado federal Beto Rosado(PP), o ex-deputado federal Betinho Rosado e o marido de Rosalba, Carlos Augusto Rosado.
A convenção do PDT acontece no próximo dia 4 de agosto, quando os apoios e parcerias deverão ser oficializados.
http://agorarn.com.br/

Vereador do Interior

NOS VELHOS TEMPOS DA CODEVA


Direta para esquerda: Astério Tinôco (presidente do Sindicato Rural de Açu), Joaquim de Carvalho (representando a CERVAL), Edmilson Lins Calas (gerente da Cooperativa Agropecuária do Vale do Açu Ltda - Coapeval) e o ministro da Agricultura Cyrne Lima (sentado). http://blogdofernandocaldas.blogspot.com.br

A fotografia acima, têm uma estória importante pra contar. Fora nos velhos tempos da CODEVA  - Comissão de Desenvolvimento do Vale do Açu (constituída no início dos anos sessenta). Era um órgão de caráter consultivo e executivo, criada por Osvaldo Amorim, Dom Eliseu Simões Mendes (os gigantes do vale), dentre outros. Era presidido por Edgard Montenegro então deputado estadual e secretariada por Osvaldo. Aquele órgão tinha o objetivo de retomar o desenvolvimento do Vale (sem politicagem ou politicalha nenhuma), até porque o combativo deputado assuense Olavo Montenegro, dentre outras pessoas do seu grupo político local de oposição ao deputado udenista Edgard Montenegro, faziam parte daquela instituição. Pois bem, corria o ano de 1969, os agricultores e pecuaristas daquela importante terra varzeana foram surpreendidos por um decreto do presidente Garrastazu Médici, no sentido de que, 22 mil hectares de terras de aluvião daquela importante região, fossem desapropriados. Fato este que ocasionou durante alguns anos, grandes dificuldades para os proprietários e agricultares que ficaram impedidos de fazer empréstimos agrícolas no Banco do Brasil, única casa bancária então existente no Assu. Foi então que Osvaldo Amorim na qualidade de secretário da CODEVA, Osvaldinho como era mais conhecido era uma figura habilidosa, arrojado, defensor intranzigente daquela região, começou então a se articular. Tomou conhecimento da vinda do Ministro Cyrne Lima ao Estado de Pernambuco (para incentivar já naquele tempo, a caprinocultura no Nordeste btasileiro), entrou em contato com os auxiliares daquele simpático ministro e, consequentemente, a sua ida ao Vale do Açu, para tomar conhecimento da realidade.

O que ocorreu: aquele ministro atendendo aquele apelo dramático, através de Osvaldo, se comprometeu ir até a cidade de Ipanguaçu onde foi realizada uma concentração pública, e aquela situação fora resolvida ali mesmo, na praça pública da terra ipanguaçuense. Era prefeito de Ipanguaçu Nelson Montenegro.

Terminado aquele ato público, Cyrne Lima fora recebido com muita festa pelo Major Montenegro que ofereceu um jantar ao ministro Lima e sua comitiva, bem como aqueles que faziam parte da Codeva, na casa da sua Fazenda Picada/Itu, onde também, naquela ocasião fora lido pelo poeta Renato Caldas, uma carta rimada reivindicatória intitulada "Carta Aberta ao Ministro Cyrne Lima", que muito agradou aquele simpático ministro e aos demais circunstantes, que diz  mais ou menos assim assim:

Senhor Ministro Cyrne Lima
Se é tão grande a nossa estima
Maior é a admiração.
O senhor veio decretado
Conhecer o nosso Estado
Vendo e sentindo o sertão.
Chegou na hora aprazada
De ver a terra oiada
E a triste situação.
Senhor Ministro, a hora é triste
O dinheiro não existe
E o banco não quer soltar.
Como pode a criatura
Trabalhar na agricultura
Sem semente pra plantar?
O sertanejo é um forte
Vive jogando com a sorte
Dando uma em cheia e outra em vão!
(...)
Leve na sua bagagem,
A lealdade e coragem
Dos filhos deste rincão.


ESTA CIDADE DO RIO GRANDE DO NORTE POSSUI DOIS NOMES

Depois daquela cidade que sumiu e reapareceu em outro lugar, agora trazemos uma que possui “dois nomes”, o que causa várias confusões.
No Alto Oeste potiguar, sim aquela região que “não fala a mesma língua que Natal”, uma lei criou em 04 de setembro de 1858 o município chamado de Campo Grande.
Segundo consta na Wikipédia, a região passou a se chamar Campo Grande, devido as extensas campinas situadas à margem esquerda do rio Upanema, campinas essas bastantes propícias a atividade agropecuária.

Foto: Diego Moicano/CG na Mídia / Via: G1 RN
Interesses políticos fizeram com que essa lei fosse refogada em 1868, passando Campo Grande a simples posição de distrito do recém-criado município de Caraúbas.
Mas aí dois anos depois outra lei mudou mais uma vez o nome da cidade, desta vez para Triunfo. E pensa que parou por aí? Não.
Em 28 de agosto de 1903, a Lei nº 192 originada do projeto do Deputado Luís Pereira Tito Jácome, mudou o nome do município para Augusto Severo, em homenagem ao inventor do dirigível Pax, Augusto Severo de Albuquerque Maranhão.
Foi então que no dia 6 de dezembro de 1991, através da Lei nº 155, o município de Augusto Severo voltou ao seu antigo nome Campo Grande. Entendeu?

Igreja da cidade. Foto: Agacê Di Oliveira
Mas finalmente isso vai acabar e a cidade será definitivamente batizada. No dia 7 de outubro de 2018, primeiro turno das eleições, a população poderá escolher se ela manterá o nome Campo Grande ou mudará para Augusto Severo. O plebiscito já foi aprovado pelo TSE.
Os grupos poderão fazer propaganda entre 16 de agosto e 6 de outubro. De acordo com a resolução do TRE-RN, a pergunta que aparecerá na urna será “você é a favor da alteração do nome do município de Augusto Severo para Campo Grande?”.
E pra você, qual nome a cidade deve ter?
Com informações do G1/RN
https://curiozzzo.com



quarta-feira, 18 de julho de 2018

Hoje, 18 de julho, é comemorado o Dia do Trovador, devido ao aniversário desse rapazinho aí, dentista e poeta: Luiz Otávio, o "príncipe dos trovadores", precursor do movimento trovadoresco no Brasil. Um dos fundadores da União Brasileira dos Trovadores. Agradeço a todos os trovadores que muito me fazem aprender nessa caminhada... uns nem estão mais aqui, como Chico Macedo, Ademar Macedo, José Lucas de Barros e tantos outros. Pessoas e poetas como Pedro MeloSérgio Ferreira da SilvaTadeu Hagen, Jose Ouverney, Pedro OrnellasWanda De Paula Mourthe e muitos outros fazem essa viagem em quatro versos valer à pena. Viva! Parabéns a todos os irmãos trovadores. Abaixo, algumas trovas do mestre:
Meus sentimentos diversos
prendo em poemas pequenos.
Quem na vida deixa versos,
parece que morre menos.
Sou como a cana do engenho...
Quem dera que assim não fosse!
Quanto mais dores eu tenho,
o meu cantar sai mais doce!
Nessas angústias que oprimem,
que trazem o medo e o pranto,
há gritos que nada exprimem,
silêncios que dizem tanto!
Eu...você...as confidências...
O amor que, intenso, cresceu...
O resto são reticências
que a própria vida escreveu...

GINÁSIO PEDRO AMORIM

dre Ibiapina, no colégio Jk e onde hoje está assentado o Campus Avançado do Assu, da UERN. A carteira de estudante acima, é uma relíquia (peça para o Museu do Assu), data de 1971. Era diretor, Noé Rogério da Costa e o presidente do Grêmio, Francisco Medeiros Dias. Além de padre Hélio e Noé Rogério foram seus diretores: João Marcolino de Vasconcelos, Adonias Bezerra de Araújo, dentre outros que não vem na minha memória. Fica, portanto, mais um registro que estava no esquecimento.

Sara Montiel - La violetera (1958) HD

"A vida cumpre sempre os seus ciclos. Nenhuma dor é para sempre! Depois de cada inverno a primavera volta".

