sexta-feira, 5 de junho de 2015

MARCAS QUE SE FORAM:

MARCAS PIONEIRAS DO CATOLICISMO EM ASSÚ
TERRENO PARA IGREJA

1712 – Sebastião de Souza Jorge doou o terreno para serem construídas: a Igreja de São João Batista (atual Matriz) e a Casa Paroquial da então povoação do Assú.

TRABALHOS RELIGIOSOS 

1720/28 – Em Assú os primeiros trabalhos religiosos, foram desenvolvidos pelo Padre Manoel de Mesquita e Silva implantando o hábito religioso ligado à religião Católica Apostólica Romana. Os primeiros atos religiosos ocorreram sob as sombras das frondosas árvores.

FREGUESIA

24 de junho 1726 - Vigariava a Povoação o Padre Manoel de Mesquita e Silva (1726-28), quando foi criada a segunda Freguesia da Capitania do Rio Grande, uma Casa de Oração na Ribeira do Assú, tendo como Padroeiro São João Batista. (Silveira, 1995: 72). A Freguesia de São João Batista do Assú foi a quinta freguesia do Brasil e a primeira a ter como padroeiro São João Batista – O Precursor do Messias.

VISITA DO BISPO 

1746 – O Bispo de Pernambuco, D.FçR. Luís de Santa Teresa, em seu relatório, descrevia a Igreja de São João Batista do Assú: “... Cuja Igreja suficiente pelas suas dimensões, é construída de madeira e barro, tendo apenas um ornamento encarnado e branco, ressente-se absolutamente de obras de prata”.
         Na Capitania do Rio Grande, em 1746, existiam duas freguesias: Natal e Assu (já era a Paróquia do Assu viva em 1726), criando Dom Luiz de Santa Teresa (7º Bispo de Olinda) as freguesias de Caicó e Goianinha. (Marinho, 57, 2006).
        Em tempo: essa referência corresponde a primeira capela construída de madeira e barro onde atualmente esta localizada a Praça São João (marco zero da cidade).  

JULGADO

1754 - 29 de novembro - A Povoação de São João Batista da Ribeira do Assú passou à categoria de JULGADO DO ASSÚ. (Silveira, 1995: 129). O Senado da Câmara de Natal foi contra essa justa pretensão. A despeito, porém, de tal oposição, o Rei, neste dia, despachou favoravelmente o pedido, passando a então florescente Povoação à categoria de Julgado.
          A Povoação de São João Batista da Ribeira do Assú possuía 405 fogos, já era freguesia. (Silveira, 1995: 129). 

O TEMPLO DA MATRIZ

1760/71 - Coordena os trabalhos da Freguesia o Padre João Saraiva de Araújo. (Silveira, 1995:129). Em 15 de julho de 1760 teve início à construção daIgreja de São João Batista (atual Matriz) no terreno doado por Sebastião de Souza Jorge (1712) obedecendo ao projeto em estilo romano por dentro e por fora barroco. As primeiras pedras para edificação foram transportadas nos carros de bois. (Amorim, 1929; 22). Em 06 setembro de 1761 - Chegaram do Apodi alguns índios que começaram a trabalhar nos serviços da Igreja, a 14 do referido mês.

     EM TEMPO: Igreja mais antiga no Brasil que ainda continua em pé está localizada na Bahia, na cidade de Porto Seguro. Chama-se Igreja da Misericórdia. Foi construída em 1526, em cuja época era chamada de Nossa Senhora dos Passos. Não há indícios de que o referido templo tenha sido reconstruído, o que sugere que a obra arquitetônica é original mesmo.No entanto, ela é a mais antiga que continua em pé, porque a primeira igreja construída no Brasil aponta para o ano 1503, também em Porto Seguro. Em Olinda, Pernambuco, existe ainda uma terceira igreja que fora construída no século XVI, por volta de 1550, que permanece em pé, até hoje. (br.answers.yahoo.com).

FESTA DE SÃO JOÃO

2015 - A comunidade religiosa do Assú, devota de São João - o precursor do Messias - está vivenciando 289 anos de festa religiosa, ininterruptamente. Os folguedos  populares, cognominados de profanos, complementam os festejos, cada período com suas particularidades folclóricas.    

Fonte: "Marcas que se Foram" - livro inédito de Ivan Pinheiro.
Foto: Colorindo a Fé - Luiz Neto - Assu/RN - www.flickr.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário