terça-feira, 31 de maio de 2011

Palhaço é coisa séria!

Eu continuo sendo apenas um palhaço, o que já me coloca em nível bem mais alto do que o de qualquer político.

Chaplin
...
No meio da praça
No meio da graça
Pula, gesticula, dá uma cambalhota
Tem gente que passa, tem gente que nota
Tem gente que ignora a hora do riso
Tem gente que zomba
Do pai do sorriso

O palhaço é preciso
No ato, e no fato
Ele busca bem n'alma
A essência do homem
Sincero, direto e verdadeiro
Como todos deveríamos ser
Ele é inteiro!

Se brinca, sorri
Se eu choro, sofri
Se cai, sente dor
Se ama, demonstra o amor
Se tem vontade, faz
Se quer algo, pega
Se sente, demonstra
Se é amigo, abraça

Agora eu pergunto
Como podem zombar do palhaço?
O Palhaço é sagrado
Não cabe em desmandos
Não cabe em asneiras
Não cabe em arruaças
Muito menos em trapaças
E se ouvir por aí
"Palhaçada!"
Não confunda com a graça
Que o palhaço faz de graça
Essa outra é coisa dos homens
Jamais dos palhaços
Afinal
Palhaço é simplicidade
Ingenuidade
Vem de boa matéria
Por isso não zombem
Afinal
Palhaço é coisa séria!


Bom riso
Sorrir é mesmo preciso!


sempreacontecendo.blogspot.com - Samuel Quntans

Painel sobre impeachment de Collor volta à galeria do Senado

Painel sobre impeachment de Collor volta à galeria do Senado
O presidente do Senado Federal, José Sarney, determinou a recolocação do painel sobre o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mallo, hoje senador, na galeria sobre a história da Casa que ornamenta o chamado "Túnel do tempo".
Todos os painéis haviam sido retirados há anos (para manutenção) e foram recolocados no início da semana, sem o que faz referência ao episódio Collor.
Indagado pela imprensa sobre essa ausência, no primeiro momento, Sarney disse que o impeachment não era para ter acontecido na história do Brasil.
- Foi apenas um acidente - destacou.
Agora, diante da repercussão, decidiu mandar recolocar o painel.
CLIQUE AQUI para ver a versão distribuída pela Agência Senado.

LEIA TAMBÉM:
Senado exclui painel sobre impeachment de Collor

LIÇÕES DE UM VELHO CANTADOR

LIÇÕES DE UM VELHO CANTADOR


Em Açu, sente-se o povo nos versos de Chico Traíra. Sente-se nos olhos de Chico, um clic de revolta:

"O Vale do Açu:
Frase tão pronunciada...
Existe o vale, no nome.
Gritam: terra dos poetas,
Dos verdes carnaubais,
Só há isso e nada mais
E o povo passando fome".

Chico Traira significa o Vale que não conseguiu gritar. O Vale abafado, assistindo de longe os debates paralelos de quem nunca viu um menino querendo comer antes de dormir.

"O Vale possui riqueza?
O Vala possui riqueza:
Mais usando da franqueza
Que o povo aos poucos descobre,
Pois se assim continuar
Uma coisa eu cientifico:
O rico fica mais rico
E o pobre fica mais pobre".

Quando Chico Traíra soube, que dezenas e dezenas de estudantes entre os quais seus filhos) estariam engajados no diagnóstico do Vale, ele não conteve o seu entusiasmo e fez o improviso:

"Poe que quiseram entravar
Tão grande empreendimento?
Aqui só há sofrimento,
Nudez, desemprego e fome;
Pois com o nosso clima incerto
Fartura não se constrói,
Num ano a seca destro,
No outro, a enchente come".

Chico Traíra entendeu que não adianta se decantar o Vale, se ele não está alimentando suficientemente os seus filho. Não adianta construir Mercado do Produtor, sem o produto atravessas sua porta. Chico, num misto de desencanto e revolta, fez este improviso, quentinho, tirado na hora, do forno de sua inteligência:

"Há tempos vem esta terra
À técnica desafiando;
Os anos vão se passando
E os dias ficam mais críticos.
E para que serve este Vale,
Sem trabalho, sem recursos?
Dos repetidos políticos?...

Nota do blog: O texto acima é transcrito do Jornal O Vale, de 28 de junho de 1979, N. 1, cujo periódico era editado pela COMIRGA, sob a direção de José Luiz Silva [Padre Zé Luiz], no início da construção da Barragem Ribeiro Gonçalves ou Barragem do Assu. Fica o registro para os jovens inteligentes do Açu.

Postado por Fernando Caldas 

DIVA CUNHA TOMARÁ POSSE NO DIA 2 DE JUNHO






A escritora, Doutora Diva Maria Cunha Pereira de Macedo tomará posse na Academia Norte-Rio-Grandensede Letras no dia 2 de junho próximo. Diva Cunha ocupará a Cadeira 30, da qual é Patrono Monsenhor Augusto Franklin.


Diva Cunha foi eleita em 7 de agosto de 2006 e sucederá aos Acadêmicos Manoel Rodrigues de Melo, primeiro ocupante desta cadeira, que passou 53 anos no rol dos membros da Academia e foi seu oitava presidente durante 21 anos e 17 dias. Depois, veio Aluísio Azevedo. O poeta Paulo de Tarso Correia de Melo será o Acadêmico que saudará a mais nova ocupante da Cadeira 30. A Cerimônia terá início às 20 horas, na sede da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, Rua Mipibu, 443, Petrópólis.
 