Cristina Costa

BATEU SAUDADE DO MEU VELHO TORRÃO

Algumas lembranças das décadas de 1960 e 1970
Mais nunca ouviremos a voz de Chico Locutor que na divulgadora municipal tinha uma programação matutina, com informes e músicas;
Nunca mais iremos assistir televisão em preto e branco na antiga linda pracinha do Country Club;
Nunca mais veremos filme no cinema paroquial, na técnica seu Caldas e, no comando, o padre Antas;
Não voltaremos mais a ouvir os lamentos amorosos do grande telegrafista Luís Costa (Luís Peninha), chorando bêbado e cantando 'Maria Helena és tu...';
Nunca mais voltaremos a alugar bicicletas e devolvê-las com o pneu furado, além de chegar em casa todo arranhado;
Nunca mais iremos ouvir o grito estratégico de Zé Doninha, 'bá', que muitas crianças da época tinham medo;
Não voltaremos a ter medo de papafigo, que na infância feliz era uma jogada de nossas mães para não sairmos à noite;
Nunca mais veremos, de longe, papangu mascarado saindo do hotel de Chico Travessa;
Mais nunca iremos tomar banho no moinho, próximo ao campo do Flamengo, com filas imensas aos domingos, controladas por Zezinho de Zuza;
Nunca mais iremos ver Manoel Palheta gritando 'gelé de coco'. Venda garantida após o almoço;
Não voltaremos mais a brincar de bandeirinha e capitão de tropa na antiga pracinha, em frente ao Country Club;
Mais nunca iremos brincar no parque Santa Terezinha, que todo ano era presença certa no Natal e ano novo no nosso torrão;
Nunca mais escutaremos o locutor desse mesmo parque anunciar no sistema de som uma música que começava assim:' Essa linda página musical vai com muito amor e carinho para um alguém eternamente apaixonado por.... E pegue Zé Ribeiro: A Beleza da Rosa;
Não, não voltaremos a jogar bola na 'Porcolândia', hoje está em seu lugar a Escola Josefa Sampaio;
Não voltaremos a ver João Ferreira e Gerson, amigos inseparáveis, bêbados e brincando carnaval numa carroça puxada por um jumento, uma verdadeira tradição momesca por vários anos, por esses 'irmãos;
Nunca mais iremos ver o clássico Flamengo e Vasco, com casa cheia, parando toda a cidade no domingo de clássico num radicalismo que disputava a hegemonia pelo campeonato pedro-avelinense.
Nunca mais veremos os pastoris de Zé Leandro e Aristides, no início da década de 1970, com Diana, sem partido, comandando o encarnado e o azul;
Mais nunca voltaremos a assistir espetáculos do Circo Mágico Nelson, com sua ilusão de ótica; e African Circus, com a contorcionista Marilac fazendo sucesso;
Nunca mais veremos figuras folclóricas da nossa cidade como Canarinho, GB4, João e Julita, Chico Sapo, Garaiada, Arra Diabo, Chico Cardoso, Golinha, Macaco e outros;
Mais nunca iremos pegar canários no antigo campo do Flamengo, nos belos carnaubais com alçapão;
Nunca mais iremos ver e ouvir Pedro de Elvira e seu violão;
Mais nunca veremos o sanfoneiro Tatá e seus Cabras da Peste tocar na sede do Flamengo, aos sábados à noite;
Não, não tomaremos banho nunca mais no açude de Odilon, muito menos pegar piaba;
Nunca mais iremos jogar futebol de salão na quadra do padre Antas, em frente à Igreja Paroquial;
Nunca mais vamos ver os velhos carnavais no Country Club, com Praxedes e Heitor comandando a banda do 16;
Mais nunca veremos a disputa dos blocos, no domingo de carnaval, como Os Econômicos, Xafurdo, Os inocentes, Jovem Samba, Metralhas, etc;
Mais nunca compraremos pães nas padarias de Zé de Teodoro e de Joel Batista;
Nunca mais veremos Zezinho Sapateiro consertando sandálias e sapatos no seu minúsculo estabelecimento de trabalho, local de encontro para conversas verídicas, mas também para piadas;
Nunca esqueceremos que era obrigatório levar papel almaço, com cabeçalho pronto, para fazer prova no antigo primário, no Abel Furtado.
E você, quais lembranças dessa época?
Marcos Calaça, jornalista cultural (UFRN).

terça-feira, 17 de julho de 2018

Em janeiro, 253 mil servidores do Executivo terão reajuste

Em 1º de janeiro de 2019, 253 mil servidores ativos e inativos do Poder Executivo federal terão direito a reajuste salarial, em percentuais diferenciados, informou o Ministério do Planejamento ao Valor. Os servidores do Poder Judiciário também terão direito a aumento, mas o ministério informou que não dispõe de dados detalhados sobre as categorias que serão beneficiadas. O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, no entanto, havia informado que pretendia propor ao presidente Michel Temer a edição de uma medida provisória adiando os reajustes programados para janeiro. 

Colnago está em férias e não foi possível confirmar se ele ainda insistirá nessa proposta. Os aumentos para os servidores do Executivo foram definidos pelas leis 13.327/16, 13.371/16 e 13.464/17, que estabelecem escalonamento em percentuais diferenciados, nos anos de 2016, 2017, 2018 e 2019. Os percentuais de reajuste sobre os salários variam de 4,5% a 6,31%. Em 2018, aumentos concedidos a servidores custaram R$ 4,4 bilhões aos cofres públicos. O Ministério do Planejamento informou que ainda não fez a projeção do impacto desse gasto para o ano que vem. Mas os técnicos da área acreditam que a despesa com os reajustes será semelhante à deste ano.

As categorias de servidores civis ativos e inativos beneficiadas com aumentos escalonados foram: médicos peritos do INSS, auditores-fiscais e analistas tributários da Receita Federal, auditores-fiscais do Trabalho, analistas e especialistas em Infraestrutura, analistas técnicos de Políticas Sociais, peritos federais agrários, servidores do Dnit, servidores da Polícia Rodoviária Federal e servidores da Polícia Federal. Foram contemplados ainda funcionários da carreira jurídica e da carreira de finanças e controle, servidores da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Susep, analistas e técnicos do Banco Central, funcionários da carreira do ciclo de gestão e da carreira de Diplomacia, servidores da Polícia Civil dos ex-Territórios e servidores da Suframa.

Por Ribamar Oliveira