sábado, 22 de março de 2008

"TRILOGIA DO COTIDIANO - CRÔNICAS, PERFIS E CAUSOS"

O livro (titulo acima), publicado em 2003 do escritor Valério Mesquita, me ofereceu Valério com a seguinte dedicatória: "Ao Fernando Caldas, com a admiração e a satisfação de prefaciar o seu livro "Renato Caldas de Cabo a Rabo".

Naquela edição, Valério faz referências aos escritores potiguares do Assu como Celso Da Silveira (já falecido) e João Batista Machado, ambos merecedores de muitas honrarias que nunca pediram aos assuenses e ao Rio Grande do Norte, mas que tanto merecem.

Quero, portanto, deixar registrado que nós assuenses em especial, precisamos lembrar mais os nossos poetas, escritores e jornalistas que dignificam e engrandecem a literatura, a cultura e a História do Rio Grande do Norte. Vamos conferir o que disse o escritor Mesquita, sobre Celso e Machadinho, respectivamente:

50 ANOS DE "ARTES"

É o título jocoso e lírico da exposição que o escritor Celso da Silveira exibe na Capitania das Artes, de 22 de abril a primeiro de maio.

Celso é um patrimônio vivo da Cidade de Natal. Desde a sua vida boêmia ao lado de Berilo Wanderley, Luís Carlos Guimarães, Newton Navarro, Sanderson Negreiros, Veríssimo de Melo, José Melquíades, Albimar Marinho, Djalma Maranhão e tantos outros
que a memória não alcança, passando por Câmara Cascudo, o bardo assuense assinalou a sua presença na poesia, na vida pública, na trova, no teatro, na literatura, na pesquisa, no jornalismo, com inteligência, criatividade e bom humor.

O gordo é uma expressão lídima de ecletismo cultural que não tem similar na atual geração de intelectuais. Certa vez, perguntei-lhe por que nunca se candidatou à Academia de Letras. "Para preservar a minha rebeldia. Quero caminhar livre e independente", respondeu com aquele sotaque do tempo do Solar da Baronesa do Vale do Assu. Celso nunca renegou as suas raízes telúricas. Sente-se bafejado pelo vento carpidor e inspirador da "terra dos poetas", que produziu Moisés Sesiom, Renato Caldas e Chisquito.

Lembro-me, quando assumi a Presidência da Fundaçõa José Augusto, em outubro de 1980, ao terminar o discurso de posse, Celso quebrou o protocolo e pediu a palavra. Tomei um susto. Logo imaginei que podia ser esquisitice de poeta, exatamente no momento inaugural de minha estréia. E na presença das mais altas autoridades do dito mundo intelectual e administrativo de Natal, Celso me deu "conselhos" de forma desembaraçada e desimpeida. Mais um ponto para a sua marca registrada, a sua logomarca: a irreverência. Depois, pegue "whisky", ao lado de Evilásio Leão de Moura, Racine Santos sob o olhar de mormaço de Deífilo Gurgel.

Se o eleitor desejar saber sobre o que Celso da Silveira escreveu, aproveite os últimos dias da exposição. Vá à Capitania das Artes. Afinal, são cinquenta anos de "artes" que esse gordo travesso produziu e que teve por um tempo, em sua vida, uma estrela guia, estrela manhã, lânguida anunciadora do dia e da poesia: Myrian Coli, que lá está, também.

MACHADO NO IHGRN

A formação jornalística de Machado de Assis moldou-lhe o estilo e a visão do Brasil do seu tempo. Câmara Cascudo, o grande Cascudo, inesgotável na abrangência de sua obra, aprimorou o seu estilo, inconfundível, leve, aliciante, conciso e agradável, ao escrever, diariamente, as suas "Actas Diurnas". Ali, nas páginas inesquecíveis da "República", está, dia a dia, a História do nosso povo, de nossa sociedade, por um período marcante do século XX. Mas também os sentimentos humanos que adquiriram e revelaram sua abrangência universal. Refiro-me ao sentir e ao sonhar dos povos, em escala planetária, entre duas grandes guerras, no transcorrer da Segunda Guerra Mundial e a construção de um novo mundo após, o cataclisma de destruição gerado pelo ódio e pela insanidade dos homens.

Eis o universo, complexo e desafiador da vida profissional de João Batista Machado. Aquele rapaz, inquieto e idealista, que deixou a sua querida cidade de Assu, na década de 1960, para realizar seus sonhos em Natal. sua vocação se revelou espontaneamente. Foi uma opção de vida. Seu salto para a maturidade, exaurindo prematuramente sua adolescência, ocorreu ao exercitar o jornalismo na tribuna do norte. Nos anos 70, jornalista reconhecido e disputado, realizando inesquecíveis reportagens e entrevistas com os grandes homens públicos do Estado, encontrava-se no primeiro time do Diário de Natal. Naqueles tempos, o jornalista, além do compromisso com a verdade e a preservação de sua dignidade profissional, tinha que conviver com os constrangimentos emanados da conjuntura político-institucional. João Batista Machado jamais sucumbiu nos seus vales e nos seus compromissos ético-profissionais.

