Pular para o conteúdo principal

UMA NOVA ERA DA HISTÓRIA


Publicado em 05/06/2014

http://tokdehistoria.com.br/

Todo mundo aprende na escola que a História divide-se em:
1 – Pré-história: do macaco até o aparecimento da escrita, por volta de 4000 ou 5000 antes de Cristo;
2 – Antigüidade: do aparecimento da escrita até a queda de Roma – e do Império Romano do Ocidente -, derrotada pelos bárbaros, em 476 depois de Cristo;
3 – Idade Média: da queda de Roma até a queda de Constantinopla  – e do Império Romano do Oriente – pelos turcos otomanos, em 1453;
4 – Idade Moderna: da queda de Constantinopla até a queda da Bastilha – e a deflagração da Revolução Francesa – pelos rebeldes jacobinos, em 1789;
5 – Idade Contemporânea: da Revolução Francesa até os dias atuais.
Essa classificação tem lá seus defeitos. O eurocentrismo é um deles. Tudo que mudava na Europa, mudava o mundo, como se uma coisa conduzisse à outra. O extremo oriente, por exemplo, onde o Japão e principalmente a China aprontavam das suas e inventavam onze em cada dez invenções posteriormente atribuídas aos europeus é solenemente ignorada nessa escala de tempo.
Ok. Mas, de um modo geral, a divisão das eras da História é aceita pelos historiadores. Ninguém discute a importância histórica e a mudança de sentido do mundo após cada um desses eventos. Discute-se apenas se não houve outros acontecimentos igualmente relevantes que poderiam justificar uma mudança na classificação das eras, até mesmo criando mais delas.
E é justamente aí em que quero chegar. A meu ver, nós já estamos em uma nova era da História: a Idade Tecnológica. E ela começou há não muito tempo. Mais exatamente em 1989, quando caiu o Muro de Berlin.
De fato, a Idade das Revoluções – nome que daria à atual Idade Contemporânea, inspirado em Hobbsbwan – teria durado 200 anos, de 1789 a 1989. Com a eclosão da Revolução Francesa, ganhou impulso a formação de estados nacionais fundados na democracia e na liberdade em geral, especialmente a liberdade negocial.
Estimulados por suas classes mercantis, os Estados Nacionais – europeus, principalmente – foram à guerra e colonizaram meio mundo, África e Ásia inclusive. Essa disputa por novos mercados foi tão forte que acabou levando a guerras entre as próprias potências coloniais, levando o mundo a experimentar as duas maiores e mais sanguinárias guerras de sua história (I e II Guerras Mundiais).
Depois disso, com o advento de duas novas superpotências, Estados Unidos e União Soviética, a coisa mudou um pouco de figura, mas, na essência, permaneceu mais ou menos a mesma: duas potências duelando em escala global por zonas de influência.
Mas quando o Muro de Berlin caiu, isso se acabou. A ascenção de uma única superpotência mundial – os Estados Unidos – deflagrou uma nova onda de supremacia, baseada no livre fluxo de capital e na expansão formidável da tecnologia.
Essa mudança, claro, trouxe conseqüências. O terrorismo cometido contra os americanos e seus aliados é um deles. Não fossem os Estados Unidos a Roma dos tempos atuais, dificilmente seriam os alvos preferenciais dos terroristas (o que não justifica a violência, para deixar bem claro).
A financeirização do mundo, também. Com o desenvolvimento tecnológico, o livre fluxo de capitais alcançou uma escala jamais vivenciada pela humanidade. O que conduziu no limite a uma cópia de um estilo de vida baseado no consumismo desenfreado.
Creio, portanto, que os historiadores deveriam repensar a classificação das Eras e perguntar-se se o mundo em que vivemos pode ainda ser comparado como uma continuação da Revolução Francesa. A meu ver, essa fase já foi ultrapassada.
Ps: Possivelmente algum historiador já deve ter defendido essa mesma tese, mas devo ressaltar que não li nada sobre isso. Portanto, os erros e acertos devem correr por conta exclusiva do autor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MOISÉS SESIOM, POETA DO ASSU NO FILME", O HOMEM QUE DESAFIOU O DIABO"

Moisés Sesiom (1883-1932) nasceu no Sítio Baixa Verde, distrito de Caicó/RN, porém, se fez poeta na cidade de Assu/RN terra que adotara para viver, cognominada Terra dos Poetas, onde está enterrado.Seus versos populares estão espalhados Brasil a fora. Ele está colocado em várias antologias dos poetas potiguares e ficou conhecido como "O Bocage Norteriograndense". O seu biógrafo é Francisco Amorim (Francisco Augusto Caldas de Amorim) que publicou postumamente em duas edições o livro best-seller intitulado 'Eu Conheci Sesiom'.

"Poeta querido, de vida atribulada, de existência dura, de morte cruel. Vezes, horas e horas ouvi recitar versos de Sesiom, recordando a boemia, vivendo o anedotário, rico de episódios chistosos", escreveu o folclorista, escritor Câmara Cascudo.

Francisco Amorim biografo de Sesiom, escreveu o  livropóstumo best-seller  em segunda edição intitulado 'Eu conheci Sesiom'.

Sesiom imortalizou-se no filme intitulado "O Homem Que…

O BARÃO DE SERRA BRANCA

Indicar a fonte de foto/pintura acima.

A fotografia [pintura] acima, segundo informações do professor santanense Rômulo Gomes, é a única existente do Barão de Serra Branca Felipe Neri de Carvalho e Silva [n. Santana do Matos, 2 de maio de 1829 - m. Caicó, 16 de junho de 1893]. Morreu acidentado quando retornava de viagem que fizera a Juazeiro do Norte, para visitar Padre Cicero nas proximidade de Caicó-RN.

Seus pais Antônio da Silva de Carvalho e Maria da Silva Veloso eram proprietários rurais em Santana do Matos e São Rafael. Há informações que Felipe Neri fora criado no campo, vindo a se tornar, um grande proprietário de terras, explorando a pecuária. Casou-se com Belisária Lins Wanderley [de Carvalho e Silva]. Aquele ilustre casal não deixou descendentes. Belisária era assuense, tipo baixa, magra, falava pouco, simples. Era filha do Coronel Manuel Lins Wanderley [cujo título fora concedido pelo Senado da Câmar…

ALGUMAS CURIOSIDADES DO ASSU NOS ANOS CINQUENTA

No dia 22 fevereiro de 1950 formou-se a comunidade do estabelecimento de ensino Instituto Padre Ibiapina, composta de quatro irmãs, tendo como superiora a Reverendíssima Madre Maria Josélia Tibúrcio. 
A existência do IPI muito se deve aos empresários Minervino Wanderley e Joaquim de Carvalho Costa - curadores do Patrimônio de São João Batista.  No dia 31 dezembro de 1950 circulou o nº 34 da Revista ATUALIDADE, dirigida pelo senhor Arcelino Costa Leitão. A revista era mimeografada.  Essa edição trouxe o programa de visita do governador recém-diplomado do Rio Grande do Norte, senhor Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia.  A comitiva governamental estava prevista a chegar às 9h00, sendo recebida por uma comissão formada pelo prefeito, o criador Fernando Tavares (Vem-Vem) e o empresário Arcelino Costa Leitão na comunidade rural de Lagoa do Mato (a antiga estrada Mossoró/Assu passava  por essa localidade). Depois, já na cidade, seguiu uma vasta programação: Saudação pelo prefeito doutor Edgard Montene…