Escrito por Francisco Martins

POEMA

Por Walflan de Queiroz

Não me tirem o que me resta, um mar e um horizonte,
Me dado por Deus para a minha contemplação.
Não me tirem este mar, pois nele parto todas as manhãs,
Para viagens eternas e em que sinto as estrelas me guiarem
Pela Noite em direção aos espaços desconhecidos onde moram
As lembranças daqueles que morreram em abismo de nuvens e de ocasos.
Tendo este mar, tendo este horizonte, posso olhar qualquer paisagem,
Posso pensar em ti, a que foi para mim como um simples e terno
Silêncio, como um som, um gemido por entre as vagas inquietas do meu desespero.

Postado por Fernando Caldas

segunda-feira, 30 de maio de 2011



Por Lilian Palmieri

Deus!!
Que eu possa se forte!
Diante a dor...
Que eu possa usar a fraqueza,
Para aprender...
Que diante das dificuldades,
Sobressaia sua presença...
Fortalecendo me,
Esclarecendo me,
Que eu possa amar e nunca odiar...
Que eu possa ajudar e não criticar,
Que eu tenha o mérito de sua ajuda,
De sua Luz...
Me guiando ao caminho certo,
Entrego te minha vida...
ajude me a ser forte!!!

Postado por Fernando Caldas

CENTRO ASSUENSE EM NATAL


CONVITE

O Centro Assuense em Natal na pessoa do seu presidente Francisco de Souza Junior [Juninho], convida todos os assuenses e os que fazem parte desta comunidade a participarem da Páscoa da Colônia Assuense, a ser realizado no próximo sábado, 4.

PROGRAMAÇÂO:

08.00 horas - Missa e café da manhã

Local: Igreja São João Batista [Lagoa Seca]

12:00 hs: - CONFRATERNIZAÇÃO DANÇANTE

Local: AABB - Av. Hermes da Fonseca, Tirol, Natal

Bandas: Karkará e Francinaldo Show.

Postado por Fernando Caldas

DO MEMÓRIA VIVA

                                 Capa da revista Careta de 6 de novembro de 1954.

Nas legendas:

A DERRUBADA

Café Filho: Não sei por onde começar!
Jeca: Comece pelos alicerces...

[Do blog: No tempo em que o potiguar Café Filho assumiu a presidência da República após o suicídio de Getúlio Vargas. A revista humorística Caretas, do Rio de Janeiro circulou de 1908 a 1960.

Postado por Fernando Caldas

Ipanguaçu do bem: Fique sabendo!

Ipanguaçu do bem: Fique sabendo!: "Historia do nosso Município, fotos e momentos marcantes. Os primeiros caminhões. O primeiro Caminhão a chegar na vila Sacramento, foi ..."

A MAIS LINDA CAMPANHA POLÍTICA DA HISTÓRIA DO ASSU - 1976

Músicas, Parodias e modinhas que arrastavam multidões e encantavam a gentinha da cidade do Assú.

Manuca.


Depois de perder a prefeitura para Valter Leitão, Olavo Montenegro trás seu jovem filho para ser candidato a prefeito. O partido jovem assim como era conhecido nos anos 70 o MDB, hoje PMDB, deixou marcas de saudade na política do Vale do Assú. Olavo homem destemido, corajoso, amigo dos amigos, era um orgulho para seus seguidores, hoje os políticos só pensam em si, e os eleitores que se danem, quem é bom hoje, amanhã não presta, quem era o ruim passa ser o bom. É lamentável essa miscelânea e partidos, cada um querendo criar um partido para tirar proveitos próprios, é assim a política de hoje.


Por onde Santarém passava arrastava multidões.

Voltamos a 76, Olavo trás para o Assú um carro de som com cornetas americanas, grande novidade na época, um Veraneio amarela com um grupo musical chamado Santarém que arrastava multidões pelas ruas da cidade com galhos, bandeiras e lenços verdes em passeatas memoráveis e inesquecíveis.


Imagem ilustrativa - Passeata dos Bacuraus.

A partir de hoje, Ipanguaçu do Bem vai relembrar com você as letras dessas músicas da campanha de Manuca para Prefeito do Assú. Vamos começar relembrando aonde tudo começou na casa do saudoso João Batista Montenegro na Rua Manuel Montenegro. Hoje vamos deixar varias letras de paródias que iniciaram a campanha de Manuca.



Foi na casa de Batista/ Que o partido programou/ Mais uma passeata/ Pra dizer ao fechador/ que o povo do Assú/ Adormeceu, mas acordou/ vamos votar em Manuca/ Candidato do amor.

Refrão: Todo mundo unido está/ de mãos dadas, gritando nas ruas/ Manuca vai governar (bis).

2° Música “A favela”, paródia (saudade).

Refrão: Saudade ou, saudade/ Saudade da capital ao sertão/ Saudade é o grito do povo/ A espera que volte de novo/ O cigano de lenço verde na mão.

Henrique é o mensageiro/ da voz que silenciou/ Olavo apresenta Manuca/ Candidato do amor/ João Batista guerreiro forte/ Da Zona Norte, da Zona Sul/ Abraça a gloriosa cidade do Assú.



Olavo manda agora/ O filho em seu lugar/ todo Vale do Assú/ Vai com ele votar/ Será Manuca um Prefeito legal/ E seu pai ficar lutando, na Assembléia Estadual.

Fizeram cartas, piadinhas e tudo mais/ Porem Olavo é bamba/ E passou tudo pra trás/ No dia 15 em Manuca eu vou votar/ E Olavo vai voltar para Assembléia Estadual.

4° Hino do MDB: O Partido Jovem

MDB, MDB, MDB/ O povo agora vota certo com você/ MDB, MDB, MDB/ O povo vota certo com você.

Fiscalizar o governo é o papel da oposição/ E politizar o povo, engrandecendo a nação/ Pensando em liberdade, o leitor deve escolher/ Todos os candidatos da legenda MDB.

5° Música “Filho da Veia”, paródia (Sou MDB)

Sou MDB, você sabe porque/ É o MDB, que está com você/ Quem quiser que acredite, ou então deixe de acreditar/ Que o MDB é um partido pra frente/ E em Manuca nós vamos votar/ Assim desse jeito, não tem fechador que se aguente/ Vamos de mãos dadas seguindo em frente/ Jogar o fechador no fundo do mar.

No próximo Sábado mais letras da campanha de Manuca para você recordar.

Você lembra dessa campanha, das músicas, das passeatas, então deixe seu comentário.

Postado por IPANGUAÇU DO BEM

Ipanguaçu do bem: A mais linda campanha política da historia do Assú...

Ipanguaçu do bem: A mais linda campanha política da historia do Assú...: "Músicas, Parodias e modinhas que arrastavam multidões e encantavam a gentinha da cidade do Assú. Manuca. Depois de perder a prefeitura par..."


Por Cristina Costa

‎*Sobre as águas*

-Toque no Altar-
Se o sol se pôr
...E a noite chegar
Tu és quem me guia-

Se a tempestade me alcançar
Tu és meu abrigo.

Se o mar me submergir
A tua mão
Me traz a tona pra respirar
E me faz andar
Sobre as águas.

Tu és o Deus da minha salvação
És o meu dono da minha paixão
Minha canção e o meu louvor.

És meu louvorJesus. ♥


domingo, 29 de maio de 2011

PESSOAS DO BEM

José Severino de Massena, nasceu em 11 de Janeiro de 1924 em Aracají - PB e veio para o Rio Grande do Norte em 1950, trabalhou na policia Militar em Amazônia por três anos e no antigo território Federal de Roraima por dois anos, foi vereador por duas legislaturas em Ipanguaçu, 1956 e 1964, trabalhou no DNOCS por nove anos, exerceu a função de enfermeiro na comunidade do Pataxó, onde conheceu um de seus melhores amigos, o Senhor Euripdes Floresta de Oliveira que foi candidato a vice Prefeito na Chapa encabeçada por Massena em 60, Euripdes também foi vereador em Ipanguaçu. Massena também foi vereador em Acarí antes de entrar na Política de Ipanguaçu. Trabalhou como delegado censitário em 60, junto com Salete e Cachina que depois viria ser a sua esposa. Casou-se no dia 18 de junho de 1961 e no próximo dia 18 de junho completará 50 anos de casado (bodas de ouro), teve seis filhos, Side João, Sá José, Severino Junior, Sara Joice, Sergio francisco e Sávio (já falecido).

Gosta muito de política e disse que cada Prefeito contribuiu para o desenvolvimento de nossa cidade, mas destaca Edson Gê Gonzaga como um dos melhores Prefeitos de Ipanguaçu. Massena já andou muito pelo Brasil como Paraíba, Recife, Amazonas, Roraima, Rio de janeiro, Piauí e Ceará, mas atualmente reside em Ipanguaçu, onde tem um comércio na Avenida Luiz Gonzaga no centro da cidade. Para você Massena, homem honesto e trabalhador, que mesmo sem ser filho de Ipanguaçu, é um Ipanguaçuense de coração. Vai aqui a nossa homenagem, pois você merece o carinho e o respeito de todos Ipanguaçuenses. É bom ter você como amigo.

 
Escrito por juscelinofranca às 10h50

CENTRO ASSUENSE EM NATAL

CONVITE

O Centro Assuense em Natal na pessoa do seu presidente Francisco de Souza Junior [Juninho], convida todos os assuenses e os que fazem parte desta comunidade a participarem da Páscoa da Colônia Assuense, a ser realizado no próximo sábado, 4.

PROGRAMAÇÂO:

08.00 horas - Missa e café da manhã
Local: Igreja São João Batista [Lagoa Seca]
12:00 hs: - CONFRATERNIZAÇÃO DANÇANTE
Local: AABB - Av. Hermes da Fonseca, Tirol, Natal
Bandas: Karkará e Francinaldo Show.

Postado por Fernando Caldas






sábado, 28 de maio de 2011














Por Cristina Costa

Palavras bonitas
fazem bem ao ouvido,
ações sinceras
alegram o coração.

[Do Facebook - Refleccion,. de Cristina Costa]



Por Lilian Palmieri

Sonhe!!

Sonhar dormindo,
Sonhar acordado...
Sonhe,
Sonho que negamos...
mas que a realidade acaba nos mostrando,
Sonhar,vivenciar....
Sonhe uma vida ou...
viva seu sonho,
Mas sonhe!!
sonhe com a paz,
E viva em paz,
Sonhe com teus medos...
Sem receios,
O sonho te mostra o caminho,
Para continuar teu destino...
Sonhe sempre,
Mas não transforme...
Tua vida em um sonho,
Realize teus sonhos...
Viva e sonhe,Sonhe e viva,
Mas...Sonhe!!

Podado por Fernando Caldas

PALLOCE MOSTRA TRANSPARÊNCIA



(Do Blog de Aluíziolacerda)

Nada melhor do que uma fotografia para relembrar um tempo bom que passou...

A política de Assú sempre foi marcados por apelidos engraçados.
Nada melhor do que uma fotografia para relembrar um tempo bom que passou...
A política de Assú sempre foi marcados por apelidos engraçados.



O golinha, a onça, O Nego,ocomandante,o jacaré a zebra o Louro e o Aviãozinho. Tofos eles foram orefeito do Açu.




Atenção: Apartir de amanhã, Ipanguaçu do Bem vai relembrar para os bacuraus de Assú, a mais linda campanha política de sua historia. Olavo apresenta Manuel Montenegro Neto (Manuca) a prefeito do Assú.







Postado por IPANGUAÇU DO BEM ALUISIO DE França

Escrito por juscelinofranca às 07h48

quarta-feira, 25 de maio de 2011

DO SITE MEDIOCRIDA-PLURAL, DE LAÉLIO FERREIRA DE MELO

NOTÍCIAS DO VERDE VALE
***

UM IMEIO DE FERNANDO CALDAS:

"Folheando o livro de Ezequiel Fonseca Filho sob o título "Poetas e Boêmios do Açu", deparo-me com um poema de autoria do jornalista açuense amigo e admirador de seu pai, chamado Otávio Amorim (irmão de Francisco Amorim) que ao comentar uns versos dele, Otoniel, escreveu:
"Othoniel teu poema
É a mais brilhante gema
Do escrínio do coração,
Nele palpita fulgente
A História de toda gente
Do nosso amado sertão.

No estuário da rima
Vê-se logo a tua rima
Pelas coisas do sertão
E a tua alma inquieta
Já descobriu do poeta
As molas do coração.

Como fulguram teus versos
De bairrismo todo imersos,
Descrevendo céus de anil,
Nos mostrando o juazeiro,
Fronde verde, sobranceiro,
- Bandeira do meu Brasil.

Quem diz sertão, diz saudade,
Diz amor, alacridade
Diz coisa que não se vê,
Quem uma vez lá chegando
Acaba nele morando
Como eu, como você.

O sol parece um braseiro
Acendido o dia inteiro
P´ra iluminar todo o chão
E a lavadeira coitada
Com sua coxa tostada
Quem sabe se o coração?!"

1º Concurso Literário Pague Menos


Todos carregamos um escritor dentro de nós. Ajude-o a abraçar seu primeiro prêmio. para participar faça sua inscrição e entregue sua ficha em uma FARMÁCIA PAGUE MENOS ou preencha a ficha pelo site www.advance.com.br/_cliente/paguemenos/concursoliterario/inscrição.php e inscreva sua poesia com o tema "A Força do Abraço" até dia 31 de maio.

As poesias vencedoras serão conhecidas numa cerimônia ao vivo pela twitcam do twitter da PAGUE MENOS no dia 31 de julho.

Os cinco primeiros lugares receberão quantias em dinheiro.
O 1º Lugar R$2.000,00(dois mil reais),
2º Lugar R$1.500,00 (mil e quinhentos reais),
3º Lugar R$1.300,00 (mil e trezentos reais),
4º Lugar R$1.000,00 (mil reais) e
5º Lugar R$700,00 (setecentos reais). 

E tem mais as 100 melhores poesias, incluindo as cinco citadas anteriormente, serão publicadas em coletânea e cada pessoa receberá 5 exemplares dessa compilação.
Para mais informações consulte o regulamento no site. Participe!
Fonte: pdvcanalfarma.com

Postado por Fernando Caldas

Fragmentos
 
Por Cristina Costa
 
Em silencio seguro a tua alma
Em minhas mãos suavemente
Trago-a comigo
Num aconchego reconfortante.

Iluminas-me, fazes brilhar
O melhor de mim
Num sorriso doce
Numa ternura sem fim.

Fecho os olhos no escuro
Num silencio imenso
Sinto o bater do teu coração
Em mim, intenso.

O teu cheiro sente-se
Em meu redor, doce, quente
Deixa-te ficar aqui
No meu coração, na minha mente
 
 
 

UTILIDADE PÚBLICA


1º RECADO DA POLÍCIA MILITAR 

 CUIDADO em BARES, RESTAURANTES, IGREJAS e outros locais de encontros coletivos.

Bandidos estão dando de 10 x 0 em criatividade em nós e na Polícia, portanto,vamos
acabar com isso.....
Vejam: Você e seus amigos ou familiares estão num bar ou restaurante, batendo papo e se divertindo. De repente chega um indivíduo e pergunta de quem é o carro tal, com placa tal, estacionado na rua tal, solicitando que o proprietário dê um pulinho lá fora para manobrar o carro, que está dificultando a saída de outro carro.
Você, bastante solícito vai, e ao chegar até o seu carro, anunciam o assalto e levam seu carro e seus pertences, e ainda terá sorte se não levar um tiro...
Numa mesma noite, o resgate da Polícia Militar atendeu a três pessoas baleadas, todas envolvidas no mesmo tipo de história.
Repasse esta notícia para alertar seus amigos... O jeito, em caso semelhante é ir acompanhado! Chame alguns amigos para ir junto, e de longe verifique se é verdade.
Isto também pode acontecer, quando se está na igreja, supermercado... ou em outros locais de encontros coletivos. 
'MENSAGEM TRANSMITIDA PELO ATENDIMENTO 190 
'


2º RECADO DA POLÍCIA MILITAR 
NOVA MODALIDADE DE ASSALTOS A VEÍCULOS 
Imagine que você vai para o seu carro que deixou estacionado bonitinho, abre a porta, entra, tranca as portas para ficar em segurança e liga o motor.
Você não faz sempre assim?
Entretanto, olhando pelo espelho interno, você vê uma folha de papel no vidro traseiro, que te bloqueia a visão.
Então, naturalmente, xingando quem colocou um maldito anúncio no seu vidro traseiro, você põe o carro em ponto morto, puxa o freio de mão, abre a porta e sai do carro para tirar o maldito papel, ou o que seja que esteja bloqueando a sua visão.
 
Quando chega na parte de trás, aparece o ladrão, vindo do nada, te rende, entra e leva o seu automóvel c/ a chave na ignição, o motor que estava ligado (se tiver bloqueador já vai estar liberado), c/ a sua carteira, documentos e o que mais houver lá.
Assim, se houver alguma coisa bloqueando a sua visão, não desça do carro.
Arranque o seu veículo usando os espelhos retrovisores externos, espere e desça em outro local, mais à frente, c/ total segurança.
 
REPASSE!!! Esta é quente! Muito cuidado e atenção !!! 

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende. 

Boa sorte, boa prevenção, e fiquem atentos.
 
" Vale salientar o quanto é importante repassar este email para todos os nossos conhecidos. "


terça-feira, 24 de maio de 2011

PÁRA-CHOQUES DE CAMINHÃO




01 - Se ferradura desse sorte, burro não puxava carroça.

02 - Deus pôde fazer o mundo em 6 dias porque não tinha ninguém perguntando quando ia ficar pronto.

03 - Mais virgindades já se perderam pela curiosidade do que pelo amor.

04 - Mulher de amigo meu pra mim é que nem violino… viro a cara e meto a vara.

05 - Cada ovo comido é um pinto perdido.

06 - Se andar fosse bom, o carteiro seria imortal.

07 - Mulher feia é igual a ventania, só quebra galho.

08 - Os últimos serão os primeiros e os do meio, sempre serão os do meio.

09 - Filho é igual peido: você só agüenta o seu.

10 - Mulher é que nem lençol: Da cama para tanque, do tanque para a cama.

11 - Quem dá aos pobres, tem que pagar o Motel!

12 - Se barba fosse respeito, bode não tinha chifre.

13 - Se tamanho fosse documento o elefante era dono do circo.

14 - A mulher foi feita da costela…imagine se fosse do filé.

15 - Coloque a bandeira nacional na cara dela e faça pela pátria!!

16 - Adoro as rosas, mas prefiro as trepadeiras…

17 - Se chiar resolvesse, Sal de Frutas não morria afogado.

18 - Todos os cogumelos são comestíveis. Alguns só uma vez.

19 - Quem tem olho gordo, usa colírio diet.

20 - Macho que é macho não engole sapo, come perereca!

21 - Existem três tipos de pessoas: as que sabem contar e as que não sabem.

22 - Aonde vamos parar? Até Papai-Noel anda saindo com veados.

23 - Não faça na vida pública aquilo que você faz na privada.

24 - Nasci careca, pelado e sem dente. O que vier e lucro!

25 - Seja legal com seus filhos. Eles que vão escolher seu asilo.

26 - Rouba dos ricos e dá aos pobres. Além de ladrão é gay.”

27 - A pior das sextas-feiras ainda é melhor do que a melhor das segundas-feiras.

28 - Não há melhor momento do que hoje para deixar para amanha o que você não vai fazer nunca.

29 - Eu sempre me importei com a beleza interior da mulher. Uma vez dentro…beleza!

30 - Sexo grátis, amor a combinar.

31 - Se o amor é cego o negocio é apalpar.

32 - Se sua mulher pedir mais liberdade, compre uma corda mais comprida…

Fonte: TARINGA!

segunda-feira, 23 de maio de 2011

UMA VELHA HSTÓRIA DE AMOR

Sobrado da Baroneza de Serra Branca. Foto de Ozair Lima


Celso da Silveira em seu livro intitulado de Assu, Gente, Natureza, História, 1995, depõe que “o primeiro rapto de moça da história amorosa do Assu, foi a do Major João Francisco Barbalho Bezerra. Que tirou a jovem Francisca, do sobrado do Cel. Manoel Lins Wanderley, hoje conhecido como sobrado da Baronesa. Ele atirou um sexto grande e, de madrugada, atirou um cabo para a sacada, de onde fez descer a sua bem-amada.” Já o antologista Ezequiel Fonseca, em Poetas e Boêmios do Açu, 1984, pág. 75, afirma  que aquele casal veio a se casar. Depõe ainda Fonseca que "os mais velhos quando passam por baixo da sacada com gradil de ferro, do casarão da Praça Getúlio Vargas, lembra o episódio que define uma época de arraigados preconceitos sociais."











Por Crsitina Costa

Tu, minha saudade
As rosas também choram
E com elas eu chorei.
Ao passar por mim a brisa
Teu perfume reencontrei.

De um aroma especial
Que fez de ti a saudade.
Com as rosas eu chorei
Da minha própria fantasia.

Doce brisa volta aqui
Quero de novo sentir
Esse perfume perdido
E a vontade de sorrir.

Esse perfume a saudade
Ainda que sem saber
Por ti, foi enviado
Para aguçar mais o meu querer.

Postado por Fernando Caldas

JOSÉ AGRIPINO ANIVERSARIA



É preciso dizer um pouco da trajetória, da vida pública deste grande político brasileiro chamado José Agripino Maia. Antes, porém, os meus parabéns pelo seu aniversário, hoje, 23.

José Agripino ainda jovem foi indicado prefeito de Natal, em 1979. Em 1982, na primeira eleição direta após o regime militar, se elegeu governador da terra Norte-rio-grandense, pelo PDS, ganhando para Aluízio Alves. Eleição que obteve 57% dos votos. Eu tive o prazer, na qualidade de candidato a vereador pelo meu querido município do Açu, de caminhar  com ele, entre outros da política local, pelas ruas e lugarejos daquela daquela terra açuense, naquela memorável eleições.

Zé Agripino governador teve ativa participação no movimento pela volta das eleições diretas, foi o primeiro dos governadores a romper com o governo militar, apoiando Tancredo Neves a Presidência da República, em 1985.

Agripino renuncia o governo, se candidata a senador da República nas eleições de 1987, se destaca no senado como “presidente da Comissão Mista que elaborou o Código de Defesa do Consumidor.”

Não foi a toa que ele voltou ao governo do Rio Grande do Norte nas eleições de 1990. Agora, me vem à lembrança de uma frase de seu pai ex-governador Tarcísio Maia, que diz assim: “Quem foi bom governador sempre é governador”.

Deixa o governo e se candidata novamente ao senado com sucesso, nas eleições de 1994. Naquele tempo exerceu a vice-presidência do PFL, agremiação partidária que passou em 2007 a ser denominado DEMOCRATAS. Naquele mandato foi presidente da importante Comissão de Infra-estrutura e Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.

Veio então as eleições de 1998, candidata novamente ao governo do estado, perdendo a eleição para Garibaldi Alves Filho, respeitou a decisão popular, o resultado não lhe abateu.

Nas eleições de 2002 se reelege senador e se torna líder do PFL, se destaca nacionalmente. É reconhecido com parlamentar influente, combativo, uma das 'cabeças' do Senado Federal. Fato este afirmado pelos institutos de pesquisas, inclusive o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar [DIAP]. A derrubado da CPMF foi um dos seus maiores empenhos.

Em 2010 se candidata outra vez ao senado e se reelege com uma expressiva votação, obtendo 958.891 votos dos potiguares que lhe fizeram justiça pela sua decência, pelo seu trabalho dedicado a terra potiguar e ao Brasil.

Afinal, de José Agripino, digo: Orgulha  e dignifica o Rio Grande do Norte.

Fernando Caldas









Charge Online

domingo, 22 de maio de 2011



O dia adormece,
o cansaço esquece,
e fala d´amor.

A noite corteja,
...no escuro deseja,
alívio pr´á dor.

O dia é tão louco,
apressado agonia,
fica feliz com tão pouco,
o amor tem magia.

Depois livre é ave,
dá vóz ao coração,
só coração suave,
pode falar de paixão.

(Serafim Ribeiro)

[Do Facebook de Cristina Costa]

O GLORIOSO BOTAFOGO - O Garrincha é o Brasil !!!

TOINHO DE ANGELINA UMA RESERVA HISTÓRICA ESTEIO DA RESISTÊNCIA DEMOCRÁTICA EM NOSSO MUNICÍPIO



Nada é mais salutar ao ser humano do que a própria vida, ontem durante o lançamento do Livro editado por Luizinho Cavalcante, tivemos a imensa e incontida satisfação de encontrar entre os convidados do evento, o velho amigo Antônio Fortunato de Albuquerque, andando tropegamente, conduzido pelo auxilio do sobrinho Mário (Pelé).

Toinho com uma vista prejudicada, vendo as coisas apenas por um olho, mas com uma lucidez fenomenal, relembrando de tudo e de todos.

Tornou-se uma criatura bastante conhecida, pelo epiteto de Toinho de Angelina, uma referência íntima da sua saudosa Mãe.

Conversar com Toinho me fez retroceder mais de 40 anos da nossa convivência e amizade, lembro que quando se instalou o processo da ditadura militar estudava no Colégio Diocesano de Mossoró, vindo de férias pra nossa recente emancipada cidade, trazia da cidade maior, noções bem acentuadas do sufoco que passava a sociedade brasileira, reprimida nos seus anseios mais legítimos.

Toinho era a pessoa com quem dividia minhas preocupações, inteligente com espirito libertário, contribuia com as noções da sua experiência de antigo caixeiro viajante informações de épocas de conflitos, como a do golpe de estado dado por Getulio Vargas, falava-me da redemocratizção em 46 feita por Dutra, da luta do petróleo e ainda me situava a respeito integralismo e do radicalismo entre o "Perré e a aliança". Toinho de Angelina foi para mim um guia vivo de informações, falava-me da época do cangaço, sendo Lampião o terror do sertão, Manoel Torquato liderando um bando homens rude, do trabalho braçal da agreivultira e das salinas, combatendo a exploração capitalista dos patrões.

Lembro que depois de conversar horas e horas, ele que gostava muito de beber me chamava pra tomar uns tragos de aguardente na bodega de Avaní, Adail ou Julião, findando geralmente numa farra maior.

Grande era minha preocupação, gostava de discursar, possuia boa oratória e sem medir circunstâncias, sem avaliar consequências do momento politico que vivia a nação, metia o malho nos generais, batia na ditadura, no governo Castelo Branco, ficando eu no meio, querendo diminuir o impacto de suas palavras com medo do delegado vir lhe dar voz de prisão, fato que não acontecia devido o grau de amizade com a autoridade local e ninguém dedurá-lo a força politica existente na cadeia do Assu.

Toinho de Angelina foi grande comerciante, bom balconista sabia passar a mercadoria para o freguês, uma certa ví um menino dando recado, papai disse que o senhor mandasse uma fechadura e anotasse na caderneta; olhou o estoque e a mercadoria tinha se acabado, não perdeu tempo voltou para o balcão com um jogo de ferrolho: Diga a seu pai que feche a porta com isso, fiz o pedido das fechaduras mais o viajante ainda não trouxe. Achei bastante interessante a forma de vender o seu produto.

Sempre gostou de conversar politica, talvez esteja aí a razão maior da nossa identificação, militante de carteirinaha do MDB que depois veio acrescentar o P da sigla atual, foi seu presidente muncipal por algum tempo, era um apaixonado Aluizista, um chorão de Olavo Lacerda Montenegro, ainda hoje carrega as fidelidade a familia Alves.

Toinho está exatamente com 82 anos de idade, ontem retornou á Carnaubais, sendo prestigiado pelo o autor que teve a honradez de autografar pra o conterrâneo o primeiro exemplar da noite de lançamento.

Antônio Fortunato de Albuquerque (A.F. A, gostava de assim ser chamado), vive ausente do torrão querido, mora em Natal em companhia das filhas: Dodora, Selma, Maristela e Maricele, amarga a solidão da viuvez, sua consorte Dona Faustinha faz anos que faleceu.

Toinho é na verdade uma reserva histórica, um esteio de resistência democrática e uma forte pilastra da descendência do primeiro Habitante de Carnaubais. Acreditamos, ser ele a memória viva dos ancestrais que cultuam a presença do patriarca Antônio Pereira de Albuquerque, tronco da genealogia desta importante familia radicada em nossa amada urbe.

[Escrito por Aluíziolacerda, de Carnaubais-RN]























O MENINO DOS PIRULITOS

Por Pedro Simões

O menino vinha pirulitando pelas ruas. E piruetava, também. Pulava num pé só e de lado, como fosse uma guariba. Só assim vencia sem cansaço os altos e baixos de Ceará-Mirim.

Segurava com aparente displicência a tábua de pirulitos. Mas era só na aparência. Na verdade, ali estavam o seu mealheiro, o café, o pão, o p...irão e o feijão. Um verdadeiro tesouro. A mãe, todo dia reforçava o pedido de cuidado e atenção com a mercadoria e ele cumpria a promessa – um olho no peixe, outro no pescador.

Era um menino muito franzino. Quando nasceu, era tão pequenino e desnutrido que a parteira, que já vira milagres e desgraças, pôs o caso nas mãos de Deus. Sobreviveu. Mas dera no que dera – aquela coisinha pouquinha e seca que mais parecia um bicho-pau, esse que parece um graveto seco e se confunde com os galhos das árvores.

Mas, a saúde e a disposição estavam dando para o gasto. Nem muito, nem pouco - na medida. Vez em quando recebia uns avisos de “bizurico” tomando chegada, quando a fome estava mais braba, ou quando saía de casa sem o café da manhã, mas era coisa ligeira e passageira.

A mãe, coitada, fazia tudo o que era possível para o sustento da família, desde a morte do pai. Passava e lavava roupa alheia em casa. Era dia todo à beira do tanque, ou à mesa, com o ferro de engomar esquentado pelo carvão em brasa, espertado pelos assopros de quando em vez, lutando contra a branquidão dos cabelos, as rugas e os vincos. Ver aquilo chegava à beirinha da crueldade, além de despertar uma enorme piedade da mulher.

O pai, motorista, morreu num acidente com o veículo. Logo depois da morte, por pouco tempo, o dono do caminhão quase que sustentou a família, ele, a mãe e uma irmã mais velha. Depois se desculpou e os deixou à própria sorte.

Aliás, sorte era um benefício que nunca tiveram. Depois que o patrão do marido os abandonou, a mãe ficou muito nervosa e passava os dias chorando. A comida foi ficando cada vez mais difícil, aí a irmã tomou o único caminho para ajudar a família: tornou-se prostituta, aos dezesseis anos. Nem gostava de falar nessa época, pois já era menino taludo, com onze anos de idade, solto nas ruas, aprendendo o que prestava e não prestava.

Talvez com o choque da trágica revelação, a mãe se recuperara e iniciara o negócio dos pirulitos e cocadas e dos serviços de lavagem e engomação. As cocadas tinham freguesia certa, duas ou três bodegas as revendiam. E ele tornou-se piruliteiro.

Com pouca instrução, só podia fazer algo assim. Quase treze anos, mal conhecia as letras do alfabeto, embora fosse bom de contas. Tinha de ser, para não ser enganado pelos fregueses. Aprendeu em casa a cartilha do ABC e a fazer contas na tabuada. A mãe repassara o que aprendera. Mais não podia, porque não sabia.

Escola, nem pensar. Não tinha roupa decente, nem sapatos e, além disso, precisava ajudar no sustento de casa. A irmã se amigara com um soldado de polícia que morava na cidade vizinha e abandonara a família por sugestão do seu homem – ou ele ou eles. Preferiu garantir o próprio sustento numa vida boa. Não a censurava. Só quem viveu com tanta dificuldade sabe o melhor para si.

E saracoteava pelas ruas da cidade, ora com um, ora com outro refrão:

“Pirulito, enrolado num papel
Enfiado num palito
chupa pobre, chupa rico,
chupo eu que também grito
E ainda fica p-i-r-u-l-i-t-o!”

Quando estava alegre, porque tivera um bom café, com tapioca, leite, pão e café, ou porque vendera toda a mercadoria, ou sonhara com passarinhos, cantava um refrão de época:

“Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
E quem gosta dela sou eu”

Botava mais entusiasmo nesse refrão, quando passava pela casa de uma amiga da mãe, que tinha uma filha de sua idade, muito da espevitada.

O lucro era pouco, mas era bom. O coco era de graça, tirado da casa do vizinho que tinha um sítio como quintal e ainda era aparentado com eles. A rapadura era de graça também, brinde de Pedro Teófilo capataz do Engenho Verde-Nasce. Só o açúcar era pago. E ele ficava até imaginando as injustiças do mundo. A sua terra produzia tanto açúcar que dava até pra jogar no mato, tal a quantidade de não sei quantos engenhos e usinas, e ainda carecia comprar...

O seu produto era coisa muito simples, quase ordinária, mesmo feita com tanto carinho. Um cone miúdo, marrom lustroso, pertinho do quase-transparente, enrolado com papel de embrulho que grudava no pirulito ao ponto de ser ingerido com a guloseima, e um palito extraído da palha do coqueiro. Depois, cada um era enfiado num buraco do apetrecho conhecido como a tábua do propriamente dito.

A rotina era seguida religiosamente. Morava perto da Rua da Cruz e então descia direto para a igreja. Lá, pedia a proteção de Nossa Senhora da Conceição e um ajutório nos negócios, e rumava para os pontos de venda. Cedinho, passava pelo Café de Cleto, descia para a estação no horário dos trens, subia para os arredores do mercado, e, finalmente, procurava a saída das escolas.

Geralmente vendia tudo, quando não, sobrava uns dois ou três que eram negociados a caminho de casa pela metade do preço - um quase nada melhor do que nada.

Quando alguém se interessava em conhecer a sua vida de piruliteiro, contava sem arrodeios a história de sua vida com lágrimas nos olhos e uma revolta nunca disfarçada que lhe fazia morder os beiços e mudar o tom da voz. Nesse particular, também era mal dotado. Tinha a fala fina e se comunicava aos gritos, hábito de quem apregoa no grito as mercadorias.

Mas no geral diário só tinha uma queixa: era o único moleque da cidade que não tinha apelido e por isso estava sempre sob desconfiança dos amiguinhos.

Um dia, nem começara a venda de pirulitos, foi assistir a um jogo de bola no descampado do cemitério, ao lado da igreja, por onde começava a sua rotina. Um bando de moleques mais ou menos de sua idade, uns dez, talvez, disputavam a posse de uma bola de borracha com brutalidade. Ás vezes até dava a impressão de que eles estavam mais determinados a chutar as canelas uns dos outros do que acertar na bola pra fazer o gol.

Outros meninos assistiam ao jogo e torciam pelos seus preferidos. De repente, dois deles começaram a discutir e um chamou o outro para a briga. O um estava com uma vara na mão. Chamou-o então para que segurasse a vara para não ficar em vantagem na briga. O piruliteiro repousou a tábua de pirulitos num arbusto e se dirigiu ao espaço da contenda.

Quando recebeu a dita vara, o menino que a entregara, puxou-a bruscamente, deixando-lhe na mão uma pasta escura e fedorenta em que descobriu fezes humanas. Tratou de retirar os excrementos, arrastando a mão no chão gramado, enquanto os dois meninos corriam.

Tratava-se da famosa pegadinha chamada de “pau de merda”, ainda desconhecida no seu aprendizado de rua. E teve sorte, porque uns malvados usavam cacos de vidro ou gilete no lugar do cocô.

O pior estava para acontecer. Quando foi buscar a tábua de pirulitos, encontrou o lugar limpo. Outro grupo de meninos aproveitara a circunstância e devem ter se regalado de pirulitos pela vida toda. A ruindade quando chegava era assim: além de queda, coice.

Quando chegou em casa e contou a estória, chorando que nem uma possessa, a mãe, entre uma e outra chinelada nos seus “quartos”, reclamava da sorte avara e da perda da taboa, mais do que os pirulitos.

Não dormiu naquela noite. Contou estrelas até de manhã, sentado num tamborete no terreiro defronte da casa.

Amanheceu com os dedos cheio de perebas, de tanto apontar para as estrelas.

Em compensação, ganhou um apelido: perebento.

Do meu livro, inédito, "Armadilha para pássaros e caçadores".

[Texto transcrito do Facebook de Pedro Simões]


Por Cristina Costa

Afinal, o que é sonho?
Será querer o impossível?
Sonho é querer?
Que loucura!

...Acho que sonho, pode ser
Um grito da alma.
Preciso definir o que é sonho!

Sonhar é lançar-se no espaço,
Sonho é mergulhar no infinito.
Sonhar é a vontade de ver de novo.
Não! Isso é definição de saudade!

Sonho, será o mesmo que devaneio?
Se é, para que tanto rodeio!
No meu sonho sou poeta.

Já sei, sonho é ter amizade sincera,
É ter um grande amor nos braços,
É esquecer todos os fracassos.

É dar e receber beijos de ternura,
É fazer do amor uma doce loucura,
É nutrir sentimento bem definido,
É sentir um amor não dividido.

É sentir paixão ardendo no peito!
É isso mesmo!
É assim,
Que eu sonho...

Postado por Fernando Caldas



sábado, 21 de maio de 2011

POESIA

Não sei como te aquecer. És de outro e não me esqueço
Mal grado o coração me pedir que te odeie,
Não sei te aborrecer e te odiar, não sei:
- Amor do meu amor para mim não mereço.
Alguém que o amor vingar no coração, o preço
...Da saudade lhe dê: - o preço que lhe dei.
Porque o preço do amor quando traído, eu sei,
É o preço da tortura e o gozo quando avesso.

[João Lins Caldas - 1888-1967]

Postado por Fernando Caldas