Cascudo, comentando em tom jocoso o quotidiano do viver em Natal, dizia que "nesta cidade tudo se vê, tudo se ouve, nada se esconde". O conceito profissional como jornalista digno e competente foi o referencial que levou o governador Tarcísio Maia a convidar João Batista Machado para assumir e exercer em seu governo o cargo de Assessor de Imprensa. Do mesmo modo nos governos de José Agripino, Maia, Radir Pereira, e Vivaldo Costa. Também exerceu o cargo de Assessor de Imprensa da Federação do Comércio do Rio Grande do Norte e do sistema SESC/SENAC. Atualmente é Diretor de Comunicação Social do Tribunal de Contas do Estado.

Carlos Castelo Branco, que, através de sua coluna diária no "Jornal do Brasil", registrou e analisou a nossa História em 50 anos do século XX, dizia que o jornalista é ao mesmo tempo personagem e espectador da História.

E por falar em Castelinho, o genial jornalista que reinventou o jornalismo político no país com brilho e credibilidade informativa, devo dizer que o João Batista Machado também assim procedeu com relação ao Rio Grande do Norte, tanto através de suas reportagens ao longo do tempo, como através dos seus livros. E registro, igualmente, a simpatia e apreço que o pequeno grande jornalista piauiense, devotava ao seu colega de Assu, amizade construída em Natal em 1982, quando aqui veio em missão profissional, deixando os dois, como não poderia deixar de ser, pelos bares e restaurantes natalenses, a marca registrada do consumo do melhor escocês. Quatro anos depois, Machado precisou retificar uma notícia veiculada na célebre coluna de Castelo no Jornal do Brasil a respeito da política do RN. E para merecer uma acolhida "in totum", nessa coluna, só quem desfrutasse efetivamente de prestígio político e cultural ou de estima pessoal do renomado jornalista. O nosso João Batista ocupou o espaço que a amizade e a admiração do seu colega lhe permitiam na edição do Jornal do Brasil de quarta-feira, 17 de setembro de 1986, através da transcrição de um longo esclarecimento.

João Batista Machado fez História. Seus livros, todos eles, preservam a memória política do nosso Estado. Dá-lhe vigor e autenticidade. Assim se sucederam "De 35 ao AI-5", "Política no atacado e no varejo", Anotações de um repórter político", "Como se fazia governador durante o regime militar", Anotações de um repórter político", Como se fazia governador durante o regime militar", "1960: Explosão de paixão e ódio" e "perfil da República no Rio Grande do Norte. A sair, Testemunhas de Ausentes (48 perfis).

A vida profissional e a obra de João Batista Machado, limpo e isento, há muito tempo, tornaram-no membro desta casa. Sua posse formal, pública e solene, é apenas mais um gesto de reconhecimento e gratidão da sociedade a quem tanto ilustra e honra, com seu exemplo de jornalista ético e competente, de uma conduta pessoal feita de dignidade, e sua obra, documento vivo e imperecível da nossa História.

quinta-feira, 20 de março de 2008

JOÃO LINS CALDAS

O jornal intitulado Circulador, nº 17, março - 2008 (matéria intitulada Expoentes Poéticos do Rio Grande do Norte), Pág. 7, editado pela Fundação José Augusto, Natal, lembra com muita justiça o grande poeta assuense de Goianinha (RN) chamado João Lins Caldas. O texto transcrito abaixo é de autoria do poeta e escritor Marcos Ferreira em "Breviário da Poesia Norte-Rio-Grandense", ainda inédito. Vejamos:

"Nascido no município de Goianinha, RN, no dia 1º de agosto de 1888, João Lins Caldas é mais um dos grandes injustiçados da literatura norte-rio-grandense. Ainda hoje, passados mais de quarenta anos de sua morte, o conturbado homem de engenho e sonetista de escol permanece num vergonhoso esquecimento. Afora a publicação de "Poética" (1975), antologia postumamente organizada por Celso da Silveira, nada mais o Rio Grande do Norte fez pela sua obra e memória. Sem livros publicados em vida, marginalizado e ignorado em seu próprio Estado, sua poesia jamais se ajustou a nenhuma escola ou vertente literária. Quando muito, constato ao longo dos seus versos um modernismo simbolicamente parnasiano. No Rio de Janeiro, para onde se transferiu em 1912, João Lins Caldas viveu dias incertos e padeceu privações. Colaborou com os principais veículos de comunicação daquela época, a exemplo do jornal "O Malho" e da revista "Fon-Fon". Na Cidade Maravilhosa, entre outros, tornou-se amigo do romancista José Geraldo Vieira, de quem reproduzo o seguinte testemunho: "Pobre, emigrado do Nordeste, conheci-o ao tempo de Lima Barreto, Hermes Fontes e Antônio Torres, na porta da Garnier. Trabalhava como revisor de jornais à noite; vivia na Biblioteca Nacional, de tarde; almoçava e jantava sanduíches de mortadela e caldo de cana, na Galeria Cruzeiro. De volta à terra natal, trazia na bagagem inúmeros desenganos e vasta produção inédita. Entre seus livros não publicados, Rômulo Wanderley menciona "Deus Tributário", "Casa de Pássaros" e "Pulso de Febre". Esquecido e ignorado pela intelectualidade potiguar, João Lins Caldas faleceu em Assu aos 19 de maio de 1967".

LIVRO PERDIDO

Eu tinha o livro irmão desses cadernos,
Que tenho hoje espalhados na gaveta
Era escrito por mim com tinta preta
Tinha sonetos amorosos, ternos...

Branco, continha os madrigais eternos
Que nos lembra a saudade de um poeta...
Nele brilhava, lânguida, secreta
Toda min'halma de gelidez de invernos...

Um dia o livro me caiu dos dedos...
Arrastando consigo os meus segredos
Foi-se esse raio do meu morto brilho...

Fui procurá-lo loucamente aflito
E pela estrada ressoou meu grito
Lembrando um pai que procurasse o filho...


sábado, 15 de março de 2008

"SAÚDE NO FIOFÓ"

O título referenciado acima é o último verso do poema intitulado de "Qué vê matuto humilhado, é tá doente das parte", do poeta matuto Jessier Quirino. Aquele bardo paraibano, no seu livro de estréia sob o título "Paisagens de Interior", 1996, editora Bagaços, do Recife, faz referência, na introdução daquele volume, ao consagrado poeta assuense Renato Caldas, na qualidade de seu admirador. Sobre o poeta de "Fulô do Mato", disse, certa vez numa entrevista, Jessier Quirino: "particularmente eu admiro muito o Renato Caldas, os poetas do Assu em geral. Como pesquisador, minha admiração pela obra de Renato Caldas é latente porque a poesia dele tem um lado lírico, como Zé Limeira e Zé da Luz". Jessier, penso eu, é o poeta matuto mais aperfeiçoado da Literatura Popular Brasileira, além de excelente declamador, sabe com maestria, contar os causos matutos, ou mulher dizendo: é um grande artífice, igualmente a Renato, da poesia escrita em linguagem genuinamente sertaneja. Eis o citado poema para o nosso bem estar:

No tronco do ser humano
Nos finá mais derradêro
Tem uma rosquinha enfezada
Que quando tá inframada
Incomoda o côipo intêro.

Se tussí se faz presente
Se chorá se faz também
O caba não pode nada
Cum nada se entretem
Eu lhe digo, meu cumpade,
Não deseje essa maldade
Pra "rosca" de seu ninguém.

Não sei o nome da cuja
Desta cuja eu tiro o já
O que resta é quase nada
Bote o nada na parada
Quero vê tu aguentá.

Eu lhe digo, meu cumpade,
Que é grande humilhação
Um caba do meu quilate
Adoecido das parte
Fazê uma operação
Não suportando mais dô
O meu ato derradêro
Foi procurá um doutô
De "bocá de arenguêro

De bocá de arenguêro
Fejoêro e Fiofó
Bufante, Fresco e Lôrto
Apito, Brote e bozó.

De Furico e Fedegôso
Piscante, Pelado e Bóga
Fosquete, Frinfra e Sedém
Zuêro, Ficha e Vintém
De Ás de Copa e de Fóba.

De Oiti, Ôi de Porco
Ané de Couro e Caguêro
De Gira-sol e Goiaba
Roseta, Rosa e Rabada
Bôto, Zéro e Mialhêro.

De Nó dos Fundo e Buzéco
De Sonoro e Pregueado
Rabichol, Furo e Argola
Ané de Ouro e de Sola
Boca de Véia e Zangado.

Um doutô de Aro Treze
De Peidante e Zé de Bóga
Que não aperte o danado
Nem deixe com muita folga.

Um doutô piscialista
Em Bocá de Tarraqueta
Doutô de Quinca e Dentrol
Zebesquete e Carrapeta.

Doutô de Rosca e Rosquinha
Tareco, Frasco e Obrom
Ceguinho, Butico e Zero
Tripa Gaitêra e Fon-Fon.

Mialhêro e Mucumbuco
Buraco, Brôa e Boguêro
For Ever. Cruaca e Urna
Gritadô, Frande e Fuêro.

Cano de Escape e Pretinho
Rodinha, X.P.T.O.
Zerinho, Subiadô
Tripa Ôca e Fiofó.

De Joli de Zé de Quinca
Canal 2 e Cagadô
Buzina, Vesúvio e Cego
Federá e Simsinhô
Fagulhêro e Zé Zuada
Rosquete, Fim de Regada...
... Eu só queria um doutô.

O doutô se preparou-se
Parecia Galileu
Aprumou um telescópio
Quem viu estrela foi eu
Ele disse arribe as perna
- Tenha calma, sonho meu
A parti daquela hora
Perante Nossa Senhora
Não sei o que sucedeu.

C´as as força da humildade
Já me sinto mais mió
Me desejo um ânus novo
Cheio de velso e forró
Pros cumpade com franqueza
Desejo grande riqueza:
Saúde no Fiofó.

Posta por Fernando Caldas