FERNANDO CALDAS - SOBRE TUDO

sexta-feira, 31 de julho de 2020

SONETO

Por João Natanael de Macedo

Não te rias de mim! ah! não te rias
Ah! não te rias de quem verte o pranto!
Dá-me a beber em mórbido quebranto
De tua voz as doces sinfonias

Leva-me ao céu de eternas fantasias
Preso ao teu colo, sob denso encanto
De teus olhares, cheios de ardentias

Não te rias de mim! Deixa que o Fado
Creste-me n'alma a última esperança
Mate-me n'alma o sonho meu, dourado!

Não te rias de mim, de meu destino.
Não te rias assim, doce criança,
Que este teu riso é gélico, assassino!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

  Nas Asas da Vida Poema perdido no jardim Eu só queria mãos que me ajudassem arrumar jardins eu só queria braços que me protegessem eu só